Campos dos Goytacazes retorna à Fase Verde e mantém uso de máscara

O Gabinete de Crise e Combate à Covid-19. em reunião nesta segunda-feira (07). decidiu pela entrada do município na Fase Verde, o Nível 2 do Plano de Retomada das Atividades Econômicas e Sociais, em função da redução das taxas de transmissão, do número de casos e internações. Estabelecendo uma faixa de segurança de duas semanas para análise dos indicadores epidemiológicos, após o Carnaval, foi decidida a manutenção do uso de máscaras. A atualização das medidas do protocolo “Regras da Vida” será publicada em Diário Oficial.
A 28ª reunião do Gabinete de Crise, realizada eletronicamente, foi aberta pelo secretário de Saúde, Paulo Hirano; acompanhado do subsecretário de Atenção Básica, Charbell Kury; da superintendente da Vigilância Sanitária, Vera Cardoso de Melo; do secretário de Governo, Ângelo Rafael; do subprocurador Geral, Gabriel Rangel; do subprocurador Rodrigo Gentil; e do subchefe de gabinete do vice-prefeito, Sérgio Cunha; a promotora pública Maristela Naurath; representante da sociedade civil organizada.
Paulo Hirano considerou que, “avançamos bastante, não apenas na vacinação, mas também na testagem em massa, fundamental para esse nível de bloqueio da transmissão dos vírus”. E, apontou: “Chegamos a 50% de positividade e estamos na média de 15%. Mas é preciso ainda manter toda as medidas de prevenção, como se faz necessário uso de máscaras, evitar aglomerações e cada vez mais avançar na imunização”.
Hirano ressaltou o êxito da estratégia de imunização, com inclusão de crianças na faixa de 5 a 11 anos, com Campos conseguindo, em menos de um mês, chegar a quase 50% de cobertura vacinal para esse grupo, “imperando a Ciência, a técnica, proporcionando às nossas crianças uma segurança maior”. E, enfatiza: “A história nos mostra dados reais, concretos, que nos permitem tomar as decisões em defesa da vida da população. É imperativo imunização completa, reforço para idosos e podemos, até mesmo, caminhar para uma quarta dose. Porque esse pico de anticorpos tem uma duração e, com o tempo, ele vai caindo”, assinala Hirano.
INDICADORES E PARÂMETROS
Campos registra, com a primeira dose, 80% da população adulta imunizada, com 408.960 mil pessoas vacinadas, incluindo dose única. Com a segunda dose, o município alcança 68%, com 335.401 mil pessoas imunizadas.
No Gabinete de Crise, Charbel analisou o número de óbitos, até 10 de fevereiro, com 69 casos pesquisados: 16 eram sem registro vacinal, 42 com esquema vacinal incompleto, 11 com esquema completo, 3ª dose.
“Estamos em momento tranquilo, mas temos que estar vigilantes, até que a OMS considere a pandemia como uma endemia, para nos mantermos alertas, colocando nossos cuidados em dia”, alinhou Charbell Kury.
Sobre o decreto do governo do estado do Rio que autorizou municípios decidirem pela flexibilização do uso das máscaras, Charbel relacionou os critérios para os estudos da retirada da máscara: Positividade dos testes em 10%; taxa de internação mantida em queda; vigilância ativa, com observação de duas semanas após o Carnaval do nível de contaminação, considerando primeiro a liberação para locais abertos e depois para locais fechados.
Charbell anunciou que está sendo preparada uma estratégia de vacinação contra a Covid para crianças nas escolas, com previsão de participação dos pais. Hoje, são 22 mil crianças imunizadas, ou 44% de cobertura.
COVID E SEUS DESDOBRAMENTOS
Charbell Kury relacionou “quatro segredos” do vírus do Covid: sua capacidade de ser assintomático; sua transmissão por aerossóis; a formação das variantes, dando resistência e escape imunológico; e a desconfiança das vacinas. “Quem não está vacinando está ficando mais grave e eventualmente morrendo”, explica.
Charbell lembrou do ponto mais crítico, em março de 2021, com 56 pessoas em fila de espera em CTI, com todos 100 leitos ocupados e mais de 20 óbitos por dia. Hoje temos uma taxa média, variando de 30% a 40% das internações, cita o epidemiologista. “As últimas semanas pós-Ômicron, em fevereiro, foram de vários dias sem óbito”, afirma e conclui: “A diferença de março de 2021 para março de 2022 foram as vacinas, que mostrou que tivéssemos hoje esse momento mais tranquilo”. Ele reforça que as vacinas levam a ampliar em 25% a resistência imunológica ao vírus da Covid.
Entre as conclusões do encontro técnico, elenca-se: padrão de redução de casos e entrada em nível verde; variante Ômicron se tornando presente em não vacinados, principalmente idosos;
Fonte: Secom/PMC   Por: Sérgio Cunha – Foto: Subcom

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.