Ligue-se a nós

Saúde

Como a OMS está se preparando para uma próxima pandemia?

Redação Informe 360

Publicado

no

Dados oficiais de governos e de instituições de saúde do mundo todo estimam que quase 7 milhões de pessoas morreram por causa da Covid-19. É um número assustador, assim como foi acompanhar UTIs lotadas e hospitais e profissionais sobrecarregados durante a fase mais crítica da doença.

Passados 4 anos do primeiro registro, como será que a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maior entidade do planeta nesse assunto, está lidando com a pandemia? Será que o grupo já espera uma próxima?

Muitos cientistas não falam mais em “se”, mas sim em “quando” veremos uma nova pandemia. Isso por causa da população global elevada e das concentrações populares em grandes centros e metrópoles.

Leia mais

Anúncio

Diante disso, a OMS está se preparando, sim, para novos casos. E o Olhar Digital fala sobre essas ações agora.

O que a OMS está fazendo?

Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde
Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS – Imagem: Naresh111/Shutterstock
  • A entidade tomou duas atitudes recentes importantes na prevenção de um novo surto global de uma doença.
  • Primeiro, anunciou um fundo de financiamento de US$ 4 milhões para iniciativas da chamada Rede Internacional de Monitoramento de Patógenos.
  • Essa rede busca sequenciar o gene de vírus e bactérias que podem causar infecções em seres humanos.
  • Segundo o anúncio, os fundos serão direcionados principalmente para organizações de países subdesenvolvidos, para que possam monitorar de perto possíveis ameaças para a saúde pública.
  • A OMS também formou um grupo para discutir o que eles chamaram de “Doença X”, um nome fictício para o que pode vir a ser uma nova doença que pode virar pandemia.
  • A ideia desse grupo é criar um tratado internacional para garantir maior troca de informações entre governos, organismos internacionais e empresas.
  • A proposta, porém, enfrenta resistência, principalmente da indústria farmacêutica, que poderia perder dinheiro com o compartilhamento de informações.
  • Esse é o ponto central da ideia: que haja uma maior cooperação global para melhorar os sistemas de alerta e o compartilhamento de informações sobre questões de saúde, além da distribuição mais justa de recursos.
  • As discussões lideradas pela OMS estão na nona rodada e o objetivo é alcançar um consenso sobre o texto até maio, quando está marcada a assembleia-geral da entidade.
Imagem: Kateryna Kon/Shutterstock

Especialista defende ações da OMS

Para Ester Sabino, imunologista e professora da Faculdade de Medicina da USP, o monitoramento de patógenos é essencial para que o mundo não seja pego desprevenido como foi da última vez:

“O sequenciamento é importante, porque ele dá alguns dados a mais sobre os agentes: qual é a linhagem, se existem variações importantes que estão fazendo com que esse agente adquira novas capacidades e também para saber se estão mudando as regiões em que a vacina deve produzir anticorpos”, disse a médica.

Ester Sabino explicou ainda que isso é importante tanto para vírus, como também para bactérias – já que as superbactérias, resistentes a antibióticos, são outra preocupação das autoridades de saúde.

Agora, a professora destaca que apenas monitorar os patógenos não é suficiente. Nesse aspecto, ela defende o compartilhamento de informações:

“Sequenciar só por sequenciar não adianta, tem que se inserir dentro de um processo. É preciso um sistema de informações que indique se alguma coisa está mudando”, explicou.

Anúncio

Ester Sabino ficou famosa em 2020 por liderar a equipe que sequenciou os genes do SARS-CoV-2, o coronavírus causador da Covid-19. Ou seja, ela entende mesmo do assunto.

As informações são do Jornal da USP.

O post Como a OMS está se preparando para uma próxima pandemia? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio
Continuar Lendo
Anúncio

Saúde

Como é possível uma pessoa com Alzheimer não ter sintomas?

Redação Informe 360

Publicado

no

Recentemente, um estudo relatou doze casos assintomáticos de Alzheimer. O Olhar Digital noticiou a descoberta que vem tirando o sono de alguns cientistas. Em busca do porquê alguns cérebros com sinais da doença não apresentam sintomas, pesquisadores investigaram se os genes poderiam ter alguma relação com o fenômeno e encontraram uma evidência interessante.

A pesquisa foi publicada na revista Acta Neuropathologica Communications.

O que está por trás dos casos de Alzheimer assintomático?

  • O Alzheimer se origina do acúmulo de certas proteínas – amiloide e tau – no cérebro, que se tornam tóxicas para os neurônios. Assim eles começam a se deteriorar e morrer, causando os sintomas comuns da doença, como a perda de memória.
  • Em algumas pessoas, existe um nível elevado dessas proteínas no cérebro, mas os sintomas não aparecem.
  • Para descobrir o mistério do Alzheimer assintomático, cientistas analisaram o cérebro de três grupos de pessoas: aquelas que faleceram de Alzheimer, aquelas que faleceram por causas naturais e pessoas que eram assintomáticas.
  • No grupo chamado de “resilientes”, ou seja, sem sintomas, eles detectaram maior atividade de genes que operam no sistema imunológico.
  • Nosso sistema imune também é responsável por eliminar o excesso de proteínas do cérebro. Genes que aumentam sua força de combate provavelmente evitaram um acúmulo muito grande de proteínas.
  • Portanto, a genética pode ser o fator que está impedindo a progressão da condição e o aparecimento dos sintomas do Alzheimer.

Leia mais:

É possível atrasar os sintomas do Alzheimer sem ter os genes especiais

Segundo Michael Hornberger, professor de pesquisa aplicada em demência da Universidade de East Anglia, existe um modo de tornar o seu cérebro mais resistente ao Alzheimer, mesmo sem ter os genes do sistema imune fortalecidos.

A ciência já tem indícios suficientes para respaldar a afirmação: ter hábitos mais saudáveis pode diminuir a chance de desenvolver a doença. Por exemplo, ficou demonstrado que a atividade física reduz o risco de desenvolver Alzheimer, provavelmente devido ao seu efeito benéfico no sistema imunológico, ajudando a eliminar proteínas nocivas no cérebro.

O Olhar Digital já falou disso por aqui também. Alguns pacientes com Alzheimer relataram melhora nos sintomas depois que adotaram um estilo de vida mais saudável.

Anúncio

As informações deste texto foram originalmente descritas pelo pesquisador em um artigo publicado na revista The Conversation.

O post Como é possível uma pessoa com Alzheimer não ter sintomas? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Dinamarca proíbe venda de miojo; marca é vendida no Brasil

Redação Informe 360

Publicado

no

A agência alimentar da Dinamarca fez o recall do macarrão instantâneo sul-coreano produzido pela Samyang Foods, alegando que os produtos são excessivamente apimentados e poderiam causar “envenenamento agudo”.

Três versões do produto foram recolhidos, após serem avaliados como tendo níveis perigosos de capsaicina, o componente ativo da pimenta-malagueta, conforme informado pela Administração Veterinária e Alimentar Dinamarquesa em comunicado na última terça-feira.

Os três sabores são o Buldak 3x Spicy & Hot Chicken, 2x Spicy & Hot Chicken e o Hot Chicken Stew, que foram retirados de venda na Dinamarca. Os produtos são comercializados aqui no Brasil, e podem ser encontrados em mercados ou em lojas de produtos asiáticos.

O nível em um único pacote de macarrão era “tão alto que representa um risco de o consumidor desenvolver intoxicação aguda. Se você possui os produtos, deve descartá-los ou devolvê-los à loja onde foram adquiridos”, disse o órgão dinamarquês.

Produto proibido na Dinamarca pode ser encontrado para venda no Brasil – Imagem: Zety Akhzar/Shutterstock

Crianças são “grupo de risco” de intoxicação pelo macarrão apimentado

  • O órgão emitiu um alerta especial contra crianças que comem macarrão, pedindo aos pais a entrar em contato com uma linha de especialistas de intoxicação caso seus filhos parecessem apresentar “sintomas agudos”.
  • Os produtos da Samyang são extremamente populares no exterior, com o lucro operacional da empresa atingindo um recorde de mais de US$ 110 milhões em 2023.
  • A empresa disse que foi a primeira vez que os seus produtos foram recolhidos por serem considerados apimentados em excesso.
  • Ainda segundo a Samyang, seria útil compreender melhor as regulamentações locais nos mercados de exportação.
Alimentos com picância excessiva podem causar problemas de saúde – Imagem: Kharisma Padmanegara/Shutterstock

O post Dinamarca proíbe venda de miojo; marca é vendida no Brasil apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Saúde

Seu corpo pode ter órgãos extras e você não sabe

Redação Informe 360

Publicado

no

Na grande maioria das vezes, o corpo humano vai ter o número correto de órgãos e estruturas que precisamos para funcionar. Mas, às vezes, a genética faz com que as pessoas tenham órgãos extras. Dentes, dedos das mãos, pés e mamilos a mais podem ocorrer em alguns casos.

Estudos nos passado já puderam mostrar que até 1% da população nasce com dedos das mãos ou dos pés a mais, enquanto cerca de 1% nasce com dentes adicionais. Quando falamos de um mamilo extra, a chance sobe para 6%.

Leia mais:

No entanto, o que muita gente não imagina é que estas não são as únicas partes do corpo humano que podem ser desenvolvidas além do normal. Algumas pessoas nascem com ossos, órgãos ou genitálias extras que eles podem nem saber que possuem, como explica artigo do The Conversation.

Pessoas podem ter costelas extras

  • As costelas supranumerárias são normalmente vistas em dois locais: no pescoço ou na região lombar (parte inferior das costas);
  • Estima-se que 1% da população tenha uma costela extra – embora, quando se trata de costela extra no pescoço, possa estar perto de 4,5%
  • A costela extra pode ocorrer em um ou ambos os lados da coluna.

Uma costela extra geralmente não causa problemas e só é descoberta acidentalmente durante radiografia ou imagem para outra condição – embora possa causar danos se comprimir nervos e vasos sanguíneos vizinhos.

Se isso acontecer no pescoço, pode causar dor, dormência e formigamento nos braços. Na região lombar, costelas adicionais podem causar dores nas costas.

Anúncio

Um baço extra também é surpreendentemente comum e pode ocorrer entre 19% e 30% das pessoas. Eles são normalmente encontrados perto do baço principal, mas, em algumas circunstâncias, podem ser arrastados para dentro da pélvis.

O fígado é o maior órgão do abdômen, composto por quatro partes diferentes (lóbulos). Relata-se que menos de 1% das pessoas nascem com um lóbulo acessório do fígado – embora esse número possa ser maior, já que essa condição geralmente não causa nenhum sintoma.

Ter parte extra do fígado não causa sintomas, portanto, você pode ter e não sabe! (Imagem: Explode/Shutterstock

A maioria das pessoas que tem um lóbulo hepático adicional só o descobre acidentalmente – durante cirurgia ou exames de imagem para condição diferente. Há casos em que o lóbulo extra causa torção após trauma contuso. Isso corta o suprimento de sangue e requer cirurgia de emergência.

Rins supranumerários também podem ocorrer – embora isso seja incrivelmente raro, com menos de 100 casos relatados registrados. Novamente, isso pode ocorrer porque eles tendem a não causar problemas de saúde.

Anúncio

O que é mais comum, entretanto, é ter um “rim duplex” – onde há tubo adicional vindo do rim que conecta a bexiga. Até 6% da população tem um.

Quando falamos de genitália, há uma série de anomalias nessa área que podem acontecer. Isto se deve ao fato de que os testículos e os ovários se desenvolvem em ambos os lados do corpo.

O útero duplo ocorre em cerca de 0,3% das mulheres, ocorrência muito rara. Cada útero pode ter seu próprio colo do útero e vagina (ou pode compartilhar uma vagina).

Cada útero é geralmente capaz de carregar um feto saudável ao mesmo tempo – embora um útero duplo tenha sido associado a maior risco de aborto espontâneo, parto prematuro, parto pélvico e nado-morto.

Anúncio
Ilustração de mutação genética
Alguns órgãos extras são mais raros de ocorrer do que outros (Imagem: Rost9/Shutterstock)

Ovários adicionais também podem ocorrer em casos raros. Frequentemente, eles são encontrados na parte superior do abdômen ou ao redor dos rins, onde podem se tornar tumores.

Nos homens, o fenômeno, chamado de difalia – nascer com dois pênis – ocorre em um em cada cinco a seis milhões de nascimentos. Cada caso é único, com tamanhos, formatos e funcionalidades variados.

Recentemente, foi até relatado que uma criança nasceu com três pênis (trifalia) – embora apenas um tivesse todos os tubos necessários para urinar.

Testículos supranumerários (poliorquidismo) também podem ser observados, sendo três unidades a anomalia mais comum – com o extra geralmente presente no lado esquerdo. Ao longo da história, houve apenas sete casos relatados de uma pessoa que nasceu com quatro testículos.

Anúncio

Testículos adicionais não causam problemas, a menos que não tenham descido para o escroto, o que está associado a risco aumentado de câncer testicular. Já as bexigas duplas são duplicação incrivelmente rara, com apenas 50 casos conhecidos.

O post Seu corpo pode ter órgãos extras e você não sabe apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta