Ligue-se a nós

Saúde

Crises de cefaleia podem ser agravadas na quarentena, alerta médica

Redação Informe 360

Publicado

no

A cefaleia é considerada a segunda condição médica mais comum da humanidade e atinge, aproximadamente, 15% da população brasileira, ou seja, cerca de 30 milhões de pessoas. As fortes dores de cabeça provocadas pela doença a classificam como incapacitante. Segundo a secretária do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), a neurologista Célia Roesler, a patologia causa um grande impacto socioeconômico e é um dos principais motivos de falta ao trabalho. “Ela interrompe, muitas vezes, bons e importantes momentos da vida”.

Para conscientizar sobre a doença, especialistas em neurologia trabalharam durante o mês de maio, Mês Nacional de Combate à Cefaleia, em uma campanha para alertar a população sobre as dores de cabeça e orientar sobre os riscos e formas de prevenção.

Além disso, devido à quarentena, houve um aumento de queixas dos pacientes que tiveram as crises agravadas nesse período. Célia explica que isso acontece porque um indivíduo diagnosticado com cefaleia não pode sair muito da rotina.

“Com a pandemia, eles estão comendo diferente, com o sono desregulado, ingerindo alimentos mais calóricos e não estão fazendo atividades físicas. Além disso, há também o estresse, o sentimento de incerteza e a angústia de ficar o tempo todo dentro de casa”, explica a neurologista.

Anúncio

Crises durante o isolamento

A doula e educadora perinatal Laura Mulher viu suas crises de cefaleia voltarem durante o isolamento social. “Tive muito problema de cefaleia na minha adolescência e no início da fase adulta fiz um tratamento com acupuntura e nunca mais tive. Não sou de reclamar de dor de cabeça, é muito difícil, mas este ano já tive várias crises de cefaleia, uma dor incômoda, impressionante”.

Laura conta que recorreu à aromaterapia e ao do-in (técnica de automassagem de origem oriental), para aliviar a dor. “Como a cefaleia é uma dor que acomete algumas grávidas e até puérperas, eu aprendi algumas técnicas de aromaterapia para dor de cabeça e do-in e apliquei em mim. Utilizei os óleos essenciais próprios para alívio de dor de cabeça e já ajudou bastante”.

Três ou mais dores de cabeça por mês

Quando um paciente apresenta três ou mais dores de cabeça por mês, durante três meses seguidos, é indispensável a procura por ajuda especializada. A campanha da Academia Brasileira de Neurologia também alerta sobre a contraindicação da automedicação, pois o uso constante e excessivo de analgésicos pode tornar crônica aquela dor que aparecia esporadicamente.

Apesar de não ter cura, contar com acompanhamento médico e cuidado adequado são ferramentas essenciais para melhorar a qualidade de vida de quem sofre com a doença. O tratamento preventivo é feito por uma combinação entre medicamentos e terapias não medicamentosas.

Anúncio

Os métodos alternativos podem auxiliar no alívio e na diminuição da frequência das crises. Célia recomenda, principalmente durante a quarentena, fazer meditação, alongamento, pegar quinze minutos de sol para ajudar a sincronizar o sono, procurar dormir nos horários habituais, alimentar-se de forma regrada, fazer atividade física regular e terapia cognitiva comportamental. “Tudo isso pode ajudar e evitar a piora do quadro”, recomenda a neurologista. Fonte: AgenciaBrasil Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Saúde

Esse ‘sintoma’ no sono pode ser sinal de demência

Redação Informe 360

Publicado

no

Sonhar é normal, mesmo que nem sempre lembremos o que aconteceu durante o sono. Quando o sonho é ruim, há chances de acordarmos assustados durante a noite, o que deixa a situação ainda mais desconfortável. Um novo estudo indicou que ter pesadelos com frequência é ainda pior do que imaginávamos: pode ser um sintoma precoce de demência.

Um estudo publicado no periódico eClinicalMedicine analisou os pesadelos de pessoas saudáveis e os correlacionou com chances de desenvolver demência. Isso porque, segundo o pesquisador Abidemi Otaiku, os sonhos são uma forma de entender sobre a saúde no nosso cérebro.

Estudo correlacionou pesadelos com chance de desenvolver demência na década seguinte (Imagem: LightField Studios/Shutterstock)

Estudo analisou pesadelos de mais de 3 mil pessoas sem demência

O estudo começou em 2002, com dados de três estudos sobre saúde e envelhecimento nos Estados Unidos. No total, foram 600 pessoas de 35 a 64 anos e 2600 pessoas com 79 anos ou mais.

Eles tiveram que preencher diversos questionários, incluindo um sobre a frequência com que tinham sonhos ruins e pesadelos (quando os sonhos ruins fazem o indivíduo acordar durante a noite).

Nenhum dos participantes tinha diagnóstico de demência quando o estudo começou. O grupo mais novo foi monitorado durante uma média de nove anos e o mais velho, cinco.

Anúncio

Então, o pesquisador analisou os dados obtidos no começo da pesquisa para entender se os pacientes com mais pesadelos tinham maior probabilidade de ter um declínio cognitivo, que levaria a um diagnóstico de demência.

Leia mais:

Quem tem mais pesadelos, tem mais chance de ter demência

  • Segundo Otaiku, em um artigo no The Conversation, os participantes de meia-idade que tinham pesadelos toda semana tinham quatro vezes mais chance de ter algum declínio cognitivo (um precursor da demência) na década seguinte;
  • Os participantes mais velhos tinham o dobro de chance de ter algum diagnóstico;
  • A pesquisa também descobriu que a conexão entre os pesadelos e os sinais precoces de demência eram mais presentes em homens do que em mulheres;
  • Homens mais velhos que tinham pesadelos toda semana tinham cinco vezes mais chances de ter demência do que homens mais velhos sem pesadelos;
  • Nas mulheres da mesma faixa etária, o risco foi menos da metade, ficando em 41%.
Diminuição do hipocampo é importante sinal de Alzheimer
Pesquisador defendeu que os sonhos são uma forma de entender sobre a saúde do cérebro (Imagem: Atthapon Raksthaput/Shutterstock)

Pesquisador explicou relação entre sonhos e demência

De acordo com o pesquisador, os resultados sugerem que pesadelos frequentes podem ser um dos sinais precoces de demência (especialmente em homens).

Ele ainda apresenta duas alternativas.

A primeira é de que ter os sonhos ruins por si só pode ser um causador da demência (ao invés de um mero sintoma precoce).

Anúncio

Outra teoria é de que sintomas do Alzheimer e do Parkinson, duas doenças causadas pelo declínio cognitivo, podem causar os pesadelos por causa de alterações no cérebro ligadas a elas, algo que ainda precisa ser estudado. Otaiku esteve envolvido em um estudo similar sobre o Parkinson.

O post Esse ‘sintoma’ no sono pode ser sinal de demência apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Alzheimer: “vacina” pode ser testada no Brasil; saiba como ela funciona

Redação Informe 360

Publicado

no

A startup suíça de biotecnologia, AC Immune, está desenvolvendo nova forma de combater o Alzheimer. Ela já está em testes e o Brasil pode participar das pesquisas.

Trata-se da ACI-24.060, imunoterapia ativa que combate a proteína beta-amiloide, que fica acumulada no cérebro e acaba sendo um dos principais fatores que desencadeiam a doença. Pacientes com Síndrome de Down também estão sendo tratados com a terapia.

Segundo o UOL, o vice-presidente sênior de relações com investidores e comunicações da AC Immune, Gary Waanders, disse que a ACI-24.060 “ensina” o sistema imunológico a reconhecer e eliminar do corpo as partes tóxicas da beta-amiloide. Esse comportamento se assemelha ao das vacinas, que ensinam o sistema imunológico a reconhecer e expulsar patógenos infecciosos do corpo.

Anúncio
Em fundo azul, quebra-cabeças formando um cérebro humano, com uma peça desencaixada
Imagem: mapush/Shutterstock

Waanders também explica que, da mesma forma que os imunizantes, as imunoterapias ativas são projetadas para serem seguras, com administração não invasiva e com fabricação, transporte e administração garantida pelos sistemas de saúde globais.

Já a psiquiatra e diretora de enfermarias do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq HC-FMUSP), Tânia Ferraz Alves, pontua que a novidade é um avanço no tratamento contra o Alzheimer.

No Brasil, as medicações [para o Alzheimer] são dadas quando se faz o diagnóstico, para não haver progressão da doença. Assim, essa imunoterapia é um avanço, pois visa estimular um anticorpo da própria pessoa para combater o acúmulo de beta-amiloide.

Tânia Ferraz Alves, psiquiatra e diretora de enfermarias do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq HC-FMUSP), em entrevista ao UOL

Fases do estudo da nova imunoterapia contra o Alzheimer

No estudo em andamento — fase 1a/2 ABATE —, com previsão de conclusão até junho de 2026, estamos recrutando participantes com doença de Alzheimer no estágio prodromal, com pequenas mudanças nas habilidades ou no comportamento e adultos com síndrome de Down.

Gary Waanders, vice-presidente sênior de relações com investidores e comunicações da AC Immune

  • No ensaio químico atual, a solução é injetada, diversas vezes, por via intramuscular, durante 12 meses;
  • Contudo, os futuros testes da fase três não foram determinados, informou Waanders.
  • “É possível recrutar pacientes em estágios iniciais semelhantes, mas isso ainda não foi determinado”, disse;
  • Andrea Pfeifer, cofundadora e presidente da AC Immune, aponta que até o momento, a solução tem sido aplicada “sem efeitos colaterais significativos”, “qualquer inflamação, edema ou hemorragias”.

Leia mais:

Representação de um cérebro humano rodeado por medicamentos
Imagem: Nefedova Tanya/Shutterstock

Brasil na fase 3?

A terceira fase do experimento será conduzido pela biofarmacêutica Takeda, que tem acordo com a startup no valor de US$ 2,2 bilhões (R$ 12,07 bilhões, na conversão atual).

O Brasil poderá participar dela, que contará também participantes de Estados Unidos e países de Europa, Ásia e América Latina. “Um programa global de desenvolvimento da fase 3, geralmente, envolve muitos participantes internacionais e, devido à grande população, o Brasil seria considerado”, afirma o porta-voz da AC Immune.

Anúncio

À Folha de S.Paulo, Andrea Pfeifer, cofundadora e presidente da AC Immune, detalha que a fase 3 pode acontecer em 2026, ou antes, até.

É a fase quando a pesquisa se torna, definitivamente, um ensaio clínico global e deve acontecer em 2026, ou até mesmo antes disso, dependendo dos resultados deste ano. Por ser um ensaio mundial, serão centenas de países. Tenho certeza que o Brasil será considerado.

Andrea Pfeifer, cofundadora e presidente da AC Immune, em entrevista à Folha de S.Paulo

Pfeifer disse ainda que os resultados dos seis primeiros meses de testes devem ser divulgados em agosto, contudo, resultados significativos só devem aparecer após um ano.

Acreditamos que os dados do fim deste ano até início do ano que vem serão cruciais para avaliar o impacto da vacina, já que é necessário um tempo para que a resposta de anticorpos se desenvolva completamente. Se as coisas correrem bem, poderemos acelerar o ensaio clínico.

Andrea Pfeifer, cofundadora e presidente da AC Immune, em entrevista à Folha de S.Paulo

Anúncio

Futuramente, os pesquisadores da AC Immune esperam poder incluir biomarcadores, que indicam predisposição à doença, para identificá-la e preveni-la em pessoas de alto risco ainda quando os sintomas não tiverem se desenvolvido.

Com os biomarcadores, esperamos identificar pacientes com risco maior de desenvolver Alzheimer e, dessa forma, prevenir o início da doença por completo. Isso teria benefício enorme para a sociedade e para o mundo, porque teríamos uma vacina de prevenção global da doença.

Andrea Pfeifer, cofundadora e presidente da AC Immune, em entrevista à Folha de S.Paulo

Imagem em preto e branco de uma árvor que forma uma cabeça humana; suas folhas estão sendo levadas pelo vento
Imagem: Lightspring/Shutterstock

Para Maria Carolina Tostes Pintão, head médica de pesquisa e desenvolvimento do Grupo Fleury, “a inclusão do Brasil em estudos clínicos sobre o tema é relevante, pois, havendo pesquisas em nossa população, estaremos em posição de incorporar esses tratamentos de forma precoce”.

Nossa população tem algumas características interessantes, como diversidade genética, condição socioeconômica mais baixa, quando comparada aos Estados Unidos e Europa, o que impacta o envelhecimento de forma peculiar.

Há também os fatores de risco potencialmente modificáveis, como baixa escolaridade e índices de alcoolismo e tabagismo, que afetam o envelhecimento cerebral. Existem ainda particularidades populacionais distintas entre as regiões que podem representar resultados múltiplos para o estudo.

Tânia Ferraz Alves, psiquiatra e diretora de enfermarias do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq HC-FMUSP), em entrevista ao UOL

Anúncio

Alves também aponta que o Brasil tem centros especializados em Alzheimer e em envelhecimento, que têm bastante experiência clínica nos estudos de fase 3 e de alta complexidade.

De certa forma, o Brasil tem, hoje, profissionais de vanguarda na neuropsicogeriatria que atuam com envelhecimento com Alzheimer. Assim, ter a participação nesses estudos colabora com a disseminação de conhecimento

Tânia Ferraz Alves, psiquiatra e diretora de enfermarias do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq HC-FMUSP), em entrevista ao UOL

Tostes Pintão, por sua vez, aponta haver vários avanços atualmente no estudo do Alzheimer, incluindo no diagnóstico e novos tratamentos.

Os tratamentos em estudo podem mudar a história natural da doença, ou seja, de não produzir ou não levar à neurodegeneração, como imunoterapias e anticorpos monoclonais, que estão lado a lado dos biomarcadores, que se tornam mais sensíveis e específicos para identificar precocemente as pessoas que terão a doença.

Tânia Ferraz Alves, psiquiatra e diretora de enfermarias do Instituto da Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (IPq HC-FMUSP), em entrevista ao UOL

Anúncio

Alves também explica que, se o diagnóstico é realizado a partir de sintomas clínicos, é possível dizer que já há lesões e alteração cerebral.

“Assim, ao se identificar as pessoas de risco e oferecer tratamento que seja eficaz, seguro, com poucos efeitos colaterais e que modifique a história da doença, teremos um envelhecimento populacional saudável e com qualidade de vida, o que se entende por envelhecimento ideal”, resume.

Diminuição do hipocampo é importante sinal de Alzheimer
Se Brasil participar da fase 3 dos testes, pode ser um novo passo para os quase um milhão de afetados pela doença (Imagem: Atthapon Raksthaput/Shutterstock)

Brasil e a doença

Segundo a Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz), existem cerca de 35,6 milhões de pessoas, no mundo todo, com Alzheimer. Desses, estima-se que 996.454 sejam brasileiros, sendo que boa parte não tem diagnóstico.

Hoje, o Sistema Único de Saúde (SUS) fornece apenas medicações que reduzem os sintomas do Alzheimer, mas elas não evoluem há 30 anos. Os medicamentos são os anticolinesterásicos (donepezil, galantamina e rivastigmina) e a memantina.

Anúncio

Nos EUA, a FDA aprovou dois medicamentos que vão em cima das placas de beta-amiloide, retardando a progressão da doença: lecanemabe e aducanumabe. Em 2 de julho, a agência aprovou o donanemabe.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou não ter recebido pedido para aprovação do lecanemabe e não respondeu, à Folha, sobre as outras medicações por estarem com seus pedidos de aprovação em andamento.

Como a Anvisa não aprovou nenhum desses medicamentos, fazemos a importação, com um custo de R$ 300 mil por ano. Eles estão em estágios iniciais, mas já apresentam resultados promissores.

Rodrigo Schultz, neurologista e ex-presidente da Abraz, em entrevista à Folha de S.Paulo

O post Alzheimer: “vacina” pode ser testada no Brasil; saiba como ela funciona apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Saúde

Sistema que reproduz ossos promete revolucionar próteses

Redação Informe 360

Publicado

no

Qual a primeira coisa que vem na sua cabeça quando falamos em tecnologia? Inteligência Artificial? Robôs? Computadores? Exploração espacial?

A sua resposta não deve ter fugido muito disso. Mas esse texto vai se dedicar a um outro tipo de inovação. Um tipo que não está ligado a softwares avançados, mas que, no fim, tem o mesmo objetivo do outro tipo: ajudar e melhorar a vida das pessoas.

Leia mais

Cientistas do Instituto Italiano de Tecnologia criaram uma prótese de pé que se assemelha muito à parte do corpo original. Não fisicamente, mas sim mecanicamente.

Na maioria das vezes, as próteses são rígidas, diferentemente dos nossos pés, que são bastante flexíveis. Se você pisa em uma pedra na rua, ou em um buraco, seu pé automaticamente vai dobrar. A prótese não, dificultando a locomoção da pessoa com deficiência no cotidiano.

Anúncio

E esse projeto italiano promete resolver esse problema.

Como funciona essa nova prótese

  • O SoftFoot Pro incorpora cinco cadeias paralelas de segmentos plásticos de alta resistência interligados.
  • Os segmentos frontais de cada cadeia replicam as falanges (ossos dos dedos), enquanto os segmentos de trás replicam os metatarsos (que vão da base de cada dedo até o calcanhar).
  • Conectores elásticos são usados ​​para ligar os segmentos de cada corrente.
  • E há ainda um cabo de aço interno que é ancorado a um calcanhar de titânio.
  • O vídeo a seguir mostra melhor como essa prótese se comporta: ela dobra quando entra em contato com superfícies irregulares.
  • Sabe qual o mais bacana? Ele não precisa de energia para funcionar, ou seja, seu custo não sai tão caro.
  • O SoftFoot Pro pesa apenas 450 gramas e pode suportar cargas de até 100 quilos.

Os testes até agora

Como o vídeo acima mostrou, o SoftFoot Pro também permite que as pontas dos dedos se dobrem em relação ao resto do pé ao subir ladeiras – mantendo a postura do usuário.

Além disso, o dispositivo também facilita a execução de ações como ajoelhar e agachar, e funciona até mesmo dentro da água.

Amputados voluntários já testaram o SoftFoot Pro como parte de testes clínicos conduzidos na Hannover Medical School e na Medical University of Vienna.

Cientistas japoneses também fizeram testes recentemente do mecanismo no robô humanoide HRP-4 na University of Tokyo.

Anúncio
A prótese vista mais de perto mostra todos os detalhes de como as peças plásticas se propóes a substituir os nossos ossos – Imagem: Divulgação/Instituto Italiano de Tecnologia

Como eu disse lá em cima, eis uma invenção que não precisa de nenhum software avançado para ser excelente. Que essa prótese chegue logo ao mercado para melhorar a vida de quem mais precisa.

As informações são do New Atlas.

O post Sistema que reproduz ossos promete revolucionar próteses apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta