Consumo de vinho tinto pode ajudar a proteger contra covid?

No início de 2020, logo depois da Organização Mundial da Saúde(OMS) declarar que o mundo enfrentava uma pandemia de Covid-19, a Federação Espanhola de Enologia (FEAE) lançou um comunicado que provocou polêmica.

O texto defendia que “o consumo moderado de vinho, responsável, pode contribuir para uma melhor higiene da cavidade bucal e da faringe, esta última uma zona que abriga os vírus”. Dessa maneira, a bebida criaria condições que “impedem a vida e a multiplicação do próprio vírus”.

A entidade afirmou que tinha preparado o comunicado com base em consultas a representantes da comunidade médica e também associações internacionais de enólogos. A questão é que o texto se popularizou e foi muito compartilhado. Algumas vezes, ao texto original eram acrescentadas palavras, como “cura” ou “imunidade”.

A informação acabou sendo classificada como “fake news” por várias agências de checagem. De fato, não havia estudos científicos na época que comprovassem qualquer benefício do consumo de vinho para prevenção ou tratamento da doença. A repercussão levou a federação a lançar outra nota, declarando ter sido mal interpretada.

“Em nenhum caso, na declaração inicial, foi declarado ou afirmado que existe uma relação direta entre o consumo moderado de vinho e a prevenção do contágio por coronavírus”, escreveu a FEAE.

Neste segundo comunicado, a entidade afirmou que o primeiro texto buscava apenas tirar dúvidas sobre a segurança sanitária dos processos de produção e comercialização do vinho, durante a pandemia. E acrescentou qualidades já reconhecidas das substâncias presentes na bebida.

A FEAE, no entanto, se beneficiou da evolução dos estudos sobre o assunto. Em fevereiro do ano passado, a entidade publicou uma nota em seu site sobre os resultados de uma pesquisa sobre o assunto, feita por um biólogo molecular da Universidade do Texas. E recentemente foi divulgado um levantamento feito por pesquisadores de um hospital chinês, também relacionando o consumo de vinho com a prevenção da contaminação pelo coronavírus.

Vamos tratar primeiro desse estudo mais recente. Pesquisadores do Hospital Shenzhen Kangning, na China, fizeram um levantamento que mostra evidências de que o consumo regular de vinho tinto pode ajudar a proteger o organismo contra a infecção do novo coronavírus.

Os cientistas analisaram informações de 473.957 pessoas registradas no banco de dados britânico UK Biobank. Mais de 16.559 estavam contaminadas pelo SARS-COV-2, de acordo com os testes. As pessoas que beberam mais de cinco taças de vinho tinto por semana tiveram um risco 17% menor de pegar o vírus em comparação aos que não bebiam. Entre as que consumiam de uma a quatro taças de vinho branco por semana, o risco foi reduzido em 8%.

A proteção foi relacionada ao alto teor de polifenóis presente na bebida. Isso, segundo os pesquisadores, é dado pelo efeito inibidor que a substância tem nos vírus causadores de gripes e infecções relacionadas ao trato respiratório, por exemplo. O levantamento estístico, no entanto, não avaliou se outros fatores entre os hábitos dos consumidores de vinho podem ter influenciado no resultado.

Já o estudo citado no site da entidade de enólogos espanhóis em fevereiro de 2021 teve outra abordagem, mas com resultados também favoráveis ao consumo de vinho. O trabalho foi conduzido por um biólogo molecular taiwanês. Mien-Chie Hung, professor e presidente do Departamento de Oncologia Molecular e Celular da Universidade do Texas MD Anderson Cancer Center em Houston, Texas, e presidente da China Medical University.

Hung liderou pesquisas científicas sobre o tratamento contra o coronavírus em que se descobriu que os taninos do vinho podem inibir a atividade de duas enzimas-chave do vírus. O professor explica que os taninos podem ser uma rota farmacêutica para o tratamento da Covid-19, no futuro. No entanto, ele ressalta que consumir alimentos e bebidas com taninos também é uma forma natural de aumentar a imunidade ao SARS-COV-2.

Os taninos são um tipo de polifenóis encontrados em frutas vermelhas, como mirtilos, framboesas, romãs, uvas, vegetais, nozes e chá verde, mas o vinho tinto é o alimento que contém o maior número de taninos naturais.

Porém, os cientistas destacam que essa “proteção” é pequena comparada à proporcionada pelas vacinas e pelas medidas de distanciamento social e uso de máscaras. Trata-se de uma proteção adicional e bem-vinda, mas que não substitui as medidas já conhecidas para reduzir as possibilidades de infecções, complicações e mortes.

Além disso, as pesquisas indicam que os benefícios só são garantidos pelo consumo moderado de vinho. O consumo excessivo pode ter o efeito inverso. Os dados da pesquisa feita na China mostram que o consumo exagerado de bebidas alcoólicas eleva o risco da Covid-19. Entre os que dobraram o consumo semanal estabelecido como aceitável, o risco de infecção foi 12% maior.

A pesquisa traz ainda outra informação, que serve de alerta e, certamente, vai desapontar muita gente. A análise mostrou que o consumo de cerveja ou cidra, independentemente da quantidade ou freqüência, aumenta o risco de infecção em 28% comparado ao registrado entre as pessoas que não bebem.

Fonte: R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.