Ligue-se a nós

Economia

Salário mínimo para 2021 ficará em R$ 1.067

Redação Informe 360

Publicado

no

A queda da inflação fez o governo reduzir o reajuste do salário mínimo para o próximo ano. Segundo o projeto do Orçamento de 2021, enviado hoje (31) ao Congresso, o mínimo subirá para R$ 1.067 em 2021.

O projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2021, enviado em abril, fixava o salário mínimo em R$ 1.075 para o próximo ano. O valor, no entanto, pode ser revisto na proposta de Orçamento da União dependendo da evolução dos parâmetros econômicos.

Segundo o Ministério da Economia, a queda da inflação decorrente da retração da atividade econômica impactou o reajuste do mínimo. Em abril, a pasta estimava que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) encerraria 2020 em 3,19%. No projeto do Orçamento, a estimativa foi revisada para 2,09%.

A regra de reajuste do salário mínimo que estabelecia a correção do INPC do ano anterior mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos) de dois anos antes perdeu a validade em 2019. O salário mínimo agora é corrigido apenas pelo INPC, considerando o princípio da Constituição de preservação do poder de compra do mínimo.

PIB

O projeto do Orçamento também reduziu as estimativas de crescimento econômico para o próximo ano na comparação com os parâmetros da LDO. A projeção de crescimento do PIB passou de 3,3% para 3,2% em 2021. A previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como índice oficial de inflação, caiu de 3,65% para 3,24%.

Anúncio

Outros parâmetros foram revisados. Por causa da queda da Selic (juros básicos da economia), a proposta do Orçamento prevê que a taxa encerrará 2021 em 2,13% ao ano, contra projeção de 4,33% ao ano que constava na LDO. O dólar médio chegará a R$ 5,11 em 2021, contra estimativa de R$ 4,29 da LDO. Fonte: AgenciaBrasil Edição: Lílian Beraldo

Economia

Campo de Búzios atinge marca de 1 bilhão de barris de petróleo

Redação Informe 360

Publicado

no

Maior em águas ultraprofundas do mundo, o Campo de Búzios, na Bacia de Santos, atingiu no fim de março a marca de 1 bilhão de barris de petróleo produzidos, anunciou nesta segunda-feira (15) a Petrobras.

Em junho do ano passado, Búzios já havia registrado a produção acumulada de 1 bilhão de barris de óleo equivalente – que considera óleo em barris somado à produção de gás natural, convertida para barris equivalentes de óleo (boe). Agora, a cifra inclui apenas a produção de petróleo.

O campo é operado pela estatal brasileira em consórcio com a Pré-Sal Petróleo (PPSA) e as chinesas CNOOC e CNODC. Búzios começou a ser operado em 2018 e tem produção em cinco unidades, os FPSOs (navios-plataformas) P-74, P-75, P-76, P-77 e Almirante Barroso.

Para dar uma ideia da dimensão do campo, a Petrobras explica que a espessura de seu reservatório tem a mesma altura que o Pão de Açúcar, e sua extensão corresponde a mais que o dobro que a Baía de Guanabara. O campo está localizado a 180 km da costa, e a mais de 2 mil metros de profundidade.

Expansão

Búzios é considerado o maior campo de petróleo do mundo em águas ultraprofundas em extensão e em reservas. Apesar disso, ele ainda não é o campo mais produtivo do Brasil, posição que é ocupada pelo Campo de Tupi, que respondeu por um quarto (25%) da produção marítima de óleo e gás do Brasil no ano passado, segundo a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), enquanto a fatia de Búzios no total foi de cerca de 18%.

Anúncio

A Petrobras explica que Tupi supera Búzios porque entrou em operação há mais tempo, mas a tendência é que isso mude. Segundo a ANP, em 2023, a produção de petróleo do Campo de Búzios aumentou 10,28%, enquanto a do Campo de Tupi caiu 3,5%. 

A empresa projeta ainda um aumento na produção no Campo de Búzios, com novos sistemas de produção que serão instalados nos próximos anos. A capacidade do campo será elevada para a casa dos 2 milhões de barris de óleo por dia até 2030.

Edição: Valéria Aguiar Via Agencia Brasil

Anúncio
Continuar Lendo

Economia

Irã x Israel: mercado do petróleo ‘ignora’ conflito e preço cai na manhã desta segunda-feira

Redação Informe 360

Publicado

no

Os preços futuros do petróleo bruto dos EUA começam a semana com os investidores respirando aliviados depois que Israel se defendeu de um ataque aéreo em grande escala do Irã no sábado. Washington reafirmou seu apoio a Israel, mas disse que não irá entrar no confronto e apelou para que se evite uma guerra ampla no Oriente Médio.

O contrato do West Texas Intermediate (WTI, um fluxo de petróleo bruto produzido no Texas e no sul de Oklahoma e usado como referência na precificação da commodity) para maio estava avaliado em US$ 84,75 por barril, no início das negociações desta segunda-feira. Os contratos futuros do Brent para junho caíram ligeiramente para US$ 89,65 por barril.

Na sexta, o petróleo bruto dos EUA fechou em US$ 85,66 por barril, enquanto o benchmark global ficou em US$ 90,45. Os futuros do WTI começaram o ano em torno de US$ 71 por barril.

O mercado de petróleo bruto está agora se preparando para a resposta do governo de Netanyahu ao ataque e se isso marca o início de uma guerra direta entre Israel e o Irã, de acordo com Jorge Leon, vice-presidente sênior da Rystad Energy, ao canal CNBC.

Anúncio

“Na pior das hipóteses, uma retaliação enérgica por parte de Israel poderia desencadear uma espiral de escalada, potencialmente levando a um conflito regional sem precedentes”, disse Leon no domingo a. “Em tais circunstâncias, os riscos geopolíticos aumentariam significativamente.”

O Irã é o sétimo maior produtor de petróleo do mundo, segundo dados do US Energy Information Administration, um centro de estudos e análises independente.

O gabinete de guerra de Israel volta a se reunir nesta segunda-feira para discutir possíveis retaliações contra o Irã. Até então, não havia sido acordada nenhuma medida, segundo fontes ouvidas pela rede Al Jazeera.

Havia uma ordem para que escolas suspendessem as atividades nesta segunda-feira (dia 15), sob o risco de novas ofensivas. O governo, porém, voltou atrás e anunciou que as instituições poderiam reabrir. A mudança pode ser avaliada como um indicativo de que uma resposta israelense não deve acontecer no curto prazo.

Anúncio

Colaborou* Exame

Continuar Lendo

Economia

Feira do Pescado bate recorde de público e de vendas em Campos

Redação Informe 360

Publicado

no

A Feira do Pescado, na Rua Antônio Alves Cordeiro, conhecida como Rua das Palmeiras, é um sucesso. Entre quarta (27) e quinta-feira (28) foram vendidas mais de duas toneladas de peixes, um total de R$ 100 mil. A feira é uma realização da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pecuária e Pesca, contando ainda com a participação da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (FIPERJ).

A novidade deste ano é a doação de peixes ornamentais para as crianças. E quem garantiu um foi o pequeno Leon Pessanha, de 3 anos. Ele estava acompanhado do pai, o mecânico Leonardo Cunha. “Nunca vi tanta variedade de peixes em um único espaço”, afirmou.

Quem garantiu boa quantidade de cação para fazer uma moqueca foi a assessora parlamentar Juliana Cordeiro. “Minha primeira vez aqui na feira e está muito organizada”, ressaltou.

Segundo a pescadora profissional Verônica da Silva, cuja atividade pesqueira é desenvolvida na Praia do Farol de São Tomé, esta é a primeira vez que participa da Feira do Pescado. “No primeiro dia já deu bastante gente e às 10h de ontem eu já não tinha mais peixes para vender. Vendi tudo. No próximo ano voltarei a marcar presença na feira, pois é a garantia que vamos obter uma boa renda extra”, comentou.

Fonte: Secom/PMCG – Por: Telmo Filho – Foto: Telmo Filho / Divulgação

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta