Ligue-se a nós

Saúde

Witzel determina apoio da Polícia aos municípios que decretarem lockdown

Redação Informe 360

Publicado

no

O governador Wilson Witzel determinou, nesta segunda-feira (11), ao secretário da Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo, que a PM auxilie as prefeituras que decidirem decretar o lockdown. Policiais militares e agentes da Operação Segurança Presente poderão ser acionados para apoiar ações de bloqueio nas vias desses municípios. Decreto que será publicado em edição extra do Diário Oficial de hoje prorroga as medidas no estado até o dia 31 de maio e recomenda que prefeitos realizem em seus municípios alguma forma de lockdown, como medida de isolamento social, com o objetivo de evitar a proliferação da doença.

— Determinei ao Secretário da PM que os comandantes dos batalhões se reúnam com os prefeitos das cidades onde o isolamento social não está sendo cumprido e apoiem as ações de bloqueio das ruas de maior movimentação. Seguimos no enfrentamento ao Covid-19 — afirmou o governador.

De acordo com o decreto, ficam mantidas ainda medidas como o fechamento de escolas públicas e privadas, creches e instituições de ensino superior e, ainda, a suspensão da realização de eventos esportivos, culturais, shows, feiras científicas, entre outros, em local aberto ou fechado. Também segue suspenso o funcionamento de cinemas, teatros e afins. Academias, centros de lazer e esportivos e shoppings também devem permanecer fechados. A recomendação para que a população fluminense não frequente praias, lagoas, rios e piscinas públicas e clubes segue válida para todo o estado. Entre as determinações, foi incluída ainda a suspensão de obras não emergenciais em imóveis residenciais e comerciais, ficando garantida a possibilidade de suspender os contratos de prestação de serviços, sem multa ou juros.

Somente serviços essenciais devem permanecer funcionando, porém devem seguir com todas as medidas de segurança para evitar aglomerações, além do cumprimento do distanciamento entre as pessoas.

Anúncio

Em caso de descumprimento das medidas previstas, as autoridades competentes deverão apurar as eventuais práticas de infrações administrativas e crimes previstos. Os demais tipos de comércio terão que realizar atendimento em domicílio.Fonte: Imprensa Governo RJ

Saúde

Dengue: Brasil ultrapassa marca de 5 milhões de casos em 2024

Redação Informe 360

Publicado

no

A situação alarmante da dengue no Brasil ganhou um novo marco. O país atingiu o registro de 5.100.766 casos prováveis da doença, o que já é o novo recorde desde o início da série histórica, em 2000. O número é mais do que o triplo do registrado em todo o ano de 2023. A gravidade da situação também é refletida no número de mortes, com 2.827 óbitos confirmados e 2.712 ainda sob investigação.

Leia mais:

Segundo dados do Ministério da Saúde, a taxa de letalidade em casos leves está em 0,06%. Já em casos graves é de preocupantes 4,83%. Os números revelam que a faixa etária mais afetada é a de 20 a 29 anos, seguida pelas faixas de 30 a 39, 40 a 49 e 50 a 59 anos. As crianças menores de um ano, juntamente com pessoas acima dos 80 anos, formam os grupos menos atingidos. Além disso, 55% dos casos são em mulheres.

O mapa da dengue no Brasil

Minas Gerais lidera em número absoluto de casos, com 1.431.174 infecções, seguido por São Paulo e Paraná. Ao se considerar o coeficiente de incidência, que é o número de casos por 100 mil habitantes, o Distrito Federal tem o maior índice: 9.037, seguido por Minas Gerais com 6.968. Em contrapartida, estados da região norte e nordeste – como Roraima, Ceará, Sergipe e Maranhão – apresentam as menores taxas.

Imagem: Vinicius R. Souza/Shutterstock

O surto de dengue em 2024 superou as expectativas do Ministério da Saúde, que inicialmente havia estimado 4,2 milhões de casos até dezembro. Áreas urbanas com grandes populações, como São Paulo, Rio de Janeiro e Vitória estão entre as mais afetadas.

O histórico da doença no Brasil mostra que os surtos de dengue têm se intensificado ao longo dos anos, com 2024 registrando o maior número de casos e mortes já visto.

Anúncio

Casos de dengue por ano desde 2010

  • 2010 – 1.011.548
  • 2011 – 739.370
  • 2012 – 589.591
  • 2013 – 1.454.871
  • 2014 – 589.107
  • 2015 – 1.688.688
  • 2016 – 1.483.623
  • 2017 – 239.389
  • 2018 – 262.594
  • 2019 – 1.545.462
  • 2020 – 948.533
  • 2021 – 531.922
  • 2022 – 1.420.259
  • 2023 – 1.658.816

Sintomas da dengue

Os primeiros sintomas da dengue são febre alta, dores no corpo e atrás dos olhos, vermelhidão na pele e fadiga. Eles começam, em média, cinco dias após a picada do mosquito, período chamado de incubação, e podem durar de dois a sete dias.

vacina da dengue
Imagem: shutterstock/chemical industry

Nessa fase, a doença é classificada como dengue clássica ou dengue sem sinais de alerta e pode ser controlada com hidratação intensa e medicações como dipirona ou paracetamol para controlar a dor (o Instituto Butantan listou remédios remédios para tomar e evitar em caso de dengue).

Outros sintomas podem surgir na sequência, principalmente quando a febre cessa por volta do quinto dia. Essa é a fase da dengue com sinais de alerta, nome dado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) por indicar gravidade do quadro clínico. Nesse momento, é importante ter acompanhamento médico.

Na dengue grave, a que mais preocupa, ocorre maior reação inflamatória sistêmica, que altera a coagulação do sangue e acarreta a perda de líquidos. Essa fase geralmente precisa de internação hospitalar.

O post Dengue: Brasil ultrapassa marca de 5 milhões de casos em 2024 apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Quais doenças afetarão a humanidade em 2050? Estudo responde

Redação Informe 360

Publicado

no

Já se perguntou como será a saúde global daqui a 30 anos? Quais doenças poderão afetar a humanidade? O Estudo Global sobre a Carga de Doenças, Lesões e Fatores de Risco (ou GBD na sigla em inglês) respondeu essas questões.

A boa notícia é que é esperado um aumento na expectativa de vida, a má é que doenças não transmissíveis, como o câncer, serão cada vez mais frequentes.

Leia mais:

Principais descobertas do estudo sobre doenças

A Covid-19 apareceu em destaque, considerada o “maior revés na saúde global nos últimos 71 anos” pelo professor Christopher Murray, diretor do Institute for Health Metrics and Evaluation. No entanto, o GBD também olhou para o futuro para prever como será o panorama da doença nas próximas décadas. O estudo realizado em 2021 centrou-se em 204 países e territórios, prevendo “o futuro provável” até 2050.

É provável que a expectativa de vida aumenta em 4,9 anos para homens e 4,2 anos para mulheres: “Apesar das alterações climáticas, à glicemia plasmática em jejum elevada e ao uso de drogas, esperamos que a expectativa de vida saudável aumente até 2050”, escreve Murray.

Anúncio
Agente de saúde segurando instrumento com bactéria causadora da cólera
(Imagem: David Pereiras/Shutterstock)

No entanto, o especialista alerta que “o progresso esperado é frágil” e pode facilmente ser prejudicado por ameaças como a insegurança alimentar, a resistência antimicrobiana, a escalada de conflitos e o aumento da diabete, obesidade, dependência e envelhecimento.

As previsões também indicam que haverá uma mudança na carga de doenças, das doenças transmissíveis para não transmissíveis (DNT) – doenças que não são transmissíveis diretamente de uma pessoa para outra, incluindo doenças cardiovasculares, câncer e diabete.

Haverá também um aumento nos anos vividos com incapacidade, indicando uma mudança da morte prematura para a morbilidade – ou seja, as pessoas viverão mais, mesmo com saúde mais debilitada.

Por fim, a pesquisa sugere que ao reduzir riscos “metabólicos e dietéticos crescentes, como açúcar elevado no sangue, índice de massa corporal elevado e pressão arterial elevada“, podemos melhorar drasticamente os resultados de saúde no futuro:

O estudo mais recente foi publicado na revista científica sobre medicina The Lancet.

Anúncio

Pesquisa sobre saúde global começou em 1991

  • O Global Burden of Disease Study é a pesquisa mais abrangente para qualificar como anda a saúde global com o passar dos anos.
  • Desde 1991, auxilia médicos, pesquisadores e governos a entender quais são os novos desafios da saúde.
  • Dados da edição de 2021, por exemplo, mostraram que as condições neurológicas ultrapassaram as doenças cardiovasculares como causa número um de problemas de saúde no mundo.
  • Agora, a revista científica The Lancet publicou mais conclusões do estudo mais recente.

O post Quais doenças afetarão a humanidade em 2050? Estudo responde apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Saúde

Por que sentimos menos fome no calor?

Redação Informe 360

Publicado

no

Naturalmente esse é um fato comum a todas às pessoas, a redução do apetite em dias mais quentes. Mas por que será que isso acontece? O que a ciência revela sobre sentirmos menos fome no verão?

Entre outras coisas, por que será que no inverno acontece exatamente o contrário? Descubra agora, neste artigo!

Leia mais

Você sente menos fome no calor? Entenda o porquê!

Evidentemente, é claro que a questão do apetite varia de pessoa para pessoa. Mas o que a ciência explica é que enquanto no inverno o nosso corpo precisa de mais energia para manter a temperatura interna e o funcionamento do organismo.

No verão isso não acontece, já que a temperatura externa é mais alta e não é preciso “se aquecer”. Assim, o consumo de calorias acaba sendo menor, diminuindo, portanto, a nossa vontade de ingerir os alimentos. O educador científico Luis Villazon explica o seguinte ao Science Focus, sobre este assunto:

Anúncio

“Em dias quentes, nosso corpo já está trabalhando duro para fazer com que sua temperatura não aumente muito, por isso ele não precisa do calor extra que você adquire de uma grande refeição. Por isso, seu apetite acaba reduzindo um pouco e seu corpo usa mais da energia nas reservas de gordura”.

Luis Villazon

Deste modo, no inverno acontece o contrário, é a comida que precisa aquecer o corpo, por isso sentimos a necessidade de fazer refeições mais intensas ou mais vezes ao dia.

Especialistas ainda sugerem que isso é mais percebido em regiões onde as estações são bem definidas, em que o inverno realmente é mais frio e o verão com calor intenso.

Outro estudo realizado na China no ano de 2021, reafirma ainda mais que sentimos menos fome em dias quentes, ao revelar que o aumento de 1 °C diminui a quantidade de comida ingerida em 0,11%.

Anúncio

Quais estratégias preciso fazer para comer bem no verão?

Salada e mesa com frutas
Imagem Shutterstock

Segundo especialistas, o ideal é escolher levar ao prato alimentos mais leves, priorizando opções com fibra, fruta, hortícolas, alimentos mais ricos em antioxidantes, menos processados, menos gorduras e menos açúcares.

Além disso, é necessário não esquecer de manter um bom nível de hidratação ao longo do dia, afinal de contas independente das regiões, os fenômenos climáticos e a temperatura do planeta estão de uma forma geral, tornando os dias mais quentes até mesmo em estações tipicamente frias.

Outra dica é não mudar a alimentação bruscamente, apesar da diminuição do apetite, pois isso não é recomendado, de acordo com nutricionistas. Até porque, com as altas temperaturas, há também uma maior perda de líquidos e nutrientes.

Dessa forma, é importante continuar seguindo uma alimentação balanceada. Portanto, escolha sucos, saladas e diversas outras opções de alimentos mais refrescantes e, ao mesmo tempo, nutritivos.

O post Por que sentimos menos fome no calor? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Em Alta