Ligue-se a nós

Mundo

Expo Dubai traz tecnologia de ponta para mobilidade urbana e aérea

Redação Informe 360

Publicado

no

Máquina de raio-X e telefone são alguns exemplos de legados para a humanidade apresentados na Expo desde a sua inauguração em 1851, na cidade de Londres, Inglaterra. Na atual edição, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, um dos eixos que motivam os 192 expositores mundiais são soluções mais limpas e eficientes para a locomoção, grande entrave das metrópoles contemporâneas.

Entre as tecnologias mais intrigantes nesse segmento, durante a edição árabe, que começou em outubro do ano passado e segue até 31 de março, está no pavilhão da Espanha. Pela primeira vez, o Hyperloop, um veículo inovador de transporte, capaz de chegar a uma velocidade de mil quilômetros por hora, sem emissão de poluentes, é exibido em uma exposição mundial.

Em entrevista à Agência Brasil, Juan Vicén Balaguer, um dos fundadores da Zeleros, empresa responsável pela tecnologia, disse que o resultado da feira é muito positivo. “Nossa participação na Expo 2020 Dubai consolidou o Hyperloop como um novo e emergente modo de transporte, e a sociedade está animada com o que está por vir”.

Para Balaguer, a tecnologia de transporte se aplicaria bem ao Brasil, “especialmente nas cidades mais populosas e distantes entre si”.

O funcionamento é por meio de um sistema de propulsão e levitação, e um compressor movimenta o veículo dentro de uma rede de tubos.

Anúncio

“As primeiras rotas comerciais de Hyperloop com passageiros começarão em 2030. Para cargas, pode começar mais cedo, especialmente se ocorrer em pressão ambiente, em vez de dentro dos tubos”. Ele explica que a tecnologia poderá ser usada, por exemplo, na movimentação de contêineres dentro dos portos.

Carro voador brasileiro

Apesar do pioneirismo da Espanha, o Brasil não fica atrás. No pavilhão do país, que tem como principal organizadora a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), foi apresentado em novembro do ano passado o eVTOLs (Electric Vertical Take-off and Landing), misto de carro voador e helicóptero elétrico com baixa emissão de carbono. Voltada ao transporte aéreo urbano, a aeronave ainda emite baixo ruído.

Desenvolvido pela Embraer, o eVTOLs está em estágio inicial de desenvolvimento, aguardando resposta da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para obtenção de um certificado de tipo, a primeira de uma série de etapas para a verificação dos requisitos de segurança da aeronave.

* A repórter Fernanda Cruz e o fotógrafo Tomaz Silva viajaram a convite da ApexBrasil

Anúncio

Edição: Fernando Fraga

Mundo

Internet é cortada na Faixa de Gaza após ataques aéreos de Israel

Redação Informe 360

Publicado

no

A população da Faixa de Gaza está praticamente sem acesso à internet. O serviço foi cortado após a intensificação dos bombardeios do exército de Israel na região e uma iminente invasão terrestre. Já são quase três semanas de guerra entre os israelenses e o grupo terrorista Hamas. O conflito está sendo marcado por acusações de crimes de guerra contra a população palestina que mora em Gaza.

Leia mais

  • Israel x Hamas: contas recomendadas por Elon Musk espalham desinformação
  • Israel x Hamas: guerra traz riscos à luta contra o aquecimento global
  • Guerra Israel-Hamas e o desafio das redes sociais

Colapso total do sistema de internet

Nesta sexta-feira, o rastreador de conectividade NetBlocks relatou “um colapso na conectividade na Faixa de Gaza”, com um dos maiores e últimos provedores de telecomunicações palestinos remanescentes, Paltel, sendo atingido por intensos ataques aéreos. A Paltel disse que sofreu “uma interrupção completa de todos os serviços de comunicação e internet”.

Desde que Israel cortou grande parte do acesso de Gaza à eletricidade no início do mês, o local depende quase que exclusivamente de outras fontes de energia, como geradores, para garantir a conexão à internet. Mas, nos últimos dias, os ataques aéreos teriam destruído grande parte da infraestrutura de apoio.

Nesta quinta (26), o serviço de outro grande provedor de internet, a NetStream, “entrou em colapso”. A rede “notificou os assinantes de que o serviço terminaria devido a uma grave escassez de fornecimento de combustível”.

Anúncio

O Crescente Vermelho Palestino, uma organização humanitária que faz parte do Movimento Internacional da Cruz Vermelha, disse que estava “profundamente preocupado” com a possibilidade de não poder prestar serviços médicos de emergência. As informações são da The Verge.

Perdemos completamente o contato com a sala de operações na Faixa de Gaza e todas as nossas equipes que operam lá devido às autoridades israelenses cortarem todas as comunicações de telefone fixo, celular e internet.

Crescente Vermelho, em comunicado

Bombardeios em Gaza estão cada vez mais intensos (Imagem: Anas-Mohammed/Shutterstock)

Situação da guerra entre Israel e Hamas

  • Além dos problemas relacionados à área da saúde, a interrupção do fornecimento de internet impossibilita a transmissão de imagens dos ataques em Gaza para o restante do mundo.
  • São as fotos e vídeos dos intensos bombardeios que aumentaram a pressão sobre Israel, que vem sendo acusado de cometer crimes de guerra na região.
  • A mais recente guerra começou no dia 7 de outubro, quando integrantes do Hamas fizeram uma grande invasão ao sul israelense e mataram milhares de pessoas, muitos civis.
  • Em resposta, o exército de Israel cortou o fornecimento de água, energia e comida, e iniciou bombardeios em Gaza, matando também milhares de palestinos, a maioria crianças e mulheres, segundo dados de organizações internacionais.
  • Não há consenso sobre um cessar-fogo e nem mesmo sobre a criação de um corredor humanitário para a retirada de civis em meio aos confrontos.
Continuar Lendo

Mundo

Brasileiro é encontrado morto em rave em Israel em ataque do Hamas

Redação Informe 360

Publicado

no

BOA VISTA, RR (FOLHAPRESS) – Um dos brasileiros que estavam na rave atacada pelo grupo terrorista Hamas em Israel neste fim de semana, Ranani Glazer, 23, está morto. A informação foi confirmada pela tia do jovem à Folha na noite desta segunda-feira (9).

Glazer estava com dois brasileiros -a namorada, Rafaela Treistman, e o amigo, Rafael Zimerman– em uma festa próxima à Faixa de Gaza na noite do sábado (7) quando ela foi invadida por militantes da facção terrorista palestina. Homens armados cercaram o local, lançaram granadas e dispararam contra eles.

Segundo relato de Zimerman, os três fugiram e se esconderam em um abrigo ao ouvir os primeiros disparos. Ao deixarem o lugar em que se esconderam, porém, ele e Rafaela já não sabiam o paradeiro de Glazer.

“Quando saí do abrigo, dei de cara com a polícia”, afirmou Zimerman. “Estava com a Rafaela. Mas o Ranani infelizmente não saiu com a gente. Chorei demais. Agradeci. O que falei com Deus não está escrito. Quando vi a Rafaela, só pensava em cuidar dela. Sair sem o Ranani foi uma dor enorme para ela.”

Anúncio

Mais de 260 morreram na rave. Não está claro se o brasileiro já está contabilizado nessa cifra, nem se ela faz parte do número total de vítimas do conflito iniciado no sábado.

Participantes da festa dizem que um alerta de foguetes tocou logo ao amanhecer e foram seguidos de barulhos de tiros. “Desligaram a eletricidade e, de repente, do nada, eles [militantes] entraram atirando, disparando em todas as direções”, disse uma testemunha a uma emissora de Israel. “Cinquenta terroristas chegaram em vans, vestidos com uniformes militares.”

Os participantes do evento tentaram fugir do local correndo ou em carros, mas encontraram com jipes de terroristas armados.

O local do festival, que contava com três palcos, área de acampamento e refeições, fica no deserto de Negev, perto do Kibutz Re-im, a poucos quilômetros da Faixa de Gaza, de onde combatentes do Hamas cruzaram no amanhecer de sábado.

Anúncio
Continuar Lendo

Mundo

Na ONU: presidente Lula diz que multilateralismo global vem sendo corroído

Redação Informe 360

Publicado

no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta terça-feira (19), a líderes mundiais que o princípio do multilateralismo global – que pressupõe igualdade soberana entre as nações –, vem sendo corroído. Ao abrir o debate geral de chefes de Estado da 78ª Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), em Nova York, Lula defendeu a necessidade de uma reforma no sistema de governança global.

Desde que assumiu o mandato, em discursos em diversas instâncias internacionais, Lula vem defendendo que o modelo atual de governança, criado depois da Segunda Guerra Mundial, não representa mais a geopolítica do século 21. Para o presidente, é preciso uma representação adequada de países emergentes em órgãos como o Conselho de Segurança da ONU. Hoje, esse conselho, com poder de tomar importantes decisões internacionais, reúne apenas Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido.

“Continuaremos críticos a toda tentativa de dividir o mundo em zonas de influência e de reeditar a Guerra Fria. O Conselho de Segurança da ONU vem perdendo progressivamente sua credibilidade. Essa fragilidade decorre em particular da ação de seus membros permanentes, que travam guerras não autorizadas em busca de expansão territorial ou de mudança de regime. Sua paralisia é a prova mais eloquente da necessidade e urgência de reformá-lo, conferindo-lhe maior representatividade e eficácia”, disse Lula.

Nova York, EUA, 19.09.2023 - Presidente Lula discursa na abertura do Debate Geral da 78º Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Presidente Lula discursa na abertura da 78º Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas – Ricardo Stuckert/PR

Para ele, entidades internacionais mais representativas podem, por exemplo, impor punição aos países que não cumprirem seus compromissos em questões climáticas. Lula afirmou que falta vontade política daqueles que governam o mundo para vencer as desigualdades e destacou que a atuação desigual dos órgãos de financiamento “é inaceitável”.

“Nas principais instâncias da governança global, negociações em que todos os países têm voz e voto perderam fôlego. Quando as instituições reproduzem as desigualdades, elas fazem parte do problema, e não da solução. No ano passado, o FMI disponibilizou US$ 160 bilhões em direitos especiais de saque para países europeus, e apenas US$ 34 bilhões para países africanos. A representação desigual e distorcida na direção do FMI e do Banco Mundial é inaceitável. Não corrigimos os excessos da desregulação dos mercados e da apologia do Estado mínimo. As bases de uma nova governança econômica não foram lançadas”, disse Lula.

Comércio

O presidente criticou ainda o enfraquecimento do sistema multilateral de comércio e disse que o protecionismo adotado pelos países ricos ganhou força.

Anúncio

“A Organização Mundial do Comércio permanece paralisada, em especial o seu sistema de solução de controvérsias.”

Segundo Lula, o Brics – bloco de países emergentes ao qual o Brasil faz parte – surgiu na esteira desse “imobilismo” e constitui uma plataforma estratégica para promover a cooperação entre esses países. “A ampliação recente do grupo na Cúpula de Joanesburgo fortalece a luta por uma ordem que acomode a pluralidade econômica, geográfica e política do século 21.

“Somos uma força que trabalha em prol de um comércio global mais justo em um contexto de grave crise do multilateralismo”, disse sobre a inclusão de seis novos membros no grupo já formado por Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul.

Nova York, EUA, 19.09.2023 - Presidente Lula discursa na abertura do Debate Geral da 78º Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Abertura da 78º Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas – Ricardo Stuckert/PR

Clima

combate às mudanças climáticas também foi destaque no discurso do brasileiro. Lula cobrou que os países ricos cumpram os compromissos assumidos no âmbito internacional, como a doação de US$ 100 bilhões ao ano para que países em desenvolvimento preservem suas florestas e disse que um modelo de desenvolvimento “socialmente justo e ambientalmente sustentável” é possível.

Neste ano, o tema do debate da Assembleia Geral da ONU é Reconstruir a confiança e reacender a solidariedade global: acelerando ações para a Agenda 2030 e seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável rumo à paz, prosperidade, ao progresso e à sustentabilidade para todos.

Nessa sessão de trabalho, os chefes dos Estados-membros da ONU são convidados a discursar em uma oportunidade para apontar suas visões e preocupações diante do sistema multilateral.

Anúncio

Extrema direita

O presidente desembarcou em Nova York na noite do último sábado (16), onde participou de reuniões com empresários e autoridades estrangeiras. Amanhã (20), ele se encontrará com o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelensky, e será recebido pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com quem lançará uma iniciativa global para promoção do trabalho decente.

Em seu discurso na ONU, Lula criticou o neoliberalismo e disse que o desemprego e a precarização do trabalho “minaram a confiança das pessoas em tempos melhores, em especial os jovens”. Para o presidente, isso deu brecha para a ascensão da extrema direita em diversas partes do mundo.

“O racismo, a intolerância e a xenofobia se alastraram, incentivadas por novas tecnologias criadas supostamente para nos aproximar.”

“O neoliberalismo agravou a desigualdade econômica e política que hoje assola as democracias. Seu legado é uma massa de deserdados e excluídos. Em meio aos seus escombros surgem aventureiros de extrema direita que negam a política e vendem soluções tão fáceis quanto equivocadas. Muitos sucumbiram à tentação de substituir um neoliberalismo falido por um nacionalismo primitivo, conservador e autoritário”, destacou o presidente.

Para Lula, políticas ativas de inclusão nos planos cultural, educacional e digital são essenciais para promover valores democráticos e a defesa do Estado de Direito. No mesmo sentido, o presidente defendeu a liberdade de imprensa e criticou a manutenção da prisão do jornalista australiano e ativista Julian Assange.

Anúncio
19.09.2023 - Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante abertura do Debate Geral da 78º Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas.
Sede das Nações Unidas, Salão da Assembleia Geral, Nova York - EUA. Foto: Ricardo Stuckert /PR

Resolução de conflitos

Ainda em seu discurso, Lula fez uma defesa da paz e disse que os conflitos armados são “uma afronta à racionalidade humana”. “É perturbador ver que persistem antigas disputas não resolvidas e que surgem ou ganham vigor novas ameaças”, disse.

“A guerra da Ucrânia escancara nossa incapacidade coletiva de fazer prevalecer os propósitos e princípios da Carta da ONU”, acrescentou Lula aos líderes mundiais, entre eles, o presidente ucraniano.

O brasileiro citou ainda a dificuldade de garantir a criação de um Estado para o povo palestino”, o risco de um golpe na Guatemala, a persistência da crise humanitária no Haiti, o conflito no Iêmen, as ameaças à unidade nacional da Líbia e as rupturas institucionais em Burkina Faso, Gabão, Guiné-Conacri, Mali, Níger e Sudão.

Lula reiterou que é preciso criar espaços de diálogo nas instâncias internacionais e que “investe-se muito em armamentos e pouco em desenvolvimento”.

“Estabilidade e segurança não serão alcançadas onde há exclusão social e desigualdade. A ONU nasceu para ser a casa do entendimento e do diálogo. A comunidade internacional precisa escolher: de um lado, está a ampliação dos conflitos, o aprofundamento das desigualdades e a erosão do Estado de Direito. De outro, a renovação das instituições multilaterais dedicadas à promoção da paz”, disse.

Cabe ao governo brasileiro fazer o primeiro discurso da Assembleia Geral das Nações Unidas, seguido do presidente dos Estados Unidos. Essa tradição vem desde os princípios da organização, no fim dos anos 1940.

Anúncio

Esta é a oitava vez que o presidente Lula abre o debate geral dos chefes de Estado. Ao longo de seus dois mandatos anteriores, ele participou do evento todos os anos entre 2003 e 2009. Em 2010, foi representado pelo então ministro das Relações Exteriores e atual assessor especial da Presidência, Celso Amorim.

Edição: Denise Griesinger

Continuar Lendo

Em Alta