Ligue-se a nós

Tecnologia

Tecnologia em tempos de guerra

Redação Informe 360

Publicado

no

Será que o céu é o limite para a tecnologia? Eu diria que não! Podemos ir muito mais além com ela, já que a cada nova descoberta, um benefício a mais para a sociedade.

Mas não só de boas ações vive a tecnologia. Infelizmente ela também é empregada para fazer o mal e estamos acompanhando isso de uma maneira terrível na guerra anunciada pela Rússia na Ucrânia.

De acordo com o portal da BBC, além de tanques e mísseis, os hackers agora são parte integral de ofensivas que visam desmantelar a infraestrutura de um país e gerar choques de efeito psicológico na população.

Não é de hoje que a Rússia aposta em ataques desse tipo. Desde a anexação da Crimeia em 2014, os russos vêm desenvolvendo competências de alto padrão em ciberataque e ciberdefesa, além de implementar muita tecnologia em tudo.

Anúncio

Além disso, eles derrubaram a rede de celular e internet com um único objetivo: instaurar uma sensação de pânico na população. Imagine não poder ligar para um familiar ou se comunicar pelas redes sociais? Na era da tecnologia, isso é uma grande violência, já que temos boa parte da nossa vida no ambiente online.

Se antes, uma guerra envolvia embates entre soldados de cada lado, agora estamos diante de um conflito, do qual não só militares estarão envolvidos, mas toda a sociedade será um alvo certeiro. Está é a guerra do futuro e que já está mais presente do que imaginamos.

O que esperar em novos ataques

Me lembro do curta Slaugheterbots que mostrava um futuro assustador. No filme, um exército de microdrones foram criados e despachados para matar ativistas políticos nos EUA. Armados com cargas explosivas, os quadricópteros (com tamanho menor que a palma de uma mão) utilizam inteligência artificial para encontrar e destruir seus alvos.

O filme foi encomendado pela Future of Life Institute, organização sem fins lucrativos dedicada à mitigação dos riscos existenciais expostos por tecnologias avançadas, e exibido nas Nações Unidas em Genebra (Suíça) durante uma reunião da Convenção Sobre Certas Armas Convencionais.

Anúncio

Nele, as tecnologias usadas foram todas aquelas que falamos e utilizamos para o bem, como inteligência artificial, reconhecimento facial, segmentação automática e drones.

Essas ferramentas são de fácil acesso e, inclusive, um drone de 300 gramas e que pode voar por até 4quilômetros pode ser comprado na Amazon por R$ 399 dólares. Um preço nada caro para quem tiver interesse em financiar uma guerra e uma destruição maciça.

Além disso, o documento “O Uso Malicioso da Inteligência Artificial: Previsão, Prevenção e Mitigação”, assinado por 26 especialistas em IA de todo o mundo, ainda mostra uma invasão hipotética de um robô de limpeza que invade a sala de uma ministra para assassiná-la com um explosivo. Além disso, há o uso de voz para imitar seres humanos com o objetivo de iludir pessoas para causar danos, “envenenamento” de dados para manipular máquinas de IA inimigas de forma imperceptível (com o objetivo de que elas se desenvolvam com falhas), uso de inteligência artificial para “phishing” (ou seja, criar emails tão personalizados que seria quase impossível para as vítimas não serem enganadas, entregando senhas e outras informações importantes), além da própria criação de robôs exclusivos para a destruição.

Certamente, a Rússia, que segue a todo vapor em seu desenvolvimento tecnológico, está pronta para uma guerra que use recursos como os citados acima. Para ter uma ideia, recentemente, eles anunciaram testes bem-sucedidos de seu míssil de cruzeiro hipersônico Zircon, proclamando que ele pode derrotar qualquer defesa em qualquer lugar do mundo.

Anúncio

Esse armamento pode viajar a uma velocidade cinco vezes maior do que a do som e, por ser “de cruzeiro”, também tem a capacidade de manobrar em pleno voo. Essa característica dificulta ainda mais sua interceptação.

O momento é de tensão. Não sabemos como esse conflito seguirá nos próximos dias, mas o mundo nunca mais será o mesmo, pode apostar! Diante desse cenário de guerra, veremos daqui para frente vários países “recrutarem” suas tecnologias para que fiquem apostos contra qualquer oponente.

Infelizmente, entramos em uma guerra tecnológica e apesar de várias previsões, quando a tecnologia é usada para o mal, o futuro se torna incerto!

Fonte: Olhar Digital

Anúncio

Tecnologia

Conheça o acessório que transforma o Apple Watch em iPod

Redação Informe 360

Publicado

no

Um novo produto pode ser a novidade que você esperava para dar um novo uso ao seu Apple Watch, que poderia funcionar como um iPod ou um mini iPhone. Trata-se do TinyPod!

Custando US$ 79, o TinyPod é um case de silicone com uma roda de rolagem integrada que abrigar perfeitamente o Apple Watch.

Quando um Apple Watch é colocado dentro do TinyPod, a roda clicável na lateral pode ser usada para rolar pela interface do Apple Watch. O recurso funciona por meio de “componentes cuidadosamente mecanizados” que fazem contato direto com a Coroa Digital do Apple Watch.

O site do TinyPod sugere que uma o Apple Watch pode ser colocado dentro do case de silicone para ser usado como um telefone em miniatura, sem a necessidade de carregar um iPhone.

Anúncio

Leia mais:

  • iPhone: 10 dicas para usar o smartphone de maneira mais eficiente
  • iPhone: 10 truques que você nem sabia que existiam
  • Além do iPhone: Apple também planeja MacBook Pro e Apple Watch mais finos 

O uso do TinyPod requer a desativação da detecção de pulso, o recurso que mantém o Apple Watch desbloqueado com contato com a pele.

Desse modo, Apple Watch precisaria ser desbloqueado com uma senha toda vez que fosse usado, já que não há Face ID ou Touch ID. A alternativa seria deixar o relógio desbloqueado sem senha, algo que não é particularmente seguro.

Anúncio

O TinyPod possui tamanhos variados

  • O TinyPod está disponível em três tamanhos, feitos para caber em todos os modelos Apple Watch.
  • É compatível com o modelo Series 4 e posterior, bem como com o Apple Watch SE e Apple Watch Ultra.
  • Os criadores do TinyPod o apresentaram no início deste ano, mas só agora o dispositivo está disponível para compra, e pode ser encomendado no seu site oficial.
  • Os preços variam de US$ 29.99 até US$ 89.99, ou seja, algo em torno de R$ 166 até R$ 500 — sem contar taxas de importação.
O TinyPod acomoda perfeitamente o Apple Watch – Imagem: Divulgação/TinyPod

O post Conheça o acessório que transforma o Apple Watch em iPod apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Tecnologia

Adeus! Carro da Nissan deve sair de linha em 2025

Redação Informe 360

Publicado

no

As vendas do Nissan Versa têm registrado aumento nos Estados Unidos e em outras partes do mundo recentemente. No entanto, nem mesmo estes bons resultados devem garantir a sobrevivência do modelo.

Futuro da Nissan deve ser elétrico

  • De acordo com a Automotive News, a Nissan deve tirar o Versa de linha nos EUA no ano que vem.
  • Além disso, a empresa ainda deve encerrar a produção do Altima até 2026.
  • Lembrando que o Maxima já havia sido descontinuado no ano passado.
  • O único que deve se salvar, pelo menos por enquanto, é o Sentra.
  • As decisões da montadora estão alinhadas com o plano de lançar um sedã elétrico no início da próxima década.
  • Não há informações sobre impactos no mercado brasileiro.
Nissan alerta para risco de explosão de airbags
Nissan quer simplificar seu portfólio de produtos (Imagem: In Green/Shutterstock)

Leia mais

  • Nissan aumenta presença no Brasil e lança nova versão do Versa
  • Novo Nissan Kicks é revelado; veja o que muda e quando chega ao Brasil
  • Os 10 carros mais populares da Nissan

Não haverá substituto para o Versa

Segundo a publicação, o Versa deve se despedir do mercado após a chegada da linha 2025, cuja produção deve encerrar em abril do ano que vem. Não há um substituto planejado para o modelo.

Já o Altima deve durar até o ano-modelo 2026, com produção na fábrica de Canton, no Mississippi. A montadora planeja produzir ao menos três sedãs e dois crossovers no local futuramente, todos com algum grau de eletrificação.

O desejo da Nissan é simplificar seu portfólio e focar em um futuro eletrificado. Recentemente, a CEO da empresa, Makoto Uchida, afirmou que serão lançados 30 carros até 2026, sendo 16 deles elétricos.

Uma das gerações anteriores do Versa, que foi bem presente no Brasil. (Imagem: Nissan/divulgação)

De acordo com o porta-voz da Nissan North America, Brian Brockman, os sedãs são parte importante da estratégia de produto da empresa, com muitas vantagens para o consumidor, como o baixo custo de propriedade, por exemplo. Ele afirmou que a empresa “está comprometida em oferecer uma linha completa de veículos que atendam às necessidades dos nossos clientes em diversos segmentos”.

O post Adeus! Carro da Nissan deve sair de linha em 2025 apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Tecnologia

Novo medicamento pode revolucionar controle do HIV

Redação Informe 360

Publicado

no

A Gilead Sciences, farmacêutica norte-americana, desenvolveu um novo medicamento semestral injetável que alcançou 100% de eficácia para prevenir a disseminação do HIV. Resultados de ensaios clínicos divulgados recentemente apontam que, se aprovado, o Lenacapavir poderia trazer grandes avanços na erradicação do vírus.

Entenda:

  • Um novo medicamento semestral injetável alcançou 100% de eficácia para prevenir a disseminação do HIV;
  • O Lenacapavir, da Gilead Sciences, passou recentemente por ensaios clínicos de Fase 3;
  • Atualmente, o medicamento está sendo testado no PURPOSE 2, outro importante ensaio clínico cujos resultados devem ser divulgados até o início de 2025;
  • Se aprovado, o Lenacapavir tem potencial para “ajudar a aumentar a adesão e a persistência de PrEP (profilaxia pré-exposição)”, trazendo grandes avanços na erradicação do vírus.
Teste de HIV.
Novo medicamento para HIV mostrou eficácia total em mulheres cis. (Imagem: mikeforemniakowski/Shutterstock)

Em pacientes HIV-negativos, os medicamentos de profilaxia pré-exposição (PrEP) – como Descovy ou Truvada – podem reduzir em cerca de 99% o risco de contrair o vírus. Nos resultados dos ensaios clínicos de Fase 3 do Lenacapavir, a eficácia apontada foi de 100%.

Leia mais:

  • Implante PrEP deve ser nova alternativa na prevenção contra HIV
  • Vacina contra HIV gera anticorpos durante testes em humanos
  • Experimentos sobre o HIV no espaço recebem permissão para retornar à Terra

Novo medicamento para HIV passa por outra rodada de ensaios clínicos

Uma única dose do novo medicamento foi comparada à administração oral diária de Descovy ou Truvada em mais de 5.300 mulheres cisgênero (cuja identidade de gênero corresponde ao sexo atribuído no nascimento) de 16 a 25 anos na África do Sul e Uganda. Nos grupos de Truvada e Descovy foram registrados, respectivamente, 16 e 39 casos de infecção por HIV. Nenhum caso foi registrado no grupo do Lenacapavir.

HIV
Medicamento está passando por nova etapa de ensaios clínicos. (Imagem: PENpics Studio/Shutterstock)

Até o início de 2025, os resultados do PURPOSE 2, outro importante ensaio clínico, devem ser divulgados. A avaliação deve indicar a eficácia do Lenacapavir em grupos de homens cisgênero, homens trans, mulheres trans e indivíduos não-binários que mantêm relações sexuais com homens cis.

“Embora saibamos que as opções tradicionais de prevenção do HIV são altamente eficazes quando tomadas conforme prescrito, o Lenacapavir pode ajudar a lidar com o estigma e a discriminação que algumas pessoas enfrentam ao tomar ou armazenar pílulas orais de PrEP, bem como potencialmente ajudar a aumentar a adesão e a persistência da medicação, dado seu cronograma de dosagem semestral”, diz Linda-Gail Bekker, Diretora do Desmond Tutu HIV Center, em comunicado.

Anúncio

O post Novo medicamento pode revolucionar controle do HIV apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Em Alta