Ligue-se a nós

Negócios

Fórmula dos bilionários: como eles construíram fortuna

Redação Informe 360

Publicado

no

Forbes, a mais conceituada revista de negócios e economia do mundo.

O interesse pelos bilionários é tão cativante quanto complexo. O que eles fizeram para alcançar alturas financeiras tão estratosféricas? As histórias de bilionários como Jeff Bezos, Elon Musk e Bill Gates tornaram-se lendas modernas, despertando uma fascinação sobre como eles emergiram da obscuridade para vastas riquezas.

No entanto, apesar dos caminhos diversos que esses indivíduos trilharam, há um fio comum que perpassa a maioria de suas histórias: eles construíram um negócio.

Leia também

Frederic J. Brown/AFP
Frederic J. Brown/AFP

Por trás de cada bilionário que construiu sua própria fortuna, há uma história repleta de fracassos e trabalho duro

Anúncio

Quando falamos das pessoas mais ricas do mundo, a conversa frequentemente gira em torno das indústrias nas quais acumularam suas fortunas. Tecnologia, finanças e varejo frequentemente estão na vanguarda. No entanto, é o negócio que construíram dentro dessas indústrias que realmente merece destaque.

No cerne de cada história de bilionário está a concepção de seu negócio. Para muitos, isso envolveu identificar uma necessidade no mercado e criar uma solução. Jeff Bezos percebeu o potencial emergente do comércio eletrônico. Elon Musk vislumbrou um futuro movido por energia sustentável e transporte. Bill Gates imaginou um mundo onde a computação pessoal não era apenas uma necessidade, mas uma realidade em todos os lares e negócios. Esses visionários não apenas anteciparam um futuro digital ou sustentável — eles criaram as empresas que o tornariam realidade.

A capacidade de inovar e se adaptar é uma marca registrada dos negócios bem-sucedidos, e os bilionários não são exceção. A inovação frequentemente começa com o próprio produto ou serviço. Bezos transformou a Amazon de uma livraria online em um marketplace global para praticamente tudo. As empresas de Musk, incluindo Tesla e SpaceX, estão na vanguarda de suas respectivas indústrias, constantemente empurrando os limites do que é possível.

A adaptação é igualmente vital. Os mercados mudam, a tecnologia evolui e os comportamentos do consumidor se alteram. Os bilionários que sobrevivem a essas tempestades são aqueles que conseguem ajustar seus modelos de negócios para se manterem à frente da curva.

Anúncio

Construir uma empresa até alcançar o sonhado status exige mais do que uma grande ideia e uma execução sólida; requer escalonamento estratégico. Os bilionários sabem quando crescer, quanto crescer e onde investir seus recursos. Eles entendem que escala não se trata apenas de receita, mas também de impacto.

O mito do sucesso da noite para o dia

Apesar de Elon Musk e Jeff Bezos serem rotulados como sucessos da noite para o dia, a realidade está longe disso. Por trás de cada bilionário que construiu sua própria fortuna, há uma história repleta de contratempos, fracassos e anos de trabalho duro.

O caminho para o sucesso raramente é uma linha reta e, para os empreendedores, mudanças são a regra, não a exceção. O que diferencia os bilionários é sua persistência inabalável. Musk viu os três primeiros lançamentos da SpaceX falharem antes de finalmente alcançar a órbita. Bezos suportou anos de prejuízos para construir a infraestrutura que transformaria a Amazon na gigante que é hoje.

Enquanto a persistência é crucial, a capacidade de aprender e se adaptar com os fracassos também tem um papel importante. Os bilionários não encaram os contratempos como becos sem saída, mas sim como oportunidades de crescimento e mudança.

Anúncio

Esses empresários possuem uma visão de longo prazo que vai muito além do sucesso imediato de seus negócios. Eles investem em pesquisa e desenvolvimento, cultivam talentos e constroem práticas sustentáveis que garantirão a relevância e o sucesso de suas empresas por muitos anos.

Características dos bilionários

Quer você aspire se tornar um multimilionário ou alcançar um espaço na lista da Forbes entre as pessoas mais ricas do mundo, não se trata apenas de criar um negócio de sucesso. Construir uma fortuna é sobre incorporar certas características que promovem a criação e a sustentabilidade da riqueza.

1. Paixão e determinação

A paixão é a força motriz por trás de todos os empreendimentos bem-sucedidos, e os bilionários não são exceção. A paixão inabalável é o que os sustenta nos momentos difíceis e alimenta a dedicação à sua visão.

2. Assumir riscos

Assumir riscos calculados e estratégicos é outra característica compartilhada por muitos bilionários. Eles entendem que, para alcançar a grandeza, precisam estar dispostos a sair da zona de conforto e assumir riscos substanciais.

Anúncio

3. Liderança e formação de equipes

Nenhum negócio pode escalar para níveis bilionários sem liderança forte e uma equipe talentosa. Os bilionários sabem como atrair e reter os melhores talentos e construir organizações capazes de executar sua visão.

4. Contribuição social

Finalmente, muitos dos indivíduos mais ricos do mundo também são os mais filantrópicos. Retribuir à sociedade é um valor central que frequentemente sustenta seus negócios, garantindo que a riqueza que criam possa ter um impacto positivo no mundo.

O caminho para a vasta riqueza começa e termina com a construção de um negócio de sucesso. Por trás de todo império bilionário, está uma pessoa disposta a dedicar trabalho árduo, assumir riscos e fazer os sacrifícios necessários para ver sua visão se tornar realidade. O mito de fazer fortuna como jogador, personalidade das redes sociais ou sortudo não é o modelo que a maioria dos bilionários segue. Em vez disso, é na perseguição dedicada e de longo prazo dos objetivos empresariais que as fortunas são feitas.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

*Melissa Houston é colaboradora da Forbes USA. Ela é contadora, escritora e fundadora da empresa “She Means Profit”.

O post Fórmula dos bilionários: como eles construíram fortuna apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo
Anúncio

Negócios

Segunda sem estresse: 3 estratégias para começar a semana com o pé direito

Redação Informe 360

Publicado

no

Forbes, a mais conceituada revista de negócios e economia do mundo.

A segunda-feira ganhou fama como um dos dias mais cansativos porque marca o início da semana de trabalho e do retorno das atividades após o descanso de sábado e domingo. No entanto, com um pouco de planejamento, é possível tornar o dia menos estressante.

Confira como se preparar para a segunda-feira e estabelecer um tom positivo para toda a semana de trabalho.

Leia também

Getty Images
Getty Images

Estratégias podem fazer toda a diferença no início da sua semana de trabalho

Anúncio

1. Planeje a semana no domingo

Uma das estratégias mais importantes para começar a semana sem estresse é organizar as tarefas e os dias ainda no domingo. Isso não deve levar mais de uma hora, mas pode mudar totalmente o seu humor e os resultados.

  • Crie uma lista de tarefas: Primeiro, prepare uma lista de todas as atividades que você precisa fazer durante a semana. Divida essas tarefas em segmentos e organize de acordo com a importância. Essa lista funcionará como sua bússola, garantindo que você saiba o que precisa ser feito em todos os momentos.
  • Defina metas: Faça uma lista dos três objetivos mais importantes que você deseja alcançar durante a semana. Essas devem ser as atividades mais cruciais que potencialmente afetarão sua vida profissional ou pessoal. As metas vão te guiar e motivar a alcançar o que deseja na vida.

2. Organize seu espaço de trabalho

Um ambiente de trabalho bagunçado pode contribuir para o estresse e prejudicar a produtividade. Reservar um tempo no domingo para organizar o escritório (e também outros cômodos da casa) pode criar um ambiente mais agradável e eficiente para a segunda-feira e o resto da semana.

  • Elimine a desordem: Limpe toda a bagunça da área de trabalho e não mantenha nada na mesa que não seja necessário. Papéis, enfeites, livros e outros objetos que estão na mesa podem distrair a mente. Minimize os itens que estão ao alcance das mãos o tempo todo.
  • Limpe: Isso inclui limpar todas as superfícies, o teclado e qualquer equipamento. Além de ser mais acolhedor, um ambiente limpo realmente afeta seu humor e ajuda na concentração.
  • Organize: Certifique-se de que você tem tudo de que precisa para a semana seguinte. Isso inclui arquivos, discos rígidos e qualquer outro item relacionado às suas tarefas. Ter tudo em seu devido lugar garante que você não perderá tempo procurando quando precisar de algo.

3. Prepare-se mental e fisicamente

Seu bem-estar físico e mental desempenha um papel crucial em como você vai enfrentar sua semana de trabalho. Preparar-se nessas áreas pode ajudá-lo a começar a segunda-feira com energia e uma mentalidade positiva.

  • Durma o suficiente: Tente dormir de 7 a 9 horas na noite de domingo. O sono é uma parte crucial da vida humana e impacta o desempenho mental e físico. Para evitar dificuldades, crie uma rotina antes de dormir que o ajude a adormecer rapidamente.
  • Exercite-se: Pratique alguma atividade física no domingo. Exercícios regulares, como um treino completo ou uma simples caminhada, podem ajudar a aliviar o estresse, melhorar o humor e aumentar os níveis de energia.
  • Pratique técnicas de mindfulness: Tente passar algum tempo refletindo, fazer exercícios de respiração profunda ou anotar seus pensamentos. Você pode usar técnicas de mindfulness para liberar sua mente, gerenciar seus níveis de estresse e se preparar para a semana.

Praticando essas três estratégias aos domingos, você vai conseguir minimizar o estresse e a confusão que a maioria das pessoas vive ao voltar a trabalhar nas segundas-feiras. Organizar sua semana, o local de trabalho e seu estado mental e físico facilitará sua segunda-feira e o resto da semana de trabalho. Seguindo essas orientações, você terá melhores chances de começar a semana de forma positiva e intensa, e, portanto, ser mais produtivo.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

*Goldie Chan é colaboradora sênior da Forbes USA. Ela é especialista em branding pessoal e estratégia digital, além de ser LinkedIn Top Voice, conhecida como a “Oprah do LinkedIn”.

O post Segunda sem estresse: 3 estratégias para começar a semana com o pé direito apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Negócios

Guilherme Catarino é novo presidente da Wella Company no Brasil

Redação Informe 360

Publicado

no

Forbes, a mais conceituada revista de negócios e economia do mundo.

Antes da Wella, Guilherme Catarino liderou equipes na Coty e P&G em diferentes países

Guilherme Catarino é o novo presidente da Wella Company, uma das principais empresas de beleza do mundo, no Brasil. O executivo substitui Nathalie De Gouveia, que estava no cargo há quase cinco anos e agora assume o cargo de general manager da companhia nos Estados Unidos.

 Catarino tem mais de 20 anos de experiência no setor de bens de consumo em multinacionais e liderava a Wella na América Central, Caribe e América do Sul (exceto Brasil) desde o final de 2020, responsável pelas divisões profissional e varejo. Antes disso, liderou equipes na Coty e P&G em diferentes países.

Anúncio

Leia também

Na Wella, o executivo também é membro ativo da Equipe de Liderança das Américas, desenvolvendo estratégias de curto e longo prazo para a empresa na região. Ao longo da carreira, destacou-se por habilidades em gestão de crises, construção de equipes de alto desempenho e desenvolvimento de talentos.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

O post Guilherme Catarino é novo presidente da Wella Company no Brasil apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Negócios

Como o barulho nos escritórios está criando um bom mercado

Redação Informe 360

Publicado

no

Forbes, a mais conceituada revista de negócios e economia do mundo.

Chad West trabalha presencialmente em um escritório em Londres não mais do que uma vez por semana. Como vice-presidente de marketing da carteira de criptomoedas inteligente Argent, ele aparece apenas para reuniões estratégicas ou criativas. Quando precisa focar no trabalho, as distrações e o barulho no escritório aberto da empresa o tornam 40% menos produtivo do que em casa, ele estima.

As vozes dos colegas e a música que escapa dos fones atraem sua atenção, e o som dos engenheiros de software batendo nos seus teclados o atrapalha. “Se alguém tem a audácia de atender uma ligação em um escritório pequeno onde as pessoas estão tentando trabalhar, isso me irrita”, diz West, 33 anos.

Leia também

Mais de quatro anos depois de a pandemia ter levado a maioria dos trabalhadores do conhecimento a trabalhar de casa, muitos voltaram ao escritório, seja por políticas da empresa, pelo desejo de passar um tempo com os colegas de trabalho ou pela necessidade de fugir da família.

Anúncio

Cerca de 27% dos dias de trabalho nos EUA foram feitos em casa em maio, uma queda drástica em relação aos cerca de 60% no pico da pandemia, mas acima dos menos de 10% antes da Covid-19.

À medida que as pessoas retornam ao escritório em tempo integral ou parcial, as queixas sobre uma antiga frustração – os ruídos e as distrações – têm aumentado. Os profissionais estão participando de mais reuniões pelo Zoom da mesa do escritório, e muitas vezes falando alto nessas videochamadas. Os chefes incentivam que os dias de trabalho presencial sejam passados ​​“colaborando” e desenvolvendo laços sociais, mas isso aumenta a conversa que ecoa no espaço.

Para agravar o problema, muitas empresas reduziram o tamanho dos seus espaços corporativos já que o local estava sendo menos utilizado. Assim, as salas de conferências e os espaços privados ficam cheios rapidamente.

Ilustração: Philip Smith/Forbes
Ilustração: Philip Smith/Forbes

As distrações no escritório são mais do que um pequeno incômodo: aumentam o estresse e prejudicam os profissionais

Anúncio

Insatisfação com a barulheira do escritório

Em um estudo de setembro de 2023 realizado pela empresa de pesquisa de ambientes de trabalho Leesman, os níveis de ruído foram classificados entre as 10 características mais importantes do escritório – ficando entre banheiros funcionais e uma central de suporte de TI.

No entanto, apenas cerca de 32% dos funcionários estão satisfeitos com os níveis de ruído no escritório, descobriu outra pesquisa da Leesman (divulgada em abril passado).

Novo mercado

A resposta a todas essas reclamações apresenta uma oportunidade de negócio, com fornecedores vendendo desde cabines no estilo de telefones públicos até serviços de “paisagismo sonoro” que usam uma abordagem “biofílica” para ajudar a abafar vozes com sons encontrados na natureza.

Fabricantes de móveis e designers de interiores estão adicionando mais materiais acústicos e projetando “bibliotecas” para promover ambientes de trabalho silenciosos.

Anúncio

Alguns empregadores estão distribuindo fones de ouvido com cancelamento de ruído e até mesmo desenvolvendo ferramentas para ajudar os trabalhadores a alertar colegas quando precisam se concentrar. “Se quisermos que os funcionários retornem voluntariamente aos escritórios, temos de proporcionar um espaço que apoie aqueles momentos em que eles necessitam de privacidade acústica e visual”, diz o fundador da Leesman, Tim Oldman.

O problema e a solução do barulho no escritório

As distrações no escritório são mais do que um pequeno incômodo. Um estudo de 2021 publicado no Journal of Management & Organization descobriu que em experimentos com ambientes controlados, os níveis de ruído típicos de escritórios de plano aberto causaram aumentos nos indicadores de estresse fisiológico, como frequências cardíacas mais altas, bem como mais expressões faciais de repulsa e relatos de humor negativo por parte dos trabalhadores.

“Não estamos habituados ao ruído”, observa Libby Sander, professora assistente da Bond University, na Austrália, que trabalhou no estudo. “Temos a ideia de que podemos simplesmente nos acostumar com isso. Mas fisiologicamente e psicologicamente, seu corpo não vai.”

A necessidade de maior controle do ruído nos escritórios é uma das razões para o crescimento de empresas como a finlandesa Framery, um dos maiores fabricantes de cabines de escritório – espaços totalmente fechados e modernos com paredes de vidro, que custam cerca de US$ 8,7 mil (R$ 47,3 mil) por uma unidade compacta. Algumas acomodam até seis pessoas e parecem salas de conferência fechadas.

Anúncio
Framery

A Framery tem uma nova linha de cabines que possuem um sistema de mascarar o som do ambiente

Em 2022, a receita global da Framery atingiu US$ 164 milhões, acima dos US$ 86 milhões em 2020 e US$ 101 milhões em 2021.

Em março, a empresa adicionou uma nova linha de cabines que não apenas isolam o som para os usuários sentados ali dentro, mas também possuem um sistema de “máscara sonora” que emite um som semelhante a ruído rosa nas áreas ao redor. Assim, aumentam o ruído ambiente nos espaços próximos, com o objetivo de tornar as conversas no escritório menos inteligíveis. “O verdadeiro problema do ruído é quando o seu cérebro capta uma palavra familiar”, diz Samu Hällfors, cofundador e CEO.

Som de pássaros no escritório

É por isso que designers e empreendedores estão colocando som nos espaços, o que pode ser uma forma de resolver as preocupações com muito ruído ou muito silêncio. Depois de trabalhar para terceiros nesse setor por mais de uma década, Evan Benway lançou a Moodsonic em 2022. Ele agora trabalha com empresas como SAP, GSK e Steelcase para criar “paisagens sonoras responsivas” que usam sensores para gerar um som de fundo que se adapta em tempo real ao grau de distração ou estímulo do ambiente.

Anúncio

A Moodsonic ajuda as empresas a resolver uma das ironias do ambiente de trabalho pós-pandemia: as pessoas se distraem com o som no escritório, mas muitas vezes é porque o espaço está muito silencioso. Em vez de ter 60 pessoas em um salão aberto onde um zumbido de muitas conversas acontece ao fundo, “agora talvez você tenha 15 pessoas, e quando uma fala, todos ouvem o que ela está dizendo”, diz Benway.

Os sensores da Moodsonic captam os níveis de som e ajustam as “paisagens sonoras”, que incluem cantos sutis de pássaros inspirados na natureza ou riachos. Benway não divulga receitas, mas afirma que a empresa trabalha com 30 das 500 maiores empresas dos EUA e já é lucrativa; em seu segundo ano, triplicou a área onde fornece as paisagens sonoras e aumentou as assinaturas em 150%.

Paz no home office

Outros estão tendo sucesso ao atender não apenas a necessidade de privacidade dos trabalhadores no escritório, mas também os desejos semelhantes dos profissionais remotos. O investidor Fred Wilson, cofundador da Union Square Ventures de Nova York, e sua esposa Joanne, uma investidora-anjo, estão lançando a segunda localização do Framework, um espaço de coworking em Nova York. O casal percebeu que nas grandes cidades, empreendedores, criativos e outros profissionais têm pouco espaço próprio e não necessariamente querem estar “em um desses lugares onde há toda essa bagunça compartilhada”, como Joanne descreve, referindo-se a espaços de coworking com assentos em grupo e pouca privacidade.

No primeiro local dos Wilsons, no Brooklyn, os membros pagam entre US$ 755 e US$ 860 por mês, dependendo do prazo do aluguel, por sua própria cabine com isolamento acústico. “É tranquilo e eles não precisam ouvir o vizinho conversando com o amigo ou a esposa ou o que quer que seja”, disse Fred Wilson.

Anúncio

Designers de móveis e de interiores também estão incorporando mais isolamento acústico nos seus espaços. A Zintra Acoustics, uma linha de painéis de parede, divisórias de espaço e luminárias de teto que ajudam a absorver o som, tem visto uma demanda “crescente” por soluções acústicas, disse Kirsten Grosman, líder de marketing da marca, que é propriedade do Baresque Group, com sede na Austrália. “O ruído se tornou a principal reclamação entre os profissionais”, disse ela.

Ao mesmo tempo, a empresa sueca Ikea, que está no ramo de mobiliário de escritório há 40 anos, está lançando uma nova linha criada em parte para resolver os incômodos sonoros. Por exemplo, adicionou um material de fibra de madeira, normalmente utilizado na indústria de construção para isolamento, a telas acústicas envoltas em tecido. A empresa também trabalhou com fornecedores para silenciar o mecanismo que regula a altura de uma mesa elétrica pressionando um botão. “O papel do escritório mudou”, diz Philip Dilé, desenvolvedor de design de produtos da Ikea. “A maioria das pessoas nos disse que queria voltar [ao escritório] para ter foco e menos distração.”

Ikea

Marcas tradicionais, como a Ikea, estão trabalhando para lidar com problemas de som e ruído no escritório

A nova linha da Ikea é um exemplo de um movimento mais amplo para oferecer soluções que não exigem cabines ou salas privadas, o que sem dúvida anula o propósito de ter pessoas no escritório para colaborar. “Por que eu iria querer entrar em um conjunto de cabines de Zoom, e essa ser minha experiência do dia?”, questiona Tracy Wymer, vice-presidente de insights e inspiração da Teknion, que também fabrica cabines. Wymer observa que sua empresa está trabalhando em um novo produto que fornece dicas visuais que indicam se você está disponível ou focado no trabalho, mas ainda é cedo para oferecer detalhes.

Anúncio

Outra companhia que está experimentando essa ideia é a monday.com, uma empresa de software de gerenciamento de projetos com sede em Israel. Eles projetaram um dispositivo de Internet das Coisas (IoT) chamado “FocusTime”, posicionado no canto dos monitores dos computadores dos funcionários. Parece um mostrador que indica de quanto tempo restante ininterrupto a pessoa precisa – e serve como um aprimoramento físico dos ícones de status do Slack ou Teams que as pessoas estão acostumadas a ver na tela.

Monday.com
Monday.com

A empresa está testando um dispositivo que indica aos colegas de trabalho quanto tempo de foco eles precisam

A ideia veio originalmente de uma funcionária da empresa que lutava com as interrupções dos colegas ao retornar ao escritório. Saron Paz, líder da equipe que desenvolveu o dispositivo, diz que cerca de 20 funcionários estão participando de um piloto usando o protótipo e um teste em toda a empresa está em fase de planejamento para que, potencialmente, possa se tornar um produto comercializado.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

Profissionais neurodivergentes

Um fator impulsionador da criação de mais espaços para trabalho silencioso tem sido uma maior consciência sobre as necessidades de profissionais neurodivergentes, como aqueles com TDAH ou desafios de processamento sensorial. Pesquisas mostram que 15% a 20% dos funcionários são neurodivergentes, diz Relina Bulchandani, vice-presidente executiva de serviços imobiliários e de local de trabalho da Salesforce. Isso levou a gigante de software a projetar “salas de meditação” no escritório para pausas e espaços de “biblioteca” equipados com telas duplas de monitor solicitadas por engenheiros de software.

As inovações são relevantes para criar um ambiente de trabalho inclusivo e saudável. No entanto, para Chad West, algumas delas não seriam necessárias se todos simplesmente pudessem escolher de onde querem trabalhar. “Tudo o que uma empresa realmente deve se preocupar é com a eficiência.”

Anúncio

O post Como o barulho nos escritórios está criando um bom mercado apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Em Alta