Ligue-se a nós

Saúde

Novo coração robótico bate como se fosse real e pode revolucionar tratamentos cardíacos

Redação Informe 360

Publicado

no

Uma pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) desenvolveu coração robótico que bate como se fosse o órgão real, imitando seu funcionamento, movimento e estrutura.

A invenção pode revolucionar o setor médico ao permitir o estudo e testes em tempo real, além de servir como simulador no treinamento de profissionais.

Leia mais:

Coração robótico

O coração robótico é, na verdade, biorobótico. Isso porque ele é o órgão real de um porco, mas teve um músculo do lado esquerdo substituído por bomba robótica feita de silicone.

Essa bomba é acionada por ar e, quando inflada, comprime o coração como se fosse o músculo real, bombeando o sangue artificial através do sistema circulatório simulado e imitando o movimento de batida do órgão real.

Anúncio

Vídeos mostrando o funcionamento do coração robótico podem ser vistos diretamente na pesquisa original, no site Cell. O IFLScience publicou alguns deles no YouTube. Veja a demonstração:

Problema do coração real

O estudo destaca que, antes de qualquer intervenção médica ou cirúrgica, os procedimentos são submetidos a testes rigorosos. No entanto, os simuladores cardíacos atuais não comportam a complexidade dos experimentos e, quando dão conta do recado, duram pouco tempo, de duas a quatro horas.

Uma alternativa seriam os testes em animais, mas estes normalmente são caros e demorados – sem contar que nem sempre os resultados podem ser inferidos em corações humanos.

Anúncio

O coração biorobótico pode servir como esse simulador. Ellen Roche, engenheira biomédica e autora do estudo sobre a invenção, diz que a novidade permite realizar diferentes intervenções nas válvulas do órgão e pode servir como uma plataforma de treinamento para médicos, cirurgiões, estudantes e estagiários de medicina. Além disso, pode ajudar engenheiros a projetar novos dispositivos e permitir que pacientes entendam melhor o funcionamento da própria doença.

Ilustração dos testes no coração robótico (Imagem: Reprodução/MIT)

Como o coração robótico foi testado

Para testar o coração robótico, os pesquisadores se concentraram na regurgitação mitral, distúrbio no qual a válvula entre as câmaras cardíacas esquerdas não fecha corretamente. Isso faz com o que o sangue flua para trás e pode causar desde falta de ar até inchaço nos membros e insuficiência cardíaca.

Um procedimento cirúrgico para corrigir isso já existe, mas é complexo e arriscado. A equipe, então, criou o coração biorobótico e propôs solução:

  • Eles danificaram a válvula mitral para agir como na condição de distúrbio almejada;
  • A equipe corrigiu o dano de três formas diferentes: arrumando o problema da válvula com cordas artificiais, substituindo a válvula danificada por uma prostética e implantando dispositivo para ajudar no fechamento da válvula;
  • Os três procedimentos foram bem-sucedidos e normalizaram a pressão, o fluxo e a função cardíaca.

A vantagem é que, além de testar diferentes métodos sem riscos a paciente real, eles puderam entender como o coração reage às intervenções e também coletar resultados em tempo real.

Anúncio
Ilustração realista de coração e sistema circulatório de uma pessoa
(Imagem: Reprodução/American Health Care Academy)

O que vem agora?

Segundo o Eurekalert, com o sucesso do coração robótico, os pesquisadores querem otimizar o dispositivo para encurtar seu tempo de produção e prolongar ainda mais sua vida útil. Atualmente, o tempo de validade é de alguns meses. Eles também querem testar coração robótico com impressão 3D, ao invés de usar órgãos de porcos.

O post Novo coração robótico bate como se fosse real e pode revolucionar tratamentos cardíacos apareceu primeiro em Olhar Digital.

Continuar Lendo
Anúncio

Saúde

Como é possível uma pessoa com Alzheimer não ter sintomas?

Redação Informe 360

Publicado

no

Recentemente, um estudo relatou doze casos assintomáticos de Alzheimer. O Olhar Digital noticiou a descoberta que vem tirando o sono de alguns cientistas. Em busca do porquê alguns cérebros com sinais da doença não apresentam sintomas, pesquisadores investigaram se os genes poderiam ter alguma relação com o fenômeno e encontraram uma evidência interessante.

A pesquisa foi publicada na revista Acta Neuropathologica Communications.

O que está por trás dos casos de Alzheimer assintomático?

  • O Alzheimer se origina do acúmulo de certas proteínas – amiloide e tau – no cérebro, que se tornam tóxicas para os neurônios. Assim eles começam a se deteriorar e morrer, causando os sintomas comuns da doença, como a perda de memória.
  • Em algumas pessoas, existe um nível elevado dessas proteínas no cérebro, mas os sintomas não aparecem.
  • Para descobrir o mistério do Alzheimer assintomático, cientistas analisaram o cérebro de três grupos de pessoas: aquelas que faleceram de Alzheimer, aquelas que faleceram por causas naturais e pessoas que eram assintomáticas.
  • No grupo chamado de “resilientes”, ou seja, sem sintomas, eles detectaram maior atividade de genes que operam no sistema imunológico.
  • Nosso sistema imune também é responsável por eliminar o excesso de proteínas do cérebro. Genes que aumentam sua força de combate provavelmente evitaram um acúmulo muito grande de proteínas.
  • Portanto, a genética pode ser o fator que está impedindo a progressão da condição e o aparecimento dos sintomas do Alzheimer.

Leia mais:

É possível atrasar os sintomas do Alzheimer sem ter os genes especiais

Segundo Michael Hornberger, professor de pesquisa aplicada em demência da Universidade de East Anglia, existe um modo de tornar o seu cérebro mais resistente ao Alzheimer, mesmo sem ter os genes do sistema imune fortalecidos.

A ciência já tem indícios suficientes para respaldar a afirmação: ter hábitos mais saudáveis pode diminuir a chance de desenvolver a doença. Por exemplo, ficou demonstrado que a atividade física reduz o risco de desenvolver Alzheimer, provavelmente devido ao seu efeito benéfico no sistema imunológico, ajudando a eliminar proteínas nocivas no cérebro.

O Olhar Digital já falou disso por aqui também. Alguns pacientes com Alzheimer relataram melhora nos sintomas depois que adotaram um estilo de vida mais saudável.

Anúncio

As informações deste texto foram originalmente descritas pelo pesquisador em um artigo publicado na revista The Conversation.

O post Como é possível uma pessoa com Alzheimer não ter sintomas? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Dinamarca proíbe venda de miojo; marca é vendida no Brasil

Redação Informe 360

Publicado

no

A agência alimentar da Dinamarca fez o recall do macarrão instantâneo sul-coreano produzido pela Samyang Foods, alegando que os produtos são excessivamente apimentados e poderiam causar “envenenamento agudo”.

Três versões do produto foram recolhidos, após serem avaliados como tendo níveis perigosos de capsaicina, o componente ativo da pimenta-malagueta, conforme informado pela Administração Veterinária e Alimentar Dinamarquesa em comunicado na última terça-feira.

Os três sabores são o Buldak 3x Spicy & Hot Chicken, 2x Spicy & Hot Chicken e o Hot Chicken Stew, que foram retirados de venda na Dinamarca. Os produtos são comercializados aqui no Brasil, e podem ser encontrados em mercados ou em lojas de produtos asiáticos.

O nível em um único pacote de macarrão era “tão alto que representa um risco de o consumidor desenvolver intoxicação aguda. Se você possui os produtos, deve descartá-los ou devolvê-los à loja onde foram adquiridos”, disse o órgão dinamarquês.

Produto proibido na Dinamarca pode ser encontrado para venda no Brasil – Imagem: Zety Akhzar/Shutterstock

Crianças são “grupo de risco” de intoxicação pelo macarrão apimentado

  • O órgão emitiu um alerta especial contra crianças que comem macarrão, pedindo aos pais a entrar em contato com uma linha de especialistas de intoxicação caso seus filhos parecessem apresentar “sintomas agudos”.
  • Os produtos da Samyang são extremamente populares no exterior, com o lucro operacional da empresa atingindo um recorde de mais de US$ 110 milhões em 2023.
  • A empresa disse que foi a primeira vez que os seus produtos foram recolhidos por serem considerados apimentados em excesso.
  • Ainda segundo a Samyang, seria útil compreender melhor as regulamentações locais nos mercados de exportação.
Alimentos com picância excessiva podem causar problemas de saúde – Imagem: Kharisma Padmanegara/Shutterstock

O post Dinamarca proíbe venda de miojo; marca é vendida no Brasil apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Seu corpo pode ter órgãos extras e você não sabe

Redação Informe 360

Publicado

no

Na grande maioria das vezes, o corpo humano vai ter o número correto de órgãos e estruturas que precisamos para funcionar. Mas, às vezes, a genética faz com que as pessoas tenham órgãos extras. Dentes, dedos das mãos, pés e mamilos a mais podem ocorrer em alguns casos.

Estudos nos passado já puderam mostrar que até 1% da população nasce com dedos das mãos ou dos pés a mais, enquanto cerca de 1% nasce com dentes adicionais. Quando falamos de um mamilo extra, a chance sobe para 6%.

Leia mais:

No entanto, o que muita gente não imagina é que estas não são as únicas partes do corpo humano que podem ser desenvolvidas além do normal. Algumas pessoas nascem com ossos, órgãos ou genitálias extras que eles podem nem saber que possuem, como explica artigo do The Conversation.

Pessoas podem ter costelas extras

  • As costelas supranumerárias são normalmente vistas em dois locais: no pescoço ou na região lombar (parte inferior das costas);
  • Estima-se que 1% da população tenha uma costela extra – embora, quando se trata de costela extra no pescoço, possa estar perto de 4,5%
  • A costela extra pode ocorrer em um ou ambos os lados da coluna.

Uma costela extra geralmente não causa problemas e só é descoberta acidentalmente durante radiografia ou imagem para outra condição – embora possa causar danos se comprimir nervos e vasos sanguíneos vizinhos.

Se isso acontecer no pescoço, pode causar dor, dormência e formigamento nos braços. Na região lombar, costelas adicionais podem causar dores nas costas.

Anúncio

Um baço extra também é surpreendentemente comum e pode ocorrer entre 19% e 30% das pessoas. Eles são normalmente encontrados perto do baço principal, mas, em algumas circunstâncias, podem ser arrastados para dentro da pélvis.

O fígado é o maior órgão do abdômen, composto por quatro partes diferentes (lóbulos). Relata-se que menos de 1% das pessoas nascem com um lóbulo acessório do fígado – embora esse número possa ser maior, já que essa condição geralmente não causa nenhum sintoma.

Ter parte extra do fígado não causa sintomas, portanto, você pode ter e não sabe! (Imagem: Explode/Shutterstock

A maioria das pessoas que tem um lóbulo hepático adicional só o descobre acidentalmente – durante cirurgia ou exames de imagem para condição diferente. Há casos em que o lóbulo extra causa torção após trauma contuso. Isso corta o suprimento de sangue e requer cirurgia de emergência.

Rins supranumerários também podem ocorrer – embora isso seja incrivelmente raro, com menos de 100 casos relatados registrados. Novamente, isso pode ocorrer porque eles tendem a não causar problemas de saúde.

Anúncio

O que é mais comum, entretanto, é ter um “rim duplex” – onde há tubo adicional vindo do rim que conecta a bexiga. Até 6% da população tem um.

Quando falamos de genitália, há uma série de anomalias nessa área que podem acontecer. Isto se deve ao fato de que os testículos e os ovários se desenvolvem em ambos os lados do corpo.

O útero duplo ocorre em cerca de 0,3% das mulheres, ocorrência muito rara. Cada útero pode ter seu próprio colo do útero e vagina (ou pode compartilhar uma vagina).

Cada útero é geralmente capaz de carregar um feto saudável ao mesmo tempo – embora um útero duplo tenha sido associado a maior risco de aborto espontâneo, parto prematuro, parto pélvico e nado-morto.

Anúncio
Ilustração de mutação genética
Alguns órgãos extras são mais raros de ocorrer do que outros (Imagem: Rost9/Shutterstock)

Ovários adicionais também podem ocorrer em casos raros. Frequentemente, eles são encontrados na parte superior do abdômen ou ao redor dos rins, onde podem se tornar tumores.

Nos homens, o fenômeno, chamado de difalia – nascer com dois pênis – ocorre em um em cada cinco a seis milhões de nascimentos. Cada caso é único, com tamanhos, formatos e funcionalidades variados.

Recentemente, foi até relatado que uma criança nasceu com três pênis (trifalia) – embora apenas um tivesse todos os tubos necessários para urinar.

Testículos supranumerários (poliorquidismo) também podem ser observados, sendo três unidades a anomalia mais comum – com o extra geralmente presente no lado esquerdo. Ao longo da história, houve apenas sete casos relatados de uma pessoa que nasceu com quatro testículos.

Anúncio

Testículos adicionais não causam problemas, a menos que não tenham descido para o escroto, o que está associado a risco aumentado de câncer testicular. Já as bexigas duplas são duplicação incrivelmente rara, com apenas 50 casos conhecidos.

O post Seu corpo pode ter órgãos extras e você não sabe apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta