Ligue-se a nós

Saúde

O câncer da princesa Kate e o diagnóstico em pessoas jovens

Redação Informe 360

Publicado

no

O diagnóstico de câncer anunciado por Kate Middleton, ou Catherine, a princesa de Gales, chocou o mundo no último dia 22 de março. Primeiro, porque os fãs da realeza britânica já estavam acompanhando há algum tempo o sumiço da esposa do príncipe William. E, segundo, porque Kate é uma mulher jovem, de apenas 42 anos.

A maioria das pessoas ainda acha que o câncer é uma doença que atinge apenas os idosos. Só que novas pesquisas científicas demonstram que a história não é bem assim.

Um estudo de 2023 publicado na revista BMJ Oncology concluiu que a incidência global de câncer de início precoce aumentou 79,1% e as mortes nessa faixa etária cresceram 27,7% entre 1990 e 2019.

A tendência é confirmada por um outro artigo científico. Um relatório divulgado em janeiro deste ano pela American Cancer Society afirma que o perfil dos pacientes com câncer sofreu uma alteração: está “cada vez mais mudando de indivíduos mais velhos para indivíduos de meia-idade”.

Anúncio

Os médicos fizeram o estudo comparando 3 faixas etárias – os adultos com 65 anos ou mais, aqueles entre os 50 e os 64 anos e os com menos de 50 anos. E o resultado foi o seguinte: “as pessoas com menos de 50 anos foram as únicas a registrar um aumento na incidência global de câncer” entre 1995 e 2020.

Em artigo para a CNN, o oncologista Jalal Baig reitera essa teoria. Disse que, na semana passada, atendeu uma mulher de 37 anos com câncer de mama e um homem de 45 anos com câncer de cólon. Os dois já sofriam com metástases, ou seja, a doença já havia se espalhado para outra parte do corpo, além da que sofria com o tumor original.

Imagem: Shutterstock/angellodeco

Investigação sobre os motivos

Diante desse aumento de casos, Baig destaca que o mais importante agora é estudar as razões que estão levando a esse fenômeno – justamente para combatê-lo.

Durante muitos anos, os especialistas acreditavam no papel determinante da genética e dos oncogenes no aparecimento da doença. A percepção da ciência sobre esse tema não mudou, mas os médicos passaram a prestar mais atenção em outros fatores externos.

Leia mais

Anúncio

Um estudo relativamente antigo, de 2004, já indicava que o câncer podia ter relação também com a dieta e o estilo de vida das pessoas. A alta nos casos precoces estaria ligada, portanto, a mudanças ocorridas nessas duas áreas a partir de meados do século passado.

A lista de possíveis culpados é grande e pode incluir os alimentos ultraprocessados, as bebidas açucaradas, o excesso no consumo de carne vermelha, tabagismo, álcool, alterações do sono, obesidade e sedentarismo.

Médicos afirmam que atividade física pode ajudar – Créditos: Kzenon – Shutterstock

O doutor explica que sozinhos e especialmente em conjunto, estes fatores podem alterar os processos internos do nosso corpo, perturbando o metabolismo e aumentando a inflamação.

Apesar de todos esses indicativos, o oncologista afirma que já recebeu em seu consultório inúmeros pacientes com câncer que se alimentavam de forma saudável e praticavam atividade física regularmente. Ou seja, não dá para cravar que o câncer está ligado exclusivamente a maus costumes.

Por isso a necessidade de novos estudos.

O câncer da princesa de Gales

  • Kate Middleton descobriu o câncer após uma cirurgia abdominal de grande porte realizada em janeiro.
  • O anúncio foi feito pelas redes sociais, em vídeo no qual ela afirma que tudo foi um “grande choque” depois de “alguns meses incrivelmente difíceis”.
  • Kate já começou a quimioterapia e passou uma mensagem positiva, dizendo: “Estou bem e a cada dia mais forte”.
  • O Palácio de Buckingham não revelou detalhes na época do procedimento, em janeiro, aumentando os rumores sobre o sumiço da princesa de Gales.
  • O Palácio de Kensington, residência oficial dela e do príncipe William, não informou qual é o tipo de câncer enfrentado por Kate.
  • Um porta-voz do palácio declarou que a família real “não vai compartilhar mais nenhuma informação médica particular” e que “a princesa tem direito à privacidade médica, assim como todos nós”.
  • O que sabemos é que ela está sendo submetida a uma “quimioterapia preventiva” e que está nos estágios iniciais do tratamento.
  • Quimioterapia é um termo genérico para medicamentos que matam células cancerígenas, com o objetivo de reduzir o risco do câncer permanecer ou voltar.

As informações são da CNN.

O post O câncer da princesa Kate e o diagnóstico em pessoas jovens apareceu primeiro em Olhar Digital.

Continuar Lendo
Anúncio

Saúde

Tratamento brasileiro é esperança contra o câncer de pênis

Redação Informe 360

Publicado

no

O tratamento contra o câncer é um dos maiores desafios da medicina atualmente. E um dos quadros mais preocupantes é o do câncer de pênis. Mas um novo tratamento criado por pesquisadores brasileiros pode ajudar a combater este problema.

Leia mais

Tratamento brasileiro pode ser chave contra o câncer de pênis (Imagem: BlurryMe/Shutterstock)

Câncer de pênis é mais comum no Norte Nordeste

  • Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), a doença causa 486 amputações no Brasil anualmente.
  • Dados do Ministério da Saúde apontam que o câncer de pênis representa 2% de todos os tipos de câncer que atingem os homens no Brasil, e é mais comum nas regiões Norte e Nordeste.
  • A maior incidência é em pessoas com mais de 50 anos, embora possa atingir também os mais jovens. 
  • A doença tem relação com a falta de higiene íntima, mas também está associado à infecção pelo pipolmavírus humano (HPV).
Ilustração de uma célula cancerígena (Imagem: Shutterstock/Kateryna Kon)

Tratamento apresentou resultados promissores

O trabalho foi desenvolvido em conjunto com o Latin American Cooperative Oncology Group (LACOG). De acordo com os pesquisadores, o tratamento conseguiu dobrar a taxa de resposta ao câncer.

No total, 33 pacientes receberam seis aplicações de imunoterapia e quimioterapia, além de 28 aplicações de imunoterapia isolada. Descrita em um estudo, a inovação foi apresentada no ASCO Annual Meeting 2024, considerado o maior congresso de oncologia do mundo. 

A pesquisa começou em 2020 e, segundo os cientistas, 75% dos pacientes tiveram algum grau de redução dos tumores. Em quase 40% dos casos, a diminuição foi considerada significativa.

Anúncio

Os pesquisadores ainda afirmam que o tratamento é importante em função de ter descoberto dois marcadores, chamados P16 e o TMB, que podem ajudar a criar uma melhor resposta ao tratamento. Segundo o estudo, os pacientes com P16 positivo tiveram taxa de respostas de 55,6%, enquanto os pacientes com TMB alto tiveram 75%. 

O post Tratamento brasileiro é esperança contra o câncer de pênis apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Ciberataque gera onda de doações de sangue no Reino Unido; entenda o motivo

Redação Informe 360

Publicado

no

Imagine você ter uma consulta médica marcada há algumas semanas, chegar ao local e ter de voltar para casa. Ou ainda ser proibido de fazer um exame de sangue. Ou precisar mudar de unidade, deslocando-se por quilômetros de distância, para concluir uma transfusão.

Foi isso que aconteceu em Londres na semana passada. Alguns dos principais hospitais da capital inglesa foram afetados por um ataque hacker que derrubou os sistemas do laboratório Synnovis, que presta serviço para vários centros médicos.

Leia mais

Informações preliminares indicam que esse ataque teria partido do grupo Qilin, de criminosos cibernéticos russos, mas ainda não há nada oficial.

O que sabemos é que caso foi tão impactante a ponto de o National Health Service (NHS) lançar uma campanha para que pessoas com sangue O+ e O- façam doações.

Anúncio

O NHS funciona como uma espécie de SUS do Reino Unido. É o principal órgão do setor no país.

Doador de sangue
Seja você também um doador – Imagem: hxdbzxy/Shutterstock

Por que esse tipo sanguíneo

  • Porque o sangue do tipo O pode ser doado para a maioria das pessoas.
  • O O- é o doador universal – todo mundo pode receber esse sangue.
  • Ele é usado, principalmente, quando uma vítima chega ao hospital precisando de uma transfusão, e os profissionais não têm a informação do tipo sanguíneo dela.
  • Ou seja, para não correr nenhum risco, utilizam o O-.
  • Já o O+ funciona para todos os outros tipos positivos.
  • E, só por curiosidade, o receptor universal é o AB+.
  • Tem muita gente que acha que o sangue O-, portanto, seria o mais importante de todos.
  • A resposta na vida real, porém, é diferente.
  • Em Londres, por exemplo, o principal apelo é por sangue O+.
  • Isso porque a maioria das pessoas possuem sangue “positivo”.
  • As autoridades estimam que 76% da população local seja assim.
  • Além disso, os doadores O+ são a maioria também: 35% contra apenas 8% dos que possuem O-.
O tipo O- é o doador universal e o AB+ é o receptor universal – Imagem: angellodeco/Shutterstock

Doações salvam vidas

O NHS explica que o sangue tem vida útil de 35 dias, portanto os estoques precisam ser continuamente reabastecidos. Além disso, sem o sistema, é mais seguro ter um estoque maior dos tipos sanguíneos mais usados – e que podem ser doados para todos.

Entre os hospitais mais afetados pelo ataque cibernético estão o King’s College Hospital, o Guy’s e o St Thomas’ (incluindo o Royal Brompton e o Evelina London Children’s Hospital).

As autoridades destacam que a doação de sangue pode salvar vidas e ajudar quem mais precisa. Isso não só no Reino Unido, mas em todos os lugares.

Sobre o ataque hacker, um porta-voz da Synnovis disse o seguinte, segundo a BBC:

Anúncio

“Este é um duro lembrete de que este tipo de ataque pode acontecer a qualquer pessoa, a qualquer momento e que, de forma desanimadora, os indivíduos por trás dele não têm escrúpulos sobre quem as suas ações podem afetar”, declarou o porta-voz.

Os especialistas ouvidos pelo jornal britânico concordam e cobram que todas as organizações do setor público deveriam, hoje em dia, ter planos de contingência para gerir ataques cibernéticos, além de mais investimentos em TI.

As informações são da BBC.

O post Ciberataque gera onda de doações de sangue no Reino Unido; entenda o motivo apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Saúde

Gripe aviária H5N1 tem novo caso em humano, diz OMS

Redação Informe 360

Publicado

no

Mais um caso de gripe aviária em humanos foi confirmado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Dessa vez, a infecção foi identificada em uma menina de dois anos, que testou positivo para H5N1 e precisou de atendimento médico na Austrália.

Apesar do caso ter sido registrado no país da Oceania, a OMS disse que a menina provavelmente contraiu o vírus na Índia, onde esteve nas últimas semanas de fevereiro. Nenhum outro familiar apresentou sintomas da doença.

A infecção da doença em humanos é rara e, segundo o Ministério da Saúde, pode acontecer com o contato direto com aves infectadas. Nenhum caso foi registrado no Brasil e apenas 4 foram identificados nas Américas.

Leia mais:

Anúncio

Menina de 2 anos com gripe aviária

Apesar disso, a gravidade da doença, quando afeta humanos, é alta e a OMS observa de perto o novo vírus. Segundo o órgão, a menina australiana foi o primeiro caso de contaminação por H5N1 confirmado no continente. 

“A sequência genética do vírus obtida nas amostras confirmou o subtipo A (H5N1)… que circula no sudeste da Ásia e foi detectado em infecções humanas anteriores e em aves”, afirmou a OMS. A paciente está bem e se recupera.

gripe aviária
(Imagem: Pordee_Aomboon / Shutterstock.com)

Morte por variante H5N2

A Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou, na quarta-feira (5), a primeira morte por infecção de gripe aviária H5N2, uma nova variante até então desconhecida em humanos. O paciente, um homem de 59 anos residente no México, teve o óbito decretado em 24 de abril após ter febre, falta de ar, diarreia, náusea e desconforto. 

Segundo a OMS, apesar da nova variante, o risco atual do vírus da gripe aviária para a população em geral é considerado baixo.

Combate de especialistas contra a gripe aviária vem se intensificando

  • O atual surto de gripe aviária começou em 2020 e, embora a infecção humana seja rara, existe uma elevada taxa de mortalidade;
  • Autoridades e cientistas entendem que é crucial saber como o vírus é transmitido entre os animais e onde isso está acontecendo;
  • Já se sabe da presença do vírus em vários mamíferos, como raposas, focas, leões marinhos, ursos e gatos domésticos;
  • Com os riscos tão elevados e a pandemia ainda fresca na mente das pessoas, os cientistas têm redobrado esforços para tentar minimizar a propagação contínua da gripe.

O post Gripe aviária H5N1 tem novo caso em humano, diz OMS apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta