Ligue-se a nós

Internacional

Unesco documenta 759 ataques a jornalistas em eleições em 70 países

Redação Informe 360

Publicado

no

A violência contra jornalistas que atuam na cobertura de processos eleitorais é um fenômeno global e se alastrou ao longo dos últimos três anos em dezenas de países. É o que aponta um relatório da Organização das Nações Unidas para Ciência, Educação e Cultura (Unesco), divulgado nesta quinta-feira (2), data que marca o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade dos Crimes contra Jornalistas.

De acordo com a agência especializada da ONU, entre 2019 e 2022 foram registrados 759 ataques contra jornalistas durante 89 eleições em 70 países. Os casos de violência incluem agressões, assassinatos, ataques digitais, prisões arbitrárias e a obstrução do trabalho dos profissionais de mídia, com ameaças ou destruição de equipamentos.

“Não é algo que está localizado em uma região específica ou país específico. Foram muitos processos eleitorais, ao longo desse período, onde nós verificamos que os jornalistas que estavam fazendo um trabalho fundamental para garantir eleições livres e justas tiveram seu trabalho impedido ou dificultado em função dessa violência que a Unesco documentou”, afirmou o chefe da seção de Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas da agência, Guilherme Canela, em entrevista à agência de notícias da ONU.

Ao todo, 42% dos ataques foram perpetrados por agentes da lei, e 29% das vítimas eram mulheres. Canela destaca que os ataques digitais têm foco sobre mulheres jornalistas em todo o mundo.

“Superano eleitoral”

Se nos últimos três anos, a Unesco documentou violência contra jornalistas em todo o planeta, o ano de 2024 é especialmente preocupante porque concentrará processos eleitorais em 81 países, no que está sendo chamado de “superano eleitoral”.

Anúncio

Em 2024, o mundo terá 81 países realizando eleições. Por isso, neste 2 de novembro, a ONU marca o Dia internacional do Fim da Impunidade por Crimes contra Jornalistas destacando os riscos que esses profissionais enfrentam durante processos eleitorais.

“A Unesco está dizendo: olha, nós estamos documentando que há uma tendência de que a violência contra jornalistas cresça durante processos eleitorais. Então, já sabendo disso de antemão, com evidências muito concretas, façamos um esforço genuíno para que, no próximo ano, a cobertura dos processos eleitorais possa se dar de maneira pacífica e que os jornalistas possam fazê-la com profissionalismo e independência nesse super ano eleitoral de 2024”, apontou Canela.

Recomendações

Em um documento sobre o papel dos agentes de aplicação da lei e a segurança dos jornalistas, a Unesco enumera uma série de recomendações para equilibrar a liberdade de imprensa em contextos de manutenção da ordem pública. Entre as medidas, está o estabelecimento de um relacionamento “bom e profissional” entre agentes da lei e meios de comunicação, facilitação de acesso e do trabalho dos jornalistas, garantia de segurança e ambiente de trabalho seguro e realização de treinamentos desses agentes de segurança.

Fonte: Agencia Brasil – Edição: Juliana Andrade

Anúncio

Internacional

Lula propõe governança global para inteligência artificial

Redação Informe 360

Publicado

no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs, nesta sexta-feira (14), a instituição de uma governança global e representativa para o tema da inteligência artificial, para que seus benefícios sejam “compartilhados por todos”. “As instituições de governança estão inoperantes diante da realidade geopolítica atual e perpetuam privilégios”, disse Lula durante a sessão de engajamento externo da Cúpula do G7, reunião de líderes de sete das maiores economias do mundo.

O evento começou na quinta-feira (13) e vai até amanhã (15) em Borgo Egnazia, na região da Puglia, no sul da Itália. A sessão de trabalho começou com os discursos da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, e do papa Francisco. A fala do presidente Lula e de outros líderes não foi transmitida, mas o texto lido foi divulgado pelo Palácio do Planalto.

Para o presidente brasileiro, os desafios atuais envolvem a condução de uma revolução digital inclusiva e o enfrentamento das mudanças do clima. Nesse sentido, segundo ele, a inteligência artificial pode potencializar as capacidades dos Estados de adotarem políticas públicas para o meio ambiente e contribuir para a transição energética.

“Precisamos lidar com essa dupla transição tendo como foco a dignidade humana, a saúde do planeta e um senso de responsabilidade com as futuras gerações. Na área digital, vivenciamos concentração sem precedentes nas mãos de um pequeno número de pessoas e de empresas, sediadas em um número ainda menor de países. A inteligência artificial acentua esse cenário de oportunidades, riscos e assimetrias”, disse.

Para o presidente, qualquer uso da inteligência artificial deve respeitar os direitos humanos, proteger dados pessoais e promover a integridade da informação. “Uma inteligência artificial que também tenha a cara do Sul Global [países do Hemisférios Sul, considerados em desenvolvimento], que fortaleça a diversidade cultural e linguística e que desenvolva a economia digital de nossos países. E, sobretudo, uma inteligência artificial como ferramenta para a paz, não para a guerra. Necessitamos de uma governança internacional e intergovernamental da inteligência artificial, em que todos os Estados tenham assento”, disse Lula aos líderes.

Anúncio

As cúpulas do G7 costumam contar com a presença de países convidados. Esta é a oitava vez que Lula participa da Cúpula do G7. As seis primeiras ocorreram nos dois primeiros mandatos, entre os anos de 2003 e 2009. Desde então, o Brasil não comparecia a um encontro do grupo. A sétima participação do presidente brasileiro foi no ano passado, na cúpula em Hiroshima, no Japão.

No segmento de engajamento externo deste ano, foram discutidos, entre outros, os temas de inteligência artificial e de energia, bem como a cooperação com a África e no Mar Mediterrâneo. Para Lula, os africanos são parceiros indispensáveis e devem ser considerados no enfrentamento dos desafios globais.

“Com seus 1,5 bilhão de habitantes e seu imenso e rico território, a África tem enormes possibilidades para o futuro. A força criativa de sua juventude não pode ser desperdiçada cruzando o Saara para se afogar no Mediterrâneo. Buscar melhores condições de vida não pode ser uma sentença de morte”, disse, em referência às mortes de migrantes no Mar Mediterrâneo.

“Muitos países africanos estão próximos da insolvência e destinam mais recursos para o pagamento da dívida externa do que para a educação ou a saúde. Isso constitui fonte permanente de instabilidade social e política. Sem agregar valor a seus recursos naturais, os países em desenvolvimento seguirão presos na relação de dependência que marcou sua história. O Estado precisa recuperar seu papel de planejador do desenvolvimento”, acrescentou o presidente.

Anúncio

O G7 é composto por Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido. Além dos membros do grupo, da Santa Sé e do Brasil, foram convidados para a reunião África do Sul, Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Emirados Árabes Unidos, Índia, Jordânia, Mauritânia (representando a União Africana), Quênia e Turquia. Entre os organismos internacionais, os convidados são União Europeia (com status de observadora no G7), Organização das Nações Unidas, Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial, Banco Africano de Desenvolvimento e Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico.

Hoje e amanhã, Lula terá diversos encontros bilaterais com líderes presentes no evento. A previsão é que a comitiva presidencial retorne ao Brasil no domingo (16).

Agencia Brasil – Edição: Juliana Andrade

Anúncio
Continuar Lendo

Internacional

México elege primeira presidente mulher: Claudia Sheinbaum

Redação Informe 360

Publicado

no

O cenário político do México foi marcado por uma mudança histórica nesta semana, segundo informações do Instituto Nacional Eleitoral (INE). Claudia Sheinbaum, apoiada por uma coalizão de partidos, incluindo Morena, Trabalhista e Ecologista Verde, liderou a preferência dos eleitores e será a primeira mulher à frente do governo mexicano.

Os números da Contagem Rápida indicam que Sheinbaum conquistou entre 58,3% e 60,7% dos votos. Esses dados revelam uma vantagem significativa sobre seus adversários, em uma eleição que teve uma participação de 60% a 61,5% do eleitorado, segundo as estatísticas oficiais.

Os resultados fornecidos pelo PREP (Programa de Resultados Eleitorais Preliminares) continuam a ser atualizados, mas a tendência inicial confirmou a liderança de Sheinbaum nas urnas. A apuração distrital, que começará na próxima quarta-feira, é aguardada para confirmar os números finais desta eleição memorável.

Antagonista

Anúncio
Continuar Lendo

Internacional

Trump é o primeiro ex-presidente dos EUA condenado por crime

Redação Informe 360

Publicado

no

Donald Trump é o primeiro ex-presidente dos Estados Unidos a ser condenado em um processo criminal. O veredito de Trump foi lido nesta quinta-feira (30), no Tribunal de Nova York, e reunia 34 acusações criminais de falsificação de registros comerciais — todas das quais ele foi considerado culpado por um júri em Manhattan.

Além da esfera criminal, Trump também responde por processos na esfera civil, de conduta sexual imprópria, difamação e fraude empresarial.

Condenado na esfera criminal

O processo de fraude fiscal o qual o ex-presidente foi condenado envolve o pagamento de um suborno US$ 130 mil à Stormy Daniels, atriz de filmes adultos, com quem Trump teria se envolvido em 2006, para que ela não falasse sobre o suposto caso dos dois.

Os pagamentos à Daniels foram feitos inicialmente por Michael Cohen, ex-advogado de Trump. O ex-presidente teria então reembolsado Cohen com pagamentos mensais por meio da sua empresa, a Trump Organization. Segundo a promotoria, as notas fiscais teriam sido registradas como “despesas legais”. Com isso, ele teria falsificado registros fiscais da empresa.

Anúncio

O silêncio comprado teria, de acordo com os promotores do estado de Nova York, interferido na integridade das eleições presidenciais de 2016, quando Trump foi eleito.

As acusações envolviam 11 faturas, 11 cheques e 12 vouchers.

Donald Trump ainda pode concorrer à presidência?

A sentença do julgamento vai ser dada dias antes do anúncio oficial da candidatura do Partido Republicano à presidência dos EUA. As eleições americanas acontecem em 5 de novembro.

De acordo com a legislação americana, ele ainda pode concorrer. Isso porque a Constituição dos Estados Unidos determina que três requisitos sejam cumpridos para que alguém possa se candidatar ao cargo de presidente. São eles:

Anúncio
  • Ser residente nos EUA há pelo menos 14 anos;
  • Ter pelo menos 35 anos;
  • Seja um cidadão nato dos Estados Unidos.

O que acontece agora

Apesar de ter sido declarado culpado, a pena de Trump só será lida no dia 11 de julho, às 10h, em uma audiência marcada pelo juiz Juan Merchan.

CNN Brasil

Continuar Lendo

Em Alta