Ligue-se a nós

Saúde

China descobre novo vírus da gripe com potencial de causar pandemia

Redação Informe 360

Publicado

no

Uma cepa do vírus da gripe suína se tornou predominante em porcos na China e tem potencial para se espalhar para os seres humanos e se tornar outra pandemia, afirmam os pesquisadores.

Especialistas da Academia Chinesa de Ciências dizem que os porcos são um “principal hospedeiro intermediário” ou “vaso de mistura” para vírus que se espalham de animais selvagens para humanos.

A equipe de pesquisa chinesa estuda surtos de gripe suína em fazendas de suínos em todo o país e afirma que a última cepa pode passar para os seres humanos.

Confirma-se que apenas duas pessoas pegaram o vírus, apelidado de G4 EA H1N1, desde o primeiro surto em 2016, mas os pesquisadores dizem que ele é ‘altamente adaptado‘ para infectar seres humanos. Nos dois casos, relatados em 2016 e 2019 e confirmados como vírus EA H1N1 do tipo G4, os pacientes tinham 46 e 9 anos, segundo os autores.

Anúncio

Os pesquisadores pediram o monitoramento das fazendas e das pessoas que trabalham nelas ou perto delas, pois a transmissão adicional pode fazer com que o vírus ‘se adapte e se torne uma pandemia’.

A pesquisa epidemiológica descobriu que os dois pacientes tinham vizinhos que criavam porcos, sugerindo que o vírus G4 EA poderia transmitir de suínos para humanos e levar a infecções graves e até a morte“, informa o estudo.

Os pesquisadores não entraram em detalhes sobre os sintomas, já que o vírus não se espalhou amplamente em seres humanos. No entanto, em testes do vírus em furões, eles encontraram sintomas como febre, espirros, chiados e tosse eram comuns.

George Gao, Jinhua Liu e colegas isolaram 179 vírus de porcos em 10 províncias da China de 2011 a 2018 para estudar os riscos que eles representam para os seres humanos.

Anúncio

Eles descobriram que, desde 2016, a maioria dos vírus encontrados em porcos de criação exibia características que você esperaria se pudesse pular para humanos e desencadear uma pandemia.

Eles também descobriram que, de 300 amostras colhidas de criadores de suínos em 15 fazendas diferentes, apenas 10,4% possuíam anticorpos contra essa cepa do vírus.

Isso significa que o vírus apresenta uma chance particularmente forte de propagação da pandemia – embora eles não tenham dito se seria tão grave quanto a Covid-19 ou pior.

Eles dizem que medidas para controlar esse vírus em porcos e monitorar de perto as populações trabalhadoras devem ser rapidamente implementadas para evitar a propagação futura.

Anúncio

“Todas essas evidências indicam que o vírus G4 EA H1N1 é um problema crescente em fazendas de suínos, e a circulação generalizada de vírus G4 em porcos aumenta inevitavelmente sua exposição aos seres humanos”, escreveram os autores do estudo.

O professor James Wood, chefe do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Cambridge, disse que a criação de suínos é uma indústria maciça na China.

“Os autores realizaram uma investigação completa sobre os riscos dos vírus emergentes da gripe suína na China e mostram que há evidências de que eles podem representar um risco para a saúde humana”, disse ele.

Ele disse que é particularmente notável que eles descobriram que o vírus pode se replicar nas células humanas e que já podem estar infectando alguns criadores de porcos.

Anúncio

Outro aspecto assustador da descoberta, segundo o professor Wood, é que ‘as vacinas atuais podem não proteger adequadamente contra elas‘.

“O trabalho é um lembrete salutar de que estamos constantemente em risco de um novo surgimento de patógenos zoonóticos e de animais de criação”, disse ele.

Wood acrescentou que, quando entramos em contato com a vida selvagem com mais frequência, esses animais de criação “podem atuar como fonte de importantes vírus pandêmicos”.

Alice Hughes, professora associada do Centro de Conservação Integrativa do Jardim Botânico Tropical de Xishuangbanna, Academia Chinesa de Ciências, disse que esses tipos de vírus – gripe suína e aviária – não são incomuns na China.

Anúncio

Ela disse que há relatórios periódicos sobre a disseminação desses vírus, mas isso se limita amplamente ao gado – por causa disso, há exames regulares.

“Padrões de higiene e alimentos, incluindo hormônios e esteroides em toda a Ásia, provavelmente são fatores que contribuem para o comprometimento do sistema imunológico e o potencial de propagação de vírus”, disse Hughes. “Carne de porco e aves também são muito populares em toda a Ásia, então há um grande número de animais na região – de fato, as estatísticas atuais mostram que mais da metade da população suína do mundo está na China,” complementa. Os resultados foram publicados na revista Proceedings da National Academy of SciencesFonte: Daily Mail

Saúde

Por que sentimos menos fome no calor?

Redação Informe 360

Publicado

no

Naturalmente esse é um fato comum a todas às pessoas, a redução do apetite em dias mais quentes. Mas por que será que isso acontece? O que a ciência revela sobre sentirmos menos fome no verão?

Entre outras coisas, por que será que no inverno acontece exatamente o contrário? Descubra agora, neste artigo!

Leia mais

Você sente menos fome no calor? Entenda o porquê!

Evidentemente, é claro que a questão do apetite varia de pessoa para pessoa. Mas o que a ciência explica é que enquanto no inverno o nosso corpo precisa de mais energia para manter a temperatura interna e o funcionamento do organismo.

No verão isso não acontece, já que a temperatura externa é mais alta e não é preciso “se aquecer”. Assim, o consumo de calorias acaba sendo menor, diminuindo, portanto, a nossa vontade de ingerir os alimentos. O educador científico Luis Villazon explica o seguinte ao Science Focus, sobre este assunto:

Anúncio

“Em dias quentes, nosso corpo já está trabalhando duro para fazer com que sua temperatura não aumente muito, por isso ele não precisa do calor extra que você adquire de uma grande refeição. Por isso, seu apetite acaba reduzindo um pouco e seu corpo usa mais da energia nas reservas de gordura”.

Luis Villazon

Deste modo, no inverno acontece o contrário, é a comida que precisa aquecer o corpo, por isso sentimos a necessidade de fazer refeições mais intensas ou mais vezes ao dia.

Especialistas ainda sugerem que isso é mais percebido em regiões onde as estações são bem definidas, em que o inverno realmente é mais frio e o verão com calor intenso.

Outro estudo realizado na China no ano de 2021, reafirma ainda mais que sentimos menos fome em dias quentes, ao revelar que o aumento de 1 °C diminui a quantidade de comida ingerida em 0,11%.

Anúncio

Quais estratégias preciso fazer para comer bem no verão?

Salada e mesa com frutas
Imagem Shutterstock

Segundo especialistas, o ideal é escolher levar ao prato alimentos mais leves, priorizando opções com fibra, fruta, hortícolas, alimentos mais ricos em antioxidantes, menos processados, menos gorduras e menos açúcares.

Além disso, é necessário não esquecer de manter um bom nível de hidratação ao longo do dia, afinal de contas independente das regiões, os fenômenos climáticos e a temperatura do planeta estão de uma forma geral, tornando os dias mais quentes até mesmo em estações tipicamente frias.

Outra dica é não mudar a alimentação bruscamente, apesar da diminuição do apetite, pois isso não é recomendado, de acordo com nutricionistas. Até porque, com as altas temperaturas, há também uma maior perda de líquidos e nutrientes.

Dessa forma, é importante continuar seguindo uma alimentação balanceada. Portanto, escolha sucos, saladas e diversas outras opções de alimentos mais refrescantes e, ao mesmo tempo, nutritivos.

O post Por que sentimos menos fome no calor? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Anúncio

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Saúde

Gripe aviária é detectada em aves de Nova York

Redação Informe 360

Publicado

no

A situação da gripe aviária vem se tornando cada vez mais preocupante. Em meio ao aumento do número de casos da doença em diferentes animais, autoridades do mundo todo passaram a acompanhar a evolução do vírus com maior atenção. Agora, cientistas dos Estados Unidos confirmaram que detectaram o H5N1 em algumas aves selvagens da cidade de Nova York.

Leia mais

Vírus foi detectado em seis aves de quatro espécies diferentes

No total, foram coletadas e rastreadas 1.927 amostras entre janeiro de 2022 e novembro de 2023. Após análises, o vírus foi detectado em seis aves urbanas de quatro espécies diferentes: gansos canadenses (Branta canadensis); falcões de cauda vermelha (Buteo jamaicensis); falcões peregrinos (Falco peregrinus); e galinhas (Gallus gallus domesticus).

A análise de sequenciamento também mostrou a presença de múltiplos genótipos diferentes do H5N1. As autoridades de saúde dos EUA emitiram um alerta para que os moradores da cidade se mantenham afastados de quaisquer aves que pareçam estar doentes e reportem se encontrarem aves doentes ou mortas há muito tempo.

A detecção da gripe aviária nos animais foi publicada no Journal of Virology. As informações são do ScienceAlert.

Anúncio
Médico segurando um tubo de amostra de sangue; teste de gripe aviária
Casos de gripe aviária estão sendo registrado em diversas partes do mundo (Imagem: StanislavSukhin/Shutterstock)

Riscos de uma nova pandemia?

  • A identificação do vírus em aves de Nova York é mais um sinal de alerta.
  • Nos últimos meses, cientistas detectaram a gripe aviária em amostras de leite cru e em vacas leiteiras pela primeira vez na história.
  • A doença também já causou a morte de diversos animais que não costumavam ser infectados.
  • É o caso do urso polar, gatos e até pinguins da Antártica.
  • Segundo especialistas, isso comprova que o vírus está se espalhando até em áreas remotas do planeta.
  • Em meio ao cenário, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para o risco do avanço dos casos de gripe aviária em aves e mamíferos.
  • Isso pode fazer com que o vírus passe por mutações e consiga infectar humanos de uma forma mais grave e rápida, o que representaria uma grave crise de saúde pública mundial.

O post Gripe aviária é detectada em aves de Nova York apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Continuar Lendo

Saúde

Cura do diabetes tipo 2 é descoberta; saiba qual é

Redação Informe 360

Publicado

no

Cientistas de Xangai (China) conseguiram curar, pela primeira vez na história, um paciente com diabetes tipo 2. O tratamento utilizado é experimental e envolve transplante de células do pâncreas.

Os investigadores, que publicaram sua descoberta na Cell Discovery, não revelaram a identidade do paciente, porém, sabe-se que ele tem 59 anos e viveu com a diabetes tipo 2 por 25 anos, mas estava ao menos há três anos sem precisar injetar insulina. O procedimento foi realizado no Hospital Shanghai Changzheng.

Como funciona a cura do diabetes tipo 2

  • O tratamento iniciou-se em 2021;
  • Os médicos pegaram células mononucleares do sangue do paciente e a reprogramaram em células-tronco;
  • Depois, o tecido de pequenos grupos de células especiais no pâncreas (as ilhotas pancreáticas, que produzem insulina) foram reconstruídas em ambiente artificial;
  • As ilhotas pancreáticas do paciente perderam sua função desde que ele fez transplante de rim, precisando tomar insulina diariamente;
  • Na sequência, ele foi desmamado dos medicamentos e da insulina;
  • O método conseguiu auxiliar na recuperação total da função das ilhotas pancreáticas;
  • Os médicos esperam, agora, que o tratamento possa evitar, ainda, a progressão das complicações diabéticas.

As próximas etapas envolvem aumentar a quantidade de amostras estudadas para poderem ter conclusões em definitivo acerca do papel das ilhotas pancreáticas e o alcance das metas glicêmicas.

“Estudos futuros são necessários para estender a aplicação do transplante de ilhotas derivadas de células-tronco a outros subtipos de diabetes e para gerar produtos prontos para uso para curar o diabetes sem a necessidade de imunossupressão”, disseram os autores do estudo.

Dexcom recebe aprovação da FDA para novo monitor de glicose

A Dexcom, empresa de dispositivos médicos, obteve autorização da Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, da sigla em inglês) para o seu novo monitor de glicose contínuo sem prescrição chamado Stelo.

Anúncio

Leia a matéria completa aqui

O post Cura do diabetes tipo 2 é descoberta; saiba qual é apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Anúncio
Continuar Lendo

Em Alta