Ligue-se a nós

Negócios

Passa muito tempo sentado trabalhando? Isso pode reduzir sua expectativa de vida, mostram estudos

Redação Informe 360

Publicado

no

mulher trabalho remoto
Getty Images

A maioria dos profissionais em modelo de trabalho remoto reduz a mobilidade e muitos quase nunca saem de casa, o que traz riscos à saúde física e mental

Ficar o dia todo atrás de um computador faz parte da rotina de muitos profissionais. Mas evidências mostram que ficar sentado por muito tempo é um dos maiores riscos à saúde.

Um estudo disponível na Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos mostra que metade dos adultos norte-americanos passa mais de 9,5 horas por dia sentada – incluindo mais de 80% do seu tempo de lazer –, seja no carro, em uma mesa ou em frente a uma tela.

Uma pesquisa com 2.000 trabalhadores remotos e híbridos descobriu que 60% das pessoas afirmam que reduziram a sua mobilidade em mais de 50% trabalhando remotamente.

Anúncio
  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

O trabalhador remoto percorre, em média, apenas 16 passos da cama até o seu espaço de trabalho. Num típico dia de trabalho remoto, um em cada três trabalhadores fica sentado o dia inteiro e 63% caminha apenas para ir ao banheiro ou à cozinha. Além disso, 24% nunca saem de casa. Quase metade de todos os trabalhadores remotos estimam que dão menos de 1.000 passos durante o horário de trabalho, apesar dos 8.000 passos por dia recomendados por especialistas de saúde. E 50% relatam um aumento de dor na lombar, 48% de dor nos ombros e 52% na fadiga ocular.

Qual o problema?

O corpo humano não foi projetado para ficar sentado por longos períodos de tempo. Isso reduz o fluxo sanguíneo e de oxigênio, causa ganho de peso e leva a doenças cardíacas e diabetes tipo 2. Estudos também mostram que ficar preso à mesa de trabalho pode ser tão ruim quanto fumar e, na verdade, reduz sua expectativa de vida, com um risco 80% maior de morrer de doenças cardiovasculares. Além disso, aumenta o risco de demência para adultos com mais de 60 anos que ficam sentados por mais de 10 horas por dia.

De acordo com um estudo da Sociedade Americana contra o Câncer, as mulheres que ficavam sentadas mais de seis horas por dia tinham 34% mais probabilidade de morrer do que aquelas que eram mais ativas. Para os homens, a chance é 18% maior.

Leia também:

Movimento é o melhor remédio

Por outro lado, o Colégio Americano de Medicina Esportiva relata que os trabalhadores que se exercitam por um mínimo de 45 minutos por semana tiram de 25% a 50% menos dias de licença médica. E cientistas britânicos apontam que pessoas de meia-idade que se exercitam pelo menos duas vezes por semana têm 60% menos probabilidade de desenvolver Alzheimer do que os sedentários.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda atividades físicas tanto durante os momentos de lazer quanto no trabalho para melhorar e manter uma boa saúde e bem-estar. O exercício regular reduz o risco de desenvolver ansiedade em quase 60%. Se você não tem tempo de ir à academia, pratique exercícios suaves entre os compromissos em sua mesa. Especialistas dizem que apenas ficar de pé ou dar uma volta por alguns minutos pode ajudar.

Anúncio

Aqui estão alguns exemplos de como você pode se movimentar no dia de trabalho e melhorar sua saúde física e mental:






O segredo é se mexer. Fique de pé, ande, corra, dance, alongue-se. A chave para manter a saúde e a longevidade no trabalho não está na cadeira do escritório.

 

*Bryan Robinson é colaborador da Forbes US. Ele é autor de 40 livros de não-ficção traduzidos para 15 idiomas. Também é professor emérito da Universidade da Carolina do Norte, onde conduziu os primeiros estudos sobre filhos de workaholics e os efeitos do trabalho no casamento.

(Traduzido por Fernanda Almeida).

Anúncio

O post Passa muito tempo sentado trabalhando? Isso pode reduzir sua expectativa de vida, mostram estudos apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Continuar Lendo
Anúncio

Negócios

Conheça as 10 faculdades que mais formaram bilionários nos EUA

Redação Informe 360

Publicado

no

 

As pessoas mais ricas dos Estados Unidos estudaram em faculdades de todo o país – desde pequenas escolas de artes liberais como Hobart e William Smith Colleges, onde a CEO da Fidelity Investments, Abigail Johnson, estudou história da arte, até grandes universidades públicas, como a Universidade de Indiana Bloomington, onde Mark Cuban se formou em administração.

Harvard - chensiyuan
Harvard – chensiyuan

Harvard já formou 28 bilionários

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

Mas um quarto dos 813 cidadãos americanos na lista de bilionários da Forbes obtiveram seu diploma de graduação em apenas uma dúzia de universidades. Esse seleto grupo inclui duas grandes faculdades privadas da Califórnia, duas escolas estaduais e sete das oito universidades Ivy League – grupo composto por algumas das mais conceituadas instituições de ensino dos EUA. Na lista, a Universidade da Pensilvânia é, de longe, a faculdade com mais graduados bilionários, com 36 nomes, e cerca de dois terços estudaram na renomada Wharton School.

Não que você precise terminar a faculdade para ficar super-rico – basta perguntar a grandes empresários que desistiram do curso, como Mark Zuckerberg e o designer Tom Ford, ou grandes ídolos da música ou dos esportes, como Taylor Swift e LeBron James, que nem começaram o curso superior. Mas ter um diploma nessas escolas pode facilitar o processo e ajudar no networking.

Anúncio

Leia também:

Aqui estão as universidades com mais ex-alunos bilionários americanos












A cotação do dólar é de 12 de junho de 2024

O post Conheça as 10 faculdades que mais formaram bilionários nos EUA apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Negócios

O que é preciso desenvolver para ser um líder do futuro

Redação Informe 360

Publicado

no

Lu Prezia
Lu Prezia

Gary A. Bolles, diretor do futuro do trabalho da Singularity University, e Ricardo Rocha, CEO da acaso, discutem os desafios enfrentados pelas lideranças

Em um mundo em constante mudança, as habilidades que garantem o sucesso hoje podem ser irrelevantes amanhã. Para navegar neste cenário dinâmico, o líder do futuro deve ter um compromisso com o Life Long Learning, a aprendizagem contínua ao longo da vida.

“Os profissionais precisam do mindset e das habilidades necessárias para liderar em meio a incertezas e mudanças constantes”, afirma Gary A. Bolles, diretor do futuro do trabalho da Singularity University e sócio da empresa de consultoria em estratégia Charrette LLC, durante o evento Teams of Tomorrow, na manhã desta quinta-feira (13).

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

O encontro promovido pela Forbes e a SingularityU Brazil, na Le Cordon Bleu, em São Paulo, marcou o relançamento do programa Leading the Future, resultado de uma parceria entre as duas empresas. O curso se baseia na ideia de exponencialidade no mundo dos negócios e explora o papel dos líderes em guiar equipes e organizações em um cenário de incertezas.

“Liderança não é um cargo, é uma atitude”, diz Reynaldo Gama, CEO da HSM e da SingularityU Brazil. Por isso, segundo ele, esse programa é tão necessário e atual. “Como veículo, temos a responsabilidade de colaborar para a formação de novas lideranças”, afirma Antonio Camarotti, publisher e CEO da Forbes Brasil.

Anúncio
Lu Prezia

Reynaldo Gama, CEO da HSM e da SingularityU Brazil, e Antonio Camarotti, publisher e CEO da Forbes Brasil

O programa online contém sete módulos que somam mais de 20 horas de conteúdo em diversos formatos. Durante as aulas, líderes irão se juntar a experts do mercado para entender como a tecnologia, aliada à teoria exponencial, pode ajudar diferentes setores a inovar. As inscrições podem ser feitas aqui.

Durante o evento, que reuniu líderes de recursos humanos de grandes companhias, Gary Bolles e Ricardo Rocha, CEO da startup acaso, lideraram discussões sobre o futuro do trabalho de forma colaborativa. Os especialistas trouxeram provocações, questionamentos e soluções para questões vivenciadas pelos executivos. “As pessoas estão cada vez mais desconectadas, não apenas do trabalho, mas umas das outras”, diz Rocha.

Fugindo das palestras tradicionais, o encontro teve como objetivo mostrar que, no futuro, não há espaço para hierarquias rígidas ou métodos tradicionais que, muitas vezes, bloqueiam o potencial das equipes.

Anúncio

“O caminho é a colaboração”, diz Bolles, tanto em relação ao que ele chama de “tsunami da inteligência artificial” quanto no que diz respeito à chegada das novas gerações ao mundo corporativo.

O post O que é preciso desenvolver para ser um líder do futuro apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Negócios

Petrobras provavelmente terá mudanças em diretoria

Redação Informe 360

Publicado

no

A Petrobras provavelmente terá mudanças em sua diretoria executiva até a próxima semana, afirmou a CEO da petroleira, Magda Chambriard, ao participar de um evento nesta quarta-feira com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Rio de janeiro.

A executiva disse ainda que há uma intenção de ajustar o perfil dos diretores que estão atualmente no cargo.

Chambriard tomou posse na liderança da petroleira no mês passado, com a saída de Jean Paul Prates, após Lula ter decidido pela troca de comando na estatal.

Forbes Brasil.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Em Alta