Com 29 liminares contra bloqueios de estradas, caminhoneiros recuam

As 29 decisões liminares conseguidas pelo governo contra o bloqueio das estradas fez com que os caminhoneiros recuassem, até então, da greve da categoria, que estava marcada para esta segunda-feira, 1.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, conhecido como “Chorão”,  a tentativa é para tentar derrubar as decisões e, a partir disso parar. O líder de greve de 2018 afirma que enquanto o departamento jurídico de sua associação e de outras entidades ligadas aos caminhoneiros tenta reverter as decisões, a orientação é que os caminhoneiro não circulem, mas é possível que a categoria se organize para paralisar em uma nova data.

“Nós temos o direito de nos manifestar. Esse governo se diz democrático, mas por que não usou esse mecanismo (liminares) depois do 7 de setembro em uma manifestação que falava em derrubar o STF (Supremo Tribunal Federal)? Nosso departamento jurídico está tentando derrubar essas liminares, então tivemos que dar uma recuada. Nossos transportadores estão em risco”, disse o caminhoneiro a VEJA, em referência Às multas sobre o bloqueio de estradas.

Preço dos combustíveis
A principal demanda dos caminhoneiros está atrelada ao preço do diesel, que vem sofrendo seguidos reajustes este ano, devido a política de preços da Petrobras. “Ninguém está aguentando mais, e existe muita gente desanimada”, diz Chorão. A política de preços da estatal leva em consideração o preço do barril do petróleo, que passa de 80 dólares no mercado internacional.

Fonte: Veja

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.