Ligue-se a nós

Negócios

“Com quem você vai trabalhar é mais importante do que onde”, diz novo CFO da Cimed

Redação Informe 360

Publicado

no

fausto neto, novo cfo da cimed

Para novo CFO da Cimed, profissional de finanças precisa navegar entre todas as áreas da empresa para ter sucesso na carreira

Depois de experiências internacionais como vice-presidente global de finanças e estratégia na AB InBev, Fausto Moreira retorna ao Brasil para assumir o cargo de CFO da Cimed. A farmacêutica brasileira faturou R$ 3 bilhões em 2023 e espera atingir R$ 5 bilhões no biênio 2024-2025.

Na AB Inbev, o executivo chegou a liderar equipes com 10 nacionalidades diferentes espalhadas em 8 países, com fuso horário de mais de 12 horas. “Às vezes, precisava ser mais psicólogo do que gestor”, lembra ele, que desenvolveu suas habilidades interpessoais no período. “Com quem você vai trabalhar é mais importante do que onde”, diz, parafraseando um antigo chefe. Para Moreira, crescer na carreira passa por estar rodeado de pessoas que te inspiram e que vão te ajudar a ascender.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

Engenheiro de formação, iniciou a trajetória profissional em grandes bancos e trabalhou no Merril Lynch, em Londres, onde viveu de perto a aquisição pelo Bank of America, e voltou ao Brasil para trabalhar no Goldman Sachs.

Fez uma transição para a Ambev e ficou uma década no grupo, onde assumiu sua primeira diretoria, de tesouraria, e consolidou a área de M&A. “Fui para ganhar menos da metade do que receberia em bancos, mas era uma aposta no longo prazo, em algo que acreditava que me faria mais feliz.”

Anúncio

Abaixo, o novo CFO da Cimed conta como as experiências internacionais agregaram para a sua carreira e aponta as principais características de um bom profissional de finanças.

Leia também:

Forbes: Como as experiências trabalhando fora do Brasil agregaram para a sua carreira?

Fausto Moreira: Me ajudaram a desenvolver minhas habilidades de liderança e mostrar como equipes diversas podem desenvolver soluções muito melhores. Quando assumi minha última função na AB-Inbev, o time possuía um engajamento baixo e era formado por pessoas de dez nacionalidades em oito países. Tivemos primeiro que estabelecer as formas de trabalho e comunicação da equipe. Existiam muitos conflitos e frustração sobre como cada um lidava com o outro e como trabalhar quando o fuso horário muitas vezes passa de 12 horas de diferença. Primeiro, precisei entender os desejos e frustrações de cada um. Às vezes, precisava ser mais psicólogo do que gestor, levando em consideração o período em que estávamos vivendo: pandemia e guerra da Rússia e Ucrânia. Tinha na minha equipe funcionários dos dois lados dessa guerra. Depois, passei a comunicar constantemente as prioridades da empresa e definir com o time como organizar as atividades para criar uma ligação mais clara de como o nosso trabalho se conectava com os objetivos da companhia. Após um ano, levamos o engajamento da equipe de 58 para 89.

F: O que você observou ao liderar equipes nos diferentes países por onde passou?

Anúncio

FM: A forma como as pessoas de diversas nacionalidades se comunicam, se relacionam e reagem às demandas é muito diferente. Algumas são muito mais diretas e secas, outras mais calorosas e algumas mais quietas. Eu sempre fui uma pessoa muito transparente e direta ao ponto, mas ao longo dos anos precisei aprender a observar muito mais as reações das pessoas para conseguir extrair o melhor de cada uma.

F: Quais habilidades foram mais importantes para desenvolver ao longo da trajetória profissional?

FM: No começo da carreira, as habilidades técnicas são muito importantes e te ajudam a arrumar bons empregos e promoções, mas conforme você cresce, o foco muda para habilidades mais comportamentais. Quando olho para os últimos 25 anos, vejo que algumas características foram fundamentais:

Curiosidade e pensamento crítico: você precisa estar sempre questionando, querendo aprender sobre o porquê das coisas para poder desenvolver soluções melhores e inovadoras.

Anúncio

Adaptabilidade: Vivemos em um mundo que está em constante mudança e a evolução de um profissional precisa acompanhar. Isso vale tanto no sentido de ter jogo de cintura ao lidar com objetivos ou pessoas conflitantes quanto para se fazer correções rápidas quando um plano traçado não tem o resultado desejado. Essa é uma característica que se constrói ao longo do tempo. Você precisa viver situações ao longo da carreira que permitam exercitá-la.

Simplicidade: Quando fui trabalhar em Londres, o time que trabalhava era responsável por dar preço para todas as demandas de commodities, as quais não tinha modelo matemático pronto. O meu chefe na época me ensinou que era possível resolver os problemas complexos quebrando em partes e combinando soluções simples umas com as outras. Carrego isso comigo desde então.

F: Que bagagem você traz pela experiência com fusões e aquisições?

FM: Além de toda experiência em negociação, eu acho que trabalhar nesta função me ajudou a ter um equilíbrio entre uma visão estratégica de longo prazo e identificação dos ganhos e sinergias rápidas que você pode entregar no curto prazo. Quando fui liderar a área de M&A da Ambev também pude ver que executar o business plan não é tão simples quanto parece. É necessário muito esforço de toda a organização para integrar as operações, alinhar a cultura e executar as sinergias. O problema é que, muitas vezes, depois da aquisição, todos voltam para o seu dia a dia e a operação comprada perde o foco, o que dificulta a execução do que foi planejado. Além disso, é necessário ter disciplina para não ceder ou pagar demais na negociação, saber desistir e depois de fechada a operação, acompanhar a performance do negócio para aprender o que deu certo e o que deu errado e assim estar melhor preparado para o próximo.

Anúncio

F: O que você considera mais importante – em termos de habilidades, conhecimentos e experiências – para um profissional de finanças hoje?

FM: Além das habilidades que falei anteriormente (conhecimento técnico, curiosidade, pensamento crítico, adaptabilidade e simplicidade), ressaltaria também o poder de influência e trabalho em equipe. Finanças é a engrenagem que faz a empresa rodar, conectando as diferentes áreas da empresa, do comercial ao industrial, do jurídico ao RH. O profissional de finanças precisa conseguir navegar entre todas as áreas, exercer esse poder de influência e persuasão e ajudar a fazer todos remarem para o mesmo objetivo.

F: Como as diferentes culturas corporativas pelas quais você passou ajudaram a formar o líder que você é hoje?

FM: O foco no resultado, pouca hierarquia, trabalho em equipe, o sonho grande e um ambiente onde as pessoas recebem grande responsabilidade e independência para executar sempre foram fatores importantes para mim, porque levam as pessoas a agirem de forma mais transparente e a atingir resultados mais rápidos.

Anúncio

F: Qual a importância do MBA para a carreira?

FM: Eu acredito que o MBA te entrega proporcionalmente ao que você se dedica a ele. Como as pessoas já possuem certa experiência profissional, elas podem usar o MBA para desenvolver habilidades que não possuem ou até para fazer mudanças maiores de carreira. É um bom momento de reflexão. Ele também ajuda a criar um network que será importante no seu futuro. O MBA me ajudou a refinar os meus conhecimentos em finanças e economia, já que sou engenheiro. Eu dispensava as matérias iniciais e escolhia as mais avançadas para acelerar meu aprendizado. Também me ensinou a importância da diversidade e me ajudou a seguir uma carreira internacional. Saí do MBA com um emprego na Merrill Lynch em Londres.

F: Qual foi o turning point da sua carreira?

FM: Foi quando saí do Goldman Sachs e decidi que queria sair do mercado financeiro para trabalhar em empresas. A Ambev era a empresa mais parecida com banco que existia, mas foi uma grande mudança. Fui para ganhar menos da metade do que receberia em bancos, mas era uma aposta no longo prazo, em algo que acreditava que me faria mais feliz, e deu certo.

Anúncio

F: O que você gostaria de ter ouvido no início e que poderia ter feito a diferença?

FM: O que ouvi recentemente de um ex-chefe, gostaria de ter escutado no começo de minha carreira: é mais importante ver com quem você vai trabalhar do que onde você vai trabalhar. Você precisa se certificar de que está rodeado de pessoas que te inspiram, que possuem valores com que você se identifica e que vão te ajudar a crescer.

Por quais empresas passou

Banco Calyon, Bank of America Merrill Lynch, Ambev, AB Inbev e agora Cimed

Formação

Estudei engenharia de produção na Poli-USP e fiz meu MBA na Universidade de Chicago

Anúncio

Primeiro emprego

Estágio na área de derivativos de renda fixa no Deutsche Bank

Primeiro cargo de liderança

Diretor de tesouraria da Ambev

Tempo de carreira

24 anos

O post “Com quem você vai trabalhar é mais importante do que onde”, diz novo CFO da Cimed apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Anúncio
Continuar Lendo
Anúncio

Negócios

Ex-McDonald’s vai liderar dona do Burger King no Brasil

Redação Informe 360

Publicado

no

 

O executivo Paulo Camargo, escolhido pela Zamp, master-franqueada de Burger King, Popeyes e, recentemente, Starbucks no Brasil, conforme comunicado, tem uma longa trajetória na área de foodservice. Camargo vai suceder Ariel Grunkraut, que era CEO da Zamp desde janeiro de 2023.

Paulo Camargo

Durante pouco mais de seis anos, Paulo liderou, no Brasil, a operação da Arcos Dourados, master-franqueada de McDonald’s na região. Desde 2022, Paulo era CEO da Espaçolaser e também foi membro do conselho da International Meal Company, dona de marcas como Pizza Hut e KFC.

Anúncio

Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

O executivo presidiu, de 2021 a 2022, o Instituto Foodservice Brasil. Em entrevista para a Forbes Brasil, em 2021, Paulo destacou a importância para a digitalização nos negócios. “Recursos como a capacidade de processamento de dados, aliada a uma capacidade de comunicação [que será ampliada] com o 5G e a inteligência artificial, é possível potencializar, e muito, a nossa habilidade de entender nossos clientes”, disse Camargo.

Zamp assume Starbucks no Brasil

A Zamp anunciou, na semana passada,  a compra da operação brasileira de lojas da rede de cafeterias norte-americana Starbucuks por R$ 120 milhões, segundo ata do conselho de administração da empresa divulgada ao mercado.

A SouthRock, que operava a rede de cafeterias no Brasil, pediu recuperação judicial no final do ano passado. A empresa lista cerca de 140 lojas da marca norte-americana no Brasil. “O preço base acordado para a aquisição dos ativos…está sujeito a ajustes para refletir, dentre outros, a quantidade de lojas efetivamente adquiridas, bem como o nível de estoque na data do fechamento”, afirmou a Zamp em fato relevante.

Anúncio

Mas a Zamp afirmou, dada a situação de recuperação judicial da operadora da marca no país, que vai comprar os ativos em processo competitivo de propostas fechadas, podendo igualar eventuais ofertas por eles apresentadas por terceiros.

O post Ex-McDonald’s vai liderar dona do Burger King no Brasil apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Negócios

Desigualdade: mulheres ganham 17% menos do que homens

Redação Informe 360

Publicado

no

 

De acordo com um levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgado nesta quinta-feira (20), as mulheres ainda enfrentam uma significativa desigualdade salarial. Em 2022, a remuneração média mensal das mulheres foi de R$ 3.241,18, aproximadamente 17% menor do que a dos homens, estimada em R$ 3.791,58.

Getty Images
Getty Images

Mulheres representam 45,3% da força de trabalho assalariada no Brasil

Baseado no CEMPRE (Cadastro Central de Empresas), o instituto analisou 357 áreas de atuação e concluiu que as mulheres receberam salários inferiores aos dos homens em 82% dos setores. A maior disparidade foi registrada no campo de fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas: enquanto os homens obtiveram em média R$ 7.509,33, as mulheres ficaram com apenas R$ 1.834,09, uma diferença de 309,4%.

Anúncio

Leia também:

Em apenas 63 segmentos, 18% do total, as mulheres ganharam salários iguais ou superiores aos dos homens. O setor de organismos internacionais e instituições extraterritoriais foi o ramo em que as profissionais obtiveram os maiores pagamentos em relação aos homens: R$ 9.018,70 para elas e R$ 4.717,09 para eles, uma diferença de 47,7%.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

O estudo também registrou que a força de trabalho assalariada no Brasil era composta por 54,7% de homens e 45,3% de mulheres em 2022. Na época, o país tinha 9,4 milhões de empresas e organizações formais ativas, além de 63 milhões de pessoas empregadas, sendo 80% assalariadas e 20% como sócias e proprietárias.

O post Desigualdade: mulheres ganham 17% menos do que homens apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Negócios

Desistiu da mudança de emprego? Saiba como agir

Redação Informe 360

Publicado

no

 

O caso do atacante Dudu, do Palmeiras, chamou a atenção da web após o jogador anunciar que ficaria no time paulista apesar das negociações com o Cruzeiro. O acontecimento trouxe à tona uma questão relevante no mundo corporativo: como agir quando desistimos de mudar de emprego? Afinal, no mercado de trabalho, transições são decisões importantes que envolvem complexidades e riscos.

Mulher em um ambiente corporativo segurando uma caixa com pertences pessoais. Imagem: Getty Images
Getty Images

Saiba como mitigar riscos e manter a integridade profissional após desistir da mudança de emprego

Por isso, desistir de uma nova oportunidade depois de já ter avisado o chefe pode gerar incertezas para ambas as partes. Entenda como lidar com esse tipo de situação:

Anúncio

A importância da transparência

Segundo Andréa Krug, especialista em carreira que já atuou em empresas como AMBEV e Claro, a chave para gerenciar a desistência é agir com máxima transparência e profissionalismo. Nesses casos, explicar o motivo da mudança sem maldizer as pessoas envolvidas é crucial. “É importante que todos percebam o cuidado em não expor nem o atual, nem o futuro empregador.”

Para informar a empresa, é necessário se atentar à ordem de comunicação. Primeiramente, fale com o superior imediato e, em seguida, com a área de Recursos Humanos atual, para verificar se há possibilidade de reversão da decisão. Depois, é preciso avisar o líder e o RH responsáveis pelo processo de admissão.

Riscos e repercussões

No entanto, desistir de uma mudança de emprego pode trazer vários riscos para o profissional. Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul, aponta que o principal revés é a perda de confiança. “A nova companhia pode ver a desistência como falta de comprometimento, e a empresa atual pode questionar a lealdade do colaborador.”

Krug observa que a falta de maturidade também pode ser percebida na ação: “Pode parecer imaturo e impulsivo não explorar todas as variáveis necessárias para uma decisão tão importante.”

Anúncio

Leia também:

Como pesar a balança

Vários fatores podem levar um profissional a hesitar na troca de emprego. Sentimentos de lealdade, medo do desconhecido e incertezas sobre a adaptação à nova cultura organizacional são comuns. A escolha, porém, deve ser baseada em uma visão de carreira a longo prazo.

  • Siga a Forbes no WhatsApp e receba as principais notícias sobre negócios, carreira, tecnologia e estilo de vida

Para evitar o arrependimento, os especialistas destacam a necessidade de uma avaliação criteriosa e um alinhamento entre os objetivos de carreira e pessoais. “Considere os prós e contras, a cultura organizacional, perspectivas de crescimento e estabilidade”, recomenda Mantovani.

O post Desistiu da mudança de emprego? Saiba como agir apareceu primeiro em Forbes Brasil.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta