Raio de 768 km é registrado nos EUA e bate recorde mundial, diz Organização Meteorológica Mundial

Um raio que percorreu 768 km nos Estados Unidos bateu o recorde de maior do mundo para esse tipo de fenômeno, anunciou a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

O raio cruzou três estados do sul do país (Texas, Louisiana e Mississippi) em 29 de abril de 2020.

O recorde anterior havia sido registrado no Brasil, com um raio de 709 km que cortou a região Sul em 31 de outubro de 2018 (veja na imagem abaixo).

A agência da ONU também validou outro recorde, o do raio de maior duração, durante uma tempestade elétrica no Uruguai e na Argentina. O raio durou 17,102 segundos em 18 de junho de 2020.

O recorde de duração anterior havia sido registrado no norte da Argentina, em 4 de março de 2019, de um raio que durou 16,73 segundos.

Imagem de satélite mostra o maior raio do mundo, em extensão: ele cortou o Sul do Brasil em outubro de 2018, percorrendo uma distância de 709 km. — Foto: Divulgação/NOAA

Imagem de satélite mostra o maior raio do mundo, em extensão: ele cortou o Sul do Brasil em outubro de 2018, percorrendo uma distância de 709 km. — Foto: Divulgação/NOAA

Os dois novos recordes foram estabelecidos em áreas conhecidas por esse tipo de fenômeno: as Grandes Planícies, na América do Norte, e a Bacia do Prata, na América do Sul.

“Os raios são um perigo importante e muitas pessoas morrem anualmente”, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas. “Esses novos registros destacam a preocupação grave com a segurança pública associada às nuvens eletrificadas, as quais produzem raios que podem percorrer distâncias consideráveis”.

Segundo a OMM, os únicos lugares seguros para se proteger são grandes edifícios com fiação e encanamento, ou veículos totalmente fechados com teto de metal.

‘Valores ainda mais extremos’

Os especialistas da OMM, que mantém o registro oficial de fenômenos extremos, se baseiam na tecnologia de satélite para medir os raios. Os novos recordes validados pela organização da ONU foram publicados no Boletim da Sociedade Meteorológica Americana.

“É provável que existam valores ainda mais extremos, e provavelmente poderemos observá-los quando as técnicas de detecção de raios forem ainda mais sofisticadas”, disse Randall Cerveny, relator da OMM para os fenômenos meteorológicos e climáticos extremos.

Fonte: G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.