Ligue-se a nós

Tecnologia

Pesquisadores criam plástico que muda de forma; veja

Redação Informe 360

Publicado

no

Pesquisadores da Escola Pritzker de Engenharia Molecular (PME) da Universidade de Chicago criaram um novo tipo de plástico flexível que pode ter sua forma alterada. Isso acontece através do processo de têmpera, que consiste em utilizar altas temperaturas para moldar o material e resfriá-lo para manter o formato.

Entenda:

  • Pesquisadores da Escola Pritzker de Engenharia Molecular (PME) da Universidade de Chicago criaram um tipo de plástico flexível que pode ser moldado em várias formas;
  • O material é aquecido em temperaturas de 60ºC a 110ºC e resfriado rapidamente em um freezer para manter o formato;
  • A descoberta pode trazer impactos positivos ao processo de reciclagem de plásticos e mudar a forma como expedições submarinas e espaciais são realizadas;
  • O material pode ser reprocessado sete vezes e manter a forma por ao menos um mês;
  • A descoberta foi publicada na revista Science.

Publicada na revista Science, a descoberta pode tanto aprimorar o processo de reciclagem quanto revolucionar expedições espaciais e submarinas, como explica Stuart Rowan, químico da Universidade de Chicago e autor do estudo, ao The New York Times: “Em vez de levar diferentes tipos de plásticos com você, você leva esse único plástico e dá a ele as propriedades necessárias.”

Um plástico, várias funções

Ao contrário dos plásticos comuns, depois de esquentado e moldado, o novo material mantém o formato ao retornar à temperatura ambiente. Ele também pode ser reprocessado pelo menos sete vezes e manter sua forma por pelo menos um mês, de acordo com os pesquisadores.

Leia mais:

Anúncio
  • Técnica de impressão 3D oferece alternativa para testes em animais
  • Esse robô pode ajudar humanos a conquistar o espaço
  • Prótese com rodas faz jabuti voltar a andar no Brasil

Nos experimentos, o plástico foi aquecido em temperaturas de 140 a 230 graus Fahrenheit (60ºC a 110ºC) e colocado em um freezer para resfriá-lo rapidamente. Em um dos testes, foi possível moldar o material no formato de uma colher e deixá-lo rígido o suficiente para retirar um pouco de manteiga de amendoim de um pote.

(Imagem: Patel et al. / Science)

Porém, o material ainda está longe de substituir os plásticos clássicos, como explica Nicholas Boynton, estudante de graduação da Universidade de Chicago e líder dos experimentos: “Ainda não chegamos lá, mas estamos bem perto. Acho que ter um material que possa acessar essa enorme variedade é realmente emocionante neste momento.”

O post Pesquisadores criam plástico que muda de forma; veja apareceu primeiro em Olhar Digital.

Continuar Lendo
Anúncio

Tecnologia

Celular esquentando? Veja o que fazer (ou não) para esfriá-lo

Redação Informe 360

Publicado

no

Quem não sofre com o celular esquentando, que atire o primeiro carregador. De cara já dá para imaginar que o uso excessivo do aparelho possa ter a ver com esse problema, não é mesmo? O celular como extensão do corpo humano é uma realidade e não há como negar.

Assim, da mesma forma como fazemos (ou deveríamos fazer) com o nosso organismo, manter o celular em boas condições de uso e seguir recomendações para preservar sua vida útil, é uma ótima dica. Entenda os motivos pelos quais o celular vai esquentando, esquentando e quando percebemos, já não sabemos como resfriá-lo rapidamente.

Leia mais:

  • Pode colocar o celular dentro da geladeira?
  • Como diminuir uso excessivo do celular: veja 6 dicas práticas
  • Como aumentar a vida útil da bateria do celular? Confira 5 dicas

A primeira dica é a mais difícil de cumprir, mas a recomendação é usar o celular com moderação. Ok, vamos descartar essa e partir para a ação, antes que a sua cabeça também já esteja quente tentando resolver o problema.

Celular esquentando, imagem mostra um celular em chamas
Imagem: Shutterstock

É normal que os aparelhos celulares produzam calor devido às correntes de energia nos seus componentes. No entanto, em alguns casos, o celular pode aquecer demais, o que pode causar problemas. 

Algumas razões pelas quais um celular pode aquecer incluem:

Anúncio
  • Aplicações em execução em segundo plano
  • Falhas no sistema operacional
  • Erros em aplicativos ativos
  • Chamadas telefônicas prolongadas
  • Aplicativo que exigem muito do processador
  • Restaurações de sistema a partir de backups
  • Papéis de parede animados em 3D
  • Bateria com defeito
  • Presença de vírus no dispositivo
  • Bluetooth ligado enquanto não está sendo usado
  • Carregamento rápido do celular
  • Versão desatualizada do sistema operacional
  • Componentes internos com erros
  • Gravar vídeos em alta resolução por tempo prolongado
  • Rodar jogos muito pesados
  • Streaming ligado por horas 

O que fazer se se celular está esquentando:

Agora que já sabe os prováveis motivos, vamos ver o que você pode fazer para resolvê-los. Aqui estão algumas dicas para resfriar seu celular quando ele estiver esquentando:

Desligue o celular

Desligar o aparelho por alguns minutos ou ativar o modo Avião por algum tempo, até perceber que ele esfriou, pode ser uma alternativa para resfriá-lo. Isso acontece porque essas ações reduzem o uso de recursos do aparelho, como o processador e a conectividade sem fio, que geram calor durante o funcionamento.

Mantenha o sistema operacional e os aplicativos atualizados

Enquanto o aparelho executa a atualização do software é normal que ele aqueça. Mas assim que concluir a atualização e for reiniciado, o smartphone deverá começar a esfriar. Além disso, as atualizações podem conter correções para bugs, como o próprio problema de aquecimento.

Evite usar o celular enquanto ele estiver carregando

Embora não seja prejudicial para a bateria, usar o celular enquanto carrega não é recomendado. O risco está em quem está a usar o aparelho, pois a mão é uma fonte de calor que pode alterar a temperatura ideal da bateria. Além disso, se uma descarga elétrica ou um raio afetar a corrente de energia que está a ser passada para o aparelho, pode oferecer algum tipo de perigo para quem segura o celular. 

Outras consequências de usar o celular enquanto carrega incluem:

  • O carregamento demora mais
  • O celular aquece mais
  • O aparelho pode aquecer ainda mais se estiver a fazer tarefas mais pesadas, como assistir vídeos ou jogar 

Evite deixar muitos apps abertos em segundo plano

Se não estiverem em uso, os aplicativos abertos tendem consumir mais bateria e consequentemente, podem ajudar no aquecimento do celular, melhor fechá-los. Bluetooth, dados móveis, GPS são funções que consomem muitos recursos, portanto, uma boa é desativá-las quando não estiverem em uso.

Também em relação ao uso de apps, evite usar aplicativos pesados por muito tempo. Eles exigem mais do processador e da memória do celular, como jogos com gráficos avançados ou aplicativos de edição de vídeo, podem fazer com que o aparelho aqueça mais.

Anúncio

Isso ocorre porque esses aplicativos consomem mais recursos e energia, gerando mais calor durante o uso. É importante dar pausas regulares ao usar esses tipos de apps para permitir que o celular esfrie.

Diminua o brilho da tela ou use o modo de economia de energia

Deixar a tela do celular com muito brilho pode superaquecer os componentes do aparelho. Quanto maior o poder de processamento do celular, mais energia e calor são gerados. Por isso, se você estiver assistindo a um filme ou jogando com a tela no brilho máximo, o celular vai esquentar. 

Fora que esse hábito é prejudicial à visão. Se já ficamos muito tempo com os olhos grudados nas telas, o brilho intenso só vai prejudicar ainda mais.

Remova a capinha do celular para ajudar a dissipar o calor

Principalmente ao carregar o aparelho, a capa deve ser retirada. Remover a capinha durante o carregamento é uma medida preventiva que ajuda a evitar o superaquecimento. Sem ela, o calor gerado durante o carregamento é dissipado de forma mais eficaz, mantendo o smartphone dentro da faixa de temperatura segura.

Anúncio

Além do que, muitas vezes a capa camufla o superaquecimento, o aparelho está esquentando e você não percebe porque a capa bloqueia a saída do calor.

Não use carregadores sem procedência

Carregadores não originais podem resultar em aquecimento acima do normal, aumentar o tempo médio de recarga, redução do tempo de vida útil da bateria e até danos aos smartphones, como curtos-circuitos.

O processo de carregamento aquece o aparelho, o que enfraquece a performance da bateria e pode provocar danos também a outros componentes do celular. É importante destacar que os acessórios devem ser os originais e/ou de boa qualidade. Isso se aplica também aos cabos.

Mantenha o celular longe do sol e de fontes de calor

Celular esquentando demais, saiba se pode colocá-lo dentro da geladeira

O calor do sol pode danificar o seu smartphone, estragando componentes como o plástico exterior, o cristal líquido da tela LCD e os chips de metal. O sobreaquecimento da bateria também pode encurtar a sua vida útil de forma permanente. 

Outras consequências da exposição ao sol incluem:

Anúncio
  • Distorção das cores, danos aos pixels e falhas permanentes na tela
  • Perda de dados, se não tiver feito um backup previamente
  • A bateria pode inchar e até arrebentar, que pode arrebentar também a tela, partir a placa ou incendiar-se 

Para proteger o seu celular, deve evitar deixá-lo exposto ao sol, especialmente por longos períodos. Se estiver na praia ou em outro local aberto, pode guardá-lo numa bolsa ou mochila em um local com sombra.

Aplicativos para resfriamento do celular

Os aplicativos para resfriar o celular podem ser úteis, mas nem sempre são necessários. Eles podem reduzir a temperatura do dispositivo indiretamente, sugerindo que você encerre aplicações que não estão sendo utilizadas, mas que continuam consumindo muita memória ou bateria. O uso excessivo de memória, bateria e processamento pode fazer com que os componentes do smartphone aqueçam e descarreguem a bateria mais rapidamente. 

No entanto, os sistemas Android e iOS já têm recursos básicos para gerir a bateria e a memória, e, consequentemente, a temperatura do celular. Estes recursos costumam ser encontrados na área de “Configurações” ou “Ajustes” de cada sistema. 

Por exemplo, o aplicativo “Resfriador de Celular” pode detectar serviços pesados que consomem demasiadamente a CPU do dispositivo e encerrar as suas atividades para que eles não esquentem em excesso o smartphone. O programa também tem funções de liberar memória RAM do celular e acelerar o sistema operacional.

 Se o problema persistir, pode ser uma boa ideia levar o aparelho a um técnico para verificar se há algum problema interno. 

Anúncio

Dicas bônus

Imagem mostra o que pode acontecer quando o celular está esquentando, a bateria pode explodir

Para evitar problemas, é importante:

  • Nunca abafar o celular durante o carregamento
  • Não deixar o aparelho de baixo de um travesseiro, cobertor ou até mesmo do seu corpo enquanto ele estiver na tomada
  • Quando for dormir, deixe o aparelho longe de você e de objetos inflamáveis
  • Observar se a bateria está esquentando mais e por mais tempo que o normal durante o carregamento
  • Se perceber uma ondulação, que ela está inchada, muito cuidado. Tem que levar para revisão, porque ela poderá explodir 

O post Celular esquentando? Veja o que fazer (ou não) para esfriá-lo apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Tecnologia

Deepfake em eleições já é real: entenda caso de multa de candidato em MS

Redação Informe 360

Publicado

no

Um candidato à prefeitura de uma cidade do Mato Grosso do Sul foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-MS) após ser considerado responsável por uma deepfake sobre o atual prefeito e seu opositor político. O caso aconteceu em Costa Rica, município de 26 mil habitantes. 

Leia mais

  • IA e desinformação representam riscos globais, diz pesquisa
  • Eleições 2024 e a era dos deepfakes com IA
  • Autoridades alertam para uso de IA influenciando nas eleições dos EUA

Entenda caso de multa de candidato em MS por deepfake

Waldeli dos Santos Rosa terá que pagar R$ 10 mil como multa. No vídeo modificado, Cleverson Alves Santos, prefeito de Costa Rica e candidato a prefeitura, supostamente compara a população do município com cachorros. 

O colaborador de Waldeli dos Santos Rosa, Matheus da Silva, também teve punição por ter produzido o vídeo manipulado por meio de inteligência artificial. O Partido Progressista que deu início a ação afirma que a deepfake foi compartilhada em um grupo de WhatsApp pelo colaborador. O partido também acusa Rosa de propaganda eleitoral antecipada.

Por sua vez, o candidato à Prefeitura de Costa Rica alega que não foi o responsável pela propagação do conteúdo falso. Defendeu que o vídeo em questão não se enquadra como deepfake e que não existem evidências de seu envolvimento no caso. Essa é a terceira representação julgada procedente que desfavorece Rosa.

Anúncio
eleitoral ia
Imagem: Tero Vesalainen / Shutterstock.com

Matheus da Silva, que levou multa de R$ 5 mil, também nega as acusações e diz que há falta de provas sobre sua autoria. Segundo ele, o vídeo não é propaganda eleitoral porque o áudio sobreposto ao vídeo seria verdadeiro e trouxe palavras proferidas pelo prefeito. 

A juíza Lais de Oliveira Ferneda, responsável pelo caso, julgou que o vídeo foi manipulado e divulgado com o nítido propósito de confundir a população de Costa Rica. Ela observa que o áudio e as imagens do vídeo estão dessincronizados, mas isso não impede o potencial da deepfake de induzir ao erro.

Ferneda rejeita a argumentação de que o prefeito haveria, de fato, dito aquelas palavras como defende Matheus da Silva. Segundo a juíza, o uso da voz de Santos – ou uma que se assemelha muito – mostra a aplicação da inteligência artificial. 

“Embora estejamos longe das eleições, a utilização de conteúdos desta estirpe atinge um número significativo de pessoas, e como tal, podem deturpar a regularidade do futuro processo eleitoral, contaminando a percepção dos eleitores”, declarou a magistrada.

Montagem misturando bandeira do Brasil com linhas de código de programação para ilustrar conceito de cibersegurança no país
(Imagem: Mehaniq/Shutterstock)

Regulação de deepfakes no TSE

O uso de IA para criar e propagar conteúdos falsos sobre candidatos tem sido uma das grandes preocupações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para as eleições de 2024. Em fevereiro deste ano, o órgão regulamentou de maneira inédita a aplicação da tecnologia em propagandas políticas.

Ao alterar a Resolução nº 23.610/2019, que trata da propaganda eleitoral, o TSE incluiu algumas novidades. Entre elas, a proibição das deepfakes. De acordo com a resolução, caso um candidato use essa tecnologia poderá ter o registro ou mandato cassado. 

Anúncio

O post Deepfake em eleições já é real: entenda caso de multa de candidato em MS apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Tecnologia

Tratamento promissor pode curar a calvície associada à alopecia

Redação Informe 360

Publicado

no

Cientistas de Harvard desenvolveram um novo tratamento promissor para reverter a queda de cabelo associada à alopecia. A pesquisa foi publicada na revista científica Advanced Materials.

O tratamento usa adesivos indolores de microagulhas carregados com uma substância reguladora do sistema imunológico. O medicamento conseguiu fazer crescer cabelo em ratos com alopecia em poucas semanas.

Leia mais:

  • Solução para calvície pode estar nas… toupeiras! Entenda
  • Startup quer usar camundongos para cultivar cabelos para implantes
  • Uso de canela pode ajudar em tratamento contra a calvície

Ao contrário de outras formas de queda de cabelo, a alopecia areata é uma doença autoimune. Por razões que não são claras, as células T começam a atacar erroneamente os folículos, fazendo com que o cabelo caia em manchas.

Alguns pacientes terão episódios únicos de crescimento posterior do cabelo, enquanto outros terão queda de cabelo intermitente ao longo da vida e, para alguns, é um sintoma permanente.

Anúncio
Novo tratamento pode auxiliar pacientes com alopecia. Imagem: Kolabava Nadzeya/Shutterstock

Curiosamente, o crescimento do cabelo tem sido um efeito colateral de pacientes com alopecia que recebem medicamentos imunossupressores para outras condições, como eczema e artrite.

Mas estes, juntamente com outros medicamentos que tratam a alopecia suprimindo o sistema imunológico, parecem apenas trazer benefícios temporários – assim que o tratamento é interrompido, o cabelo cai novamente.

Isso pode ocorrer porque a substância não tem como alvo apenas as células T que atacam os folículos, mas também as células que os mantêm sob controle, chamadas de T-regs. Além disso, suprimir o sistema imunológico deixa os pacientes vulneráveis ​​a infecções.

Como os cientistas criaram o tratamento que combate a calvície

  • Neste novo estudo, os pesquisadores investigaram como aumentar os níveis de T-regs sem suprimir outras células do sistema imunológico.
  • A equipe combinou dois componentes que ajudam nesse objetivo em um único medicamento: CCL22, que atrai quimicamente T-regs para um local, e IL-2, que os amplifica.
  • Estes foram então carregados em um adesivo de microagulhas que pode ser aplicado na área afetada.
  • Como o nome sugere, os adesivos de microagulhas são feitos de pequenas agulhas que administram um medicamento diretamente na pele.
  • Eles podem atingir mais profundamente do que um creme tópico, são mais eficazes, mas como não atingem a profundidade suficiente para atingir os receptores da dor, também são indolores.

Os pesquisadores testaram o tratamento em modelos de camundongos com alopecia, aplicando os adesivos 10 vezes durante três semanas e depois observando-os por mais oito semanas.

O cabelo começou a crescer novamente em apenas três semanas e foi sustentado durante o período de observação. As vias inflamatórias também foram atenuadas.

Calvície causada pela alopecia pode ter uma potencial cura – Crédito: Oleg Elkov/Shutterstock

Os pesquisadores testaram o tratamento em modelos de camundongos com alopecia, aplicando os adesivos 10 vezes durante três semanas e depois observando-os por mais oito semanas.

O cabelo começou a crescer novamente em apenas três semanas e foi sustentado durante o período de observação. As vias inflamatórias também foram atenuadas.

Anúncio

Para garantir que a melhoria não se devesse apenas ao método de administração, os pesquisadores também testaram o carregamento dos adesivos de microagulhas com baricitinibe, um medicamento para alopecia aprovado pela FDA (Food and Drug Administration, que funciona como a Anvisa nos EUA). Isso, no entanto, não teve um desempenho tão bom quanto o medicamento testado antes.

Como um bônus adicional, os adesivos de microagulhas têm boa estabilidade de validade, tornando-os mais adequados para uso clínico. A equipe afirma que eles também poderiam ser investigados para tratar outras doenças autoimunes da pele, como vitiligo e psoríase. Desenvolvimento e testes adicionais estão em andamento.

O post Tratamento promissor pode curar a calvície associada à alopecia apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta